Estudantes apresentam projeto de combate ao bullying

Escola promete ações efetivas para envolver os alunos e conscientizar sobre as consequências do problema

Educadores e estudantes da Escola Municipal Glória Marques Diniz, do bairro Nacional, promoveram um debate voltado ao combate do bullying. A aula fez parte do projeto iniciado em fevereiro e que passou por várias fases no decorrer do ano letivo.

Idealizado pela professora de inglês, Elizabeth Soares de Oliveira, o projeto tem o objetivo de perceber e descobrir quais eram os fatores da prática do bullying na escola. No início, a professora apresentou a Lei 13185/15 que institui o combate à intimidação sistemática (bullying) em todo o território nacional. “A lei não tem caráter punitivo e sim preventivo. Então cabe as instituições públicas e particulares agirem como mediadoras do fato”, explica Oliveira.

A tarefa empregada aos estudantes do 9º ano foi a de descobrir se na escola ocorria a prática de bullying e quem eram os praticantes. Por meio de um questionário, os alunos dos 5º e 8º anos responderam o porquê de perseguir os colegas, qual a reação que teve durante a ação, se tinham arrependimento ou até mesmo se o praticante já sofreu alguma perseguição.

Com a tabulação dos dados foi descoberto que 82% dos alunos do turno da manhã cometeram pelo menos uma vez o bullying na escola. Também foi constatado que os estudantes dos 5º anos eram eram os que mais praticavam o ato. Os apelidos eram a prática mais comum. “Esse projeto foi importante para sabermos o que realmente está acontecendo dentro da nossa escola e como faremos para reverter a atual situação”, afirma a estudante do 9º ano, Talita dos Santos.

A professora Elizabeth, procurou a colega de profissão e que dá aula de português, Daniela Elias Pereira, para ajudar na amostragem dos dados. Daniela coordena o jornal da escola e em comum acordo com os envolvidos no projeto, decidiu colocar os dados num mural. Desde então, são realizadas ações de combate ao bullying na instituição. “O problema é sério. Mas agora queremos dar um novo passo para extinguir de vez esse hábito nas salas de aula”, enfatiza Pereira.

A aluna do 9º ano, Júlia Roberta Miranda, tirou total num artigo sobre o cyberbullying – assédio ou violência virtual que envolve o uso de tecnologias de informação. Júlia levou a temática à tona e conseguiu passar aos colegas de classe, que até então desconheciam a tal palavra, o quanto o cyberbullying pode ser às crianças e adolescentes. “Adorei me envolver com a pesquisa e escrever esse artigo. Com o aumento das redes sociais é percebido o quanto o cyberbullying está em nossa sociedade”, destaca Miranda.

Após a constatação feita na pesquisa, a Escola Municipal Glória Marques Diniz se dispõe a trabalhar com palestras, filmes, teatros, pesquisas e a produção de textos que busquem soluções para o bom convívio e respeito entre os alunos. Ações estão sendo feitas no Jornal Corujão da escola, lá os alunos produzem entrevistas e artigos sobre o tema. Os melhores são publicados no periódico escolar. “As pessoas devem aceitar as diferenças e também se aceitarem no meio em que convivem”, finaliza a estudante do 9º ano, Thayssa Santos.

Reportagem: Leonardo Melo
Foto: Newton de Castro Resende

Notícias Relacionadas