Estudantes participam de palestra sobre o risco do uso de cerol

Ação visa conscientizar os jovens e reduzir os acidentes

Cerca de 250 estudantes, do 6º ao 9º ano, da Escola Municipal Heitor Villa Lobos participaram de uma palestra sobre o risco do uso de cerol e da linha chilena. Durante uma hora, um bombeiro militar da reserva falou sobre os perigos que as linhas cortantes podem trazer à população.

Os acidentes mais comuns estão relacionados aos motociclistas. Dados do corpo de bombeiros apontam que neste período do ano, em que é comum a prática de soltar pipas, por semana na região metropolitana, aproximadamente dois motociclistas são feridos por cerol ou linha chilena. 100% desses acidentes são graves e podem ser fatais. “Geralmente o adolescente não tem consciência das consequências em soltar pipa com cerol ou linha chilena e nessas palestras temos a missão de orientar esses jovens. Para se ter uma ideia, o corte de uma artéria pode fazer a pessoa falecer em cinco minutos, antes da chegada do socorro”, explicou Rogério Rocha, bombeiro militar da reserva.

Além de motociclistas e pedestres, o cerol e a linha chilena colocam em risco a vida de quem está nas alturas. Na semana passada uma linha enrolou na hélice do helicóptero do corpo de bombeiros, na região da pampulha, em Belo Horizonte. O rotor da aeronave ficou comprometido. A manutenção deve custar R$ 135 mil aos cofres públicos.

De acordo com a polícia militar, utilizar linhas cortantes é crime. Crianças ou adolescentes que são surpreendidos manuseando cerol são apreendidos. Já o adulto é conduzido, junto ao material, à autoridade judiciária. Em Minas Gerais, a Lei Estadual nº 14.349 de 2002 prevê multa aos infratores, ficando sujeitos às sanções cíveis e penais.

Na palestra, encontramos um adolescente que utiliza cerol para soltar pipa. O jovem, de 13 anos, disse que não sabia dos riscos. Agora, consciente do perigo, afirmou que não quer mais saber de cerol. “A brincadeira de cortar a pipa do amigo é legal, mas realmente pode trazer perigos para quem está na rua”, destacou.

A palestra foi promovida por uma concessionária de motos de Contagem. Além de orientar os estudantes, a empresa realiza treinamentos de pilotagem segura à população. O projeto surgiu há três anos, depois de uma triste constatação. Dados da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) apontam que 60% dos acidentes de trânsito na região metropolitana estão relacionados a motociclistas. “Hoje, segundo o Detran, mais de 200 mil motos circulam todos os dias por Contagem. Nosso propósito é conscientizar esses motociclistas sobre a importância da direção segura. Queremos promover um trânsito com menos acidentes”, destacou o gerente comercial, Adriano Marquezani. Os cursos têm duração de 8 horas e são gratuitos. Qualquer pessoa pode participar.

O motociclista que deseja participar dos cursos ou o diretor que queira levar a palestra sobre o risco uso do cerol e linha chilena nas escolas deve ligar para a concessionária Moto Fest. O telefone é 3503 6000.

Reportagem: Júlio César Santos
Foto: Geraldo Tadeu
Publicação: 21/06/2018

Notícias Relacionadas