Estudante contagense vai à Nasa em busca do sonho de ser a primeira astronauta brasileira

“Quero me especializar em Astrofísica e Cosmonáutica”, foi o que disse a então estudante da Fundação de Ensino de Contagem – Funec / Unidade Riacho, Laysa Peixoto, ao ganhar a medalha de prata na 23ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica – OBA.

Hoje, a contagense estuda física da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG e prepara as malas para embarcar rumo à realização do sonho de ser astronauta. Laysa vai à Nasa – Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço, dos Estados Unidos, em tradução – para participar de um treinamento de astronautas que se inicia no dia 24 de maio.

“Vou ser tripulante da Expedição 36 do Advanced Space Academy. Esse curso é um requisito para outro curso, mais avançado, da Nasa para quem almeja ser astronauta”, explicou a jovem cientista.

Aproximadamente 20 pessoas participam do treinamento, com cientistas e engenheiros da agência espacial americana e simulação de uma missão ao espaço. O treinamento é intensivo e dura uma semana. Laysa receberá o título de Astronauta Análoga da Nasa.

O curso conta com simuladores de voo, práticas na réplica da Estação Espacial Internacional – ISS com simulação de uma missão espacial, Underwater Astronaut Training, simuladores de gravidade, construção, design e lançamento de foguetes e rovers, entre outras atividades e aulas.

A estudante contagense estenderá sua permanência em solo norte-americano, pois foi convidada a conhecer um astronauta e o Kennedy Space Center (centro para visitantes, na Flórida), além de outros espaços da Nasa.

Trajetória

Após ganhar a medalha de prata na 23ª OBA, Laysa Peixoto, então com 17 anos, ganhou uma bolsa de estudos em uma Universidade dos Estados Unidos e foi convidada para a seletiva Internacional das Olimpíadas de Astronomia e Astronáutica. Ao concluir o ensino médio na Funec Riacho, Laysa ingressou no curso de física na UFMG, onde tem se dedicado para se especializar em Astrofísica, Cosmologia e Física de Partículas.

Em 2021, Laysa participou de uma campanha de “caça asteroides”, pela NASA, em parceria com a The International Astronomical Search Collaboration. Os organizadores enviaram aos participantes, imagens feitas pelo telescópio Pan-STARRS, localizado no Instituto de Astronomia da Universidade do Havaí. As imagens referiam-se a regiões do Sistema Solar em que poderiam existir constelados não descobertos.

Laysa analisou cada parte das imagens em busca do estrelado. “Detectei alguns objetos que poderiam ser asteroides e enviei um relatório para eles. Um dos objetos que marquei foi confirmado e colocado na lista de ‘descobertas recentes’, por enquanto ele está nomeado com uma sigla do meu nome, LPS0003, futuramente terei a oportunidade de nomeá-lo”, destacou.

Repórter Fernando Dutra

Notícias Relacionadas