Escola debate preconceito e intolerância em exposição sobre Anne Frank

Jovem foi ícone do genocídio promovido pelos nazistas durante a 2ª Guerra Munidal

A Escola Municipal Glória Marques Diniz, da Regional Nacional, promoveu uma mostra sobre a jovem alemã de origem judaica, Anne Frank, vítima do holocausto durante a 2ª Guerra Mundial. O Núcleo Anne Frank de Minas Gerais foi convidado e montou painéis sobre a história da garota, a réplica da casa onde se escondeu dos nazistas, do diário onde fazia os relatos e tortura e de objetos da época.

Já as turmas do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental e a Educação de Jovens e Adultos (EJA) tiveram que associar as disciplinas com os fatos históricos do período da 2ª Guerra Mundial. Os estudantes produziram desenhos, fotos, jogos em formato de quizz, promoveram contação de histórias e fizeram receitas de origem alemã.

A ideia da escola foi promover conhecimento e debates sobre xenofobia, preconceito, intolerância e religião. “Os valores inerentes da condição humana voltados ao amor pelo próximo sempre foi pauta de Anne Frank. Por acreditarmos nessa abordagem, abraçamos esse projeto e sabemos que assim vamos contribuir para a proposta pedagógica da escola”, destaca a pedagoga, Sandra Vicente.

Além da mostra, o Núcleo Anne Frank doou 30 livros sobre a história da jovem. A exposição fica na biblioteca da escola até 11 de outubro. “Foi muito bom para todos nós estarmos tendo contato com a história de Anne Frank. O livro, que na verdade é um diário, é o quinto mais vendido do mundo e ter também projetos feitos por nós é gratificante, sem falar que combatemos o preconceito que infelizmente ainda existe nos tempos atuais”, finalizou o estudante do 6º ano, Samuel Moreira.

Confira mais fotos da mostra AQUI.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Geraldo Tadeu
Publicação: 01/10/2018

Notícias Relacionadas