Posts com a Tag ‘Arboviroses’

Contagem alerta para importância da prevenção e combate à febre amarela

A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde – SMS, tem alertado a população sobre a importância do combate e prevenção da febre amarela. Trata-se de uma doença infecciosa aguda grave, que é transmitida pela picada de mosquitos infectados e assim como a dengue, chikungunya, e zika não possui transmissão direta de pessoa para pessoa. A grande diferença entre essas doenças é que para a febre amarela há vacina eficaz e segura disponível.

Mesmo no inverno, é importante manter os cuidados contra a febre amarela. Por isso, a SMS intensificou as ações de conscientização e prevenção, bem como a mobilização das campanhas de vacinação, por meio da orientação para a população sobre a sua importância. A SMS também fez um levantamento da cobertura vacinal no município e identificar as áreas onde é necessário estimulá-la, para minimizar o risco de infecção e disseminação da doença no município.

Conforme explica a bióloga Virgínia Seixas Santana, da Unidade de Vigilância em Zoonoses — UVZ, a febre amarela entra no plano de controle das arboviroses. “Isso quer dizer que todas as ações realizadas para o controle do mosquito Aedes aegypti são válidas para a contenção da febre amarela. O controle das arboviroses é um desafio de saúde pública, por isso é importante que haja participação popular para manter os ambientes limpos e organizados, medida que evita uma série de doenças”, afirma.

A população deve tomar alguns cuidados para evitar a proliferação do Aedes aegypti, mosquito vetor da febre amarela, como tampar os tonéis e caixas d’água, manter as calhas sempre limpas, deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo, manter lixeiras bem tampadas, deixar ralos limpos e com aplicação de tela, limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia e retirar água acumulada de objetos.

Além do plano de controle das arboviroses, Contagem oferta vacina contra a febre amarela nas salas de vacina da cidade.

Sintomas e prevenção 

A febre amarela possui importância epidemiológica por sua gravidade clínica e potencial de disseminação, além do risco de reurbanização da transmissão em áreas infestadas pelo mosquito Aedes aegypti.

Desse modo, é importante manter-se atento aos sintomas, como o início súbito de febre, calafrios, dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo, náuseas, vômitos, fadiga e fraqueza. Ao surgimento dos sintomas, é recomendado procurar por atendimento médico na Unidade Básica de Saúde — UBS de referência e informar sobre qualquer viagem ou exposição realizada em áreas rurais ou de mata e/ou se houve mortandade de macacos próximos aos lugares visitados, assim como picadas de mosquitos.

A epidemiologista da Diretoria de Vigilância Epidemiológica — Divepi, Maria Helena Franco Morais, esclarece que o prazo de período da infecção varia de pessoa para pessoa.  “Geralmente, o período é o comum de uma virose, sendo o prazo de uma semana. Porém existem alguns casos de pessoas que podem desenvolver a melhora, e, logo após, ocorre o retorno da doença com um caso grave”, destaca a epidemiologista.

Em caso de agravamentos da doença, o paciente deve procurar atendimento médico o mais rápido possível em uma Unidade de Pronto Atendimento — UPA.

Vale ressaltar que macacos não transmitem a febre amarela e assim como os humanos eles são infectados. Caso seja encontrado algum macaco/mico doente ou morto, entre em contato com os profissionais responsáveis para que sejam feitas análises e estudos para detectar se a causa da morte foi de fato a febre amarela.

Com relação ao recolhimento de micos mortos, principalmente, os encontrados próximos a áreas de mata, o procedimento é realizado pelos profissionais do Controle de Zoonoses dos distritos sanitários.         

Vacina 

A vacina é a maneira mais eficaz e segura de se prevenir para evitar o contágio da doença. O Sistema Único de Saúde — SUS oferta a vacina contra a febre amarela de maneira gratuita para toda a população. Para ser imunizado, basta comparecer a uma unidade credenciada com o cartão de vacina e documento de identidade. As salas de vacina funcionam das 8h às 16h30, de segunda a sexta-feira.

Segundo o Ministério da Saúde – MS, a vacina é indicada para:

  • Crianças, ao completarem nove meses de vida, devem tomar  1 (uma) dose;

  • Crianças, ao completarem quatro anos de idade, devem tomar a dose de reforço;

  • Pessoas de 5 a 59 anos de idade, não vacinadas ou sem comprovante de vacinação devem tomar  1 (uma) dose;

  • Pessoas que receberam apenas  1 (uma) dose da vacina antes de completarem 5 anos de idade devem tomar  1 (uma) dose de reforço.

 Ainda, de acordo com o MS, a vacina NÃO é indicada para:

  • Crianças menores de nove meses de idade,

  • Mulheres amamentando crianças menores de seis meses de idade,

  • Pessoas com alergia graves a ovo,

  • Pessoas que vivem com HIV e têm contagem de células CD4 menor que 350.

  • Pessoas em tratamento com quimioterapia/radioterapia.

  • Pessoas portadoras de doenças autoimunes.

  • Pessoas submetidas a tratamento com imunossupressores (que diminuem a defesa do corpo).

 

Unidade de Vigilância e Controle de Zoonoses — UVZ  

Av. João César de Oliveira, 4665 – Eldorado.

Telefone: (31) 99257-0013

Estagiário André Fernandes sob supervisão da jornalista Vanessa Trotta

Secretaria de Saúde esclarece sintomas da dengue, zika e chikungunya e orienta onde procurar atendimento

Devido às altas temperaturas e às chuvas de verão, Contagem se mantém em alerta no combate às arboviroses – dengue, zika vírus e chikungunya. Em fevereiro, Minas Gerais registrou o primeiro óbito por dengue em 2022, de acordo com o Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde – SES.

Diante disso, a Prefeitura vem intensificando cada vez mais as ações de prevenção e combate às arboviroses. É, extremamente, necessário que a população redobre a atenção e contribua no combate do Aedes aegypti.

Os sintomas da dengue, zika vírus e chikungunya costumam ser semelhantes. Na dengue os sinais mais comuns apresentam-se como:

  • febre alta maior que 38°C,
  • dor no corpo e articulações,
  • dor atrás dos olhos,
  • mal-estar,
  • falta de apetite,
  • dor de cabeça
  • manchas vermelhas no corpo.

Os sinais de alarme são dor abdominal intensa, vômitos persistentes, tontura, desânimo, sangramento da boca ou outro e aumento do fluxo menstrual.

Já no Zika vírus, os sintomas mais frequentes em pessoas infectados são:

  • dor de cabeça,
  • febre baixa,
  • dores leves nas articulações,
  • manchas vermelhas na pele,
  • coceira,
  • vermelhidão nos olhos.

Os menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos.

Pacientes infectados com chikungunya apresentam:

  • febre,
  • dores intensas nas articulações,
  • dor nas costas,
  • dores pelo corpo,
  • erupção avermelhada na pele,
  • dor de cabeça,
  • náuseas e vômitos,
  • dor de garganta,
  • calafrios,
  • diarreia e/ou dor abdominal.

Atendimento

Quem apresentar esses sinais deve procurar atendimento médico. Os casos que manifestarem sintomas leves devem procurar a Unidade Básica de Saúde de referência e os sintomas moderados e graves, a Unidade de Pronto Atendimento – UPA  mais próxima.

Atenção redobrada: dengue ou Covid? 

Febre, dores de cabeça e no corpo, cansaço e mal-estar são alguns sintomas que também costumam ser sinais da Covid-19. Por isso, é importante ficar atento e saber diferenciar os sintomas. A orientação é observar algumas condições do corpo, que podem ser divergentes de uma doença para a outra.

Conforme explica a referência técnica em doenças transmissíveis, da Secretaria Municipal de Saúde, Ana Viegas, é importante ficar atento aos sintomas como febre, desânimo, falta de apetite, mas também aprender a diferenciar e procurar atendimento médico. “A falta de ar pode estar relacionada a Covid, já o sangramento é uma complicação que a dengue pode trazer”, ressaltou.

De acordo com Ana Viegas, a população deve adotar boas práticas para prevenir ambas as doenças. “No caso das arboviroses é fundamental que as pessoas combatam o Aedes aegypti, cuidando de suas residências e eliminando recipientes e objetos que acumulem água parada. Já em relação à Covid-19, usar máscaras, evitar aglomerações, higienizar as mãos, e, principalmente, manter o esquema vacinal atualizado”, afirmou.

“Estamos num período de redução de números de casos de Covid, mesmo assim, ainda temos transmissão. Então, é importante as pessoas continuarem vigilantes tanto para evitar a Covid-19, como também as arboviroses”, enfatizou Ana Viegas.

*Fonte: Ministério da Saúde – ANS

 

Repórter: Laura Oliveira

Seduc realiza live de prevenção a arboviroses em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde

A Secretaria de Educação de Contagem, transmitiu nesta quinta-feira (24), no Canal da Educação no youtube, a live de prevenção e combate à Dengue, Zika e Chikungunya. O evento virtual foi feito em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde e teve como objetivo preparar os(as) professores(as) para a conscientização dos(as) estudantes da Rede Municipal de Ensino a respeito das arboviroses.

As palestrantes Samantha Leão, diretora de vigilância ambiental e controle de zoonoses e Fernanda Andrade, médica veterinária e referência técnica de arboviroses também do setor de zoonoses de Contagem, apresentaram dados das ações de controle desenvolvidas pelos agentes comunitários da saúde e destacaram o importante papel da população junto ao setor público.

Para Samantha Leão, o principal apoio da comunidade escolar é “auxiliar na divulgação das medidas de prevenção e combate as doenças”. “Nós queremos chamar atenção para as recusas, as pessoas não recebem os agentes de controle vetorial que realizam um trabalho importante para toda a sociedade”.

“A equipe de agentes de endemia, juntamente com os veterinários, fazem o controle retroviral do município, de três em três anos a capital Belo Horizonte e região atinge um pico de casos prováveis de arboviroses e Contagem segue o fluxo de toda a área metropolitana”, destacou Samantha.

A veterinária Fernanda Andrade reafirmou, também, a importância da parceria com a educação. “A principal forma de combate a essas doenças é por meio da conscientização da população e nada melhor que contar com a colaboração de educadores(as) e pedagogos(as) da Rede municipal de Ensino”.

“Essas doenças são causadas por vírus e transmitidas ao seres humanos por meio de vetores que, nesses casos, é o Aedes Aegypti. A tendência de pico é um fato historicamente observado nos anos anteriores”, concluiu Fernanda.

A live faz parte das medidas do Programa Saúde na Escola (PSE), que tem como objetivo promover a saúde no ambiente escolar e melhorar a qualidade de vida dos(as) estudantes. O programa tem realizado ações relacionadas às principais doenças que atingem as regionais de Contagem e possui mais 12 ações estabelecidas que serão desenvolvidas ao longo do ano.

Para acompanhar a live sobre prevenção e Combate à Dengue, Zica e Chikungunya, acesse:

https://www.youtube.com/watch?v=dA5qRD1br_g

Para mais informações sobre o Programa Saúde na Escola e as 12 ações para 2022, acesse:

http://www.contagem.mg.gov.br/estudacontagem/programa-saude-na-escola/

Estagiária Ádria Oliveira sob supervisão do jornalista Fernando Dutra

Prefeitura promove mobilização de combate ao Aedes Aegypti

Na quinta-feira (24/2), os Distritos Sanitários Ressaca, Eldorado e Petrolândia receberam ações de conscientização e combate ao Aedes Aegypti, mosquito transmissor das arboviroses – dengue, zika vírus e chikungunya.

No Distrito Sanitário Ressaca, houve blitz de conscientização que circulou pelos centros comerciais da região, com faixas, carro de som e folhetos. A passeata começou na praça Primeiro de Abril e passou pelo CCE Ressaca, São Joaquim e outros pontos da área comercial.

Durante a caminhada, os Agentes de Combate a Endemias-ACE e os Agentes Comunitários de Saúde-ACS entregaram panfletos e conversaram com a população, alertando sobre o descarte correto dos materiais e eliminação dos focos do mosquito, sempre incentivando as boas práticas e lembrando que o combate às arboviroses é um trabalho em equipe. Na oportunidade, os agentes também chamaram a atenção para a imunização contra a febre amarela.

Segundo a supervisora geral do distrito, Valquíria Tiago, a mobilização teve um retorno exponencial em relação à população, porque muitos não imaginavam que o índice de infestação estava em alerta. “Trazer para a população que as arboviroses estão entre a gente, que ela está muito ativa nesse momento de muita chuva e sol, foi muito importante. Tivemos um retorno bom, porque as pessoas não estavam tendo noção dessa realidade”, contou.

Contagem está intensificando cada vez mais a campanha contra as arboviroses. “A gente está trabalhando intensamente em cima disso. Os agentes têm feito muitas orientações nas visitas. Estamos nessa luta árdua, mas não iremos parar”, enfatizou a supervisora geral do distrito.

Nos Distritos Sanitários Eldorado e Petrolândia, os residentes contaram com o mutirão de limpeza, que recolheu inservíveis que podiam servir de criadouro para o mosquito. O mutirão de limpeza nos dois distritos continuou nesta sexta-feira (25/2), os caminhões passaram pela área dois determinada por cada regional.

A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria de Saúde, mantém o trabalho de vigilância contra dengue, zika, chikungunya e febre amarela. As ações começaram nas regionais que apresentaram risco alto para a proliferação do mosquito transmissor das arboviroses, segundo Levantamento de Infestação Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), contudo todas as regionais do município receberão as iniciativas de prevenção e combate.  

 

Repórter: Laura Oliveira

Prefeitura realiza mutirão de limpeza em bairros da regional Vargem das Flores

O objetivo é eliminar focos do mosquito Aedes agypti

A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e da Subsecretaria de Limpeza Urbana, inicia uma ação conjunta para combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

Durante os dias 4 e 5 de março, caminhões da prefeitura passarão pelos bairros Ipê Amarelo, Vila Nova Esperança I, II e III e Estaleiro II, na regional Vargem das Flores, recolhendo objetos que possam servir como criadouro do mosquito. O movimento começou, nesta segunda-feira (2), com o trabalho de porta em porta para conscientização da população daquilo que pode ser separado e recolhido pelo mutirão.

Só devem deixar os resíduos na porta de casa, aqueles moradores que receberam a visita e as orientações dos agentes de endemias. Nos comunicados entregues pelos profissionais aos moradores constam a data e horário para o descarte. Os mutirões de limpezas serão realizados em alguns distritos levando em consideração dados do Levantamento de Índices Rápido para o Aedes agypti (LIRAa), ovitrampas e casos de dengue notificados.

 

Repórter: Tayna Oliveira

Foto: Divulgação

Data: 02/03/2020

Comitê se reúne para debater ações de combate e prevenção às arboviroses (dengue, Zika e chikungunya)

Comitê define datas para iniciar os mutirões de limpeza. A mobilização começará pela regional Vargem das Flores

 

Diretores de Distritos Sanitários, assessores da Vigilância em Saúde e da Atenção Básica se reuniram, na terça-feira (18), no Comitê de Arboviroses. O comitê é formado por representante de diversos setores da Secretaria de Saúde e tem o intuito de debater ações para a prevenção, o combate e o tratamento das arboviroses (dengue, zika e chikungunya).

Devido às fortes chuvas do início do ano e o calor intenso, o comitê está focado em ações para reduzir o impacto das epidemias e monitorar dados buscando reduzir riscos de surtos. Até o mês de fevereiro foram registrados 244 casos suspeitos de dengue, sendo 15 confirmados. Não há casos de Zika vírus e  chikungunya).
 
O superintende de Vigilância em Saúde, José Renato de Rezende Costa, reforça que essa é uma ação que envolve não apenas a saúde. Estamos realizando um trabalho intersetorial com as secretarias de Obras e Educação entre outras.“Convocamos também a população para essa luta, pois cerca de 80% dos focos do mosquito Aedes aegypti estão nas casas”, destacou José Renato.
 
Mutirões de Limpeza
 
Em conjunto com a Secretaria de Obras e Manutenção Urbana, será realizado, nas oito regionais, mutirões de limpeza. Equipes das duas secretarias irão percorrer as regiões, orientando moradores. Os mutirões recolhem nas áreas mais críticas entulhos que podem se tornar focos do Aedes.
 

Os primeiros mutirões serão realizas na Regional Vargem das Flores:

 
Distrito Data da Divulgação Data do Recolhimento Bairro
Vargem das Flores 2 e 3 março 4 e 5 de março Ipê Amarelo, Vila Nova Esperança I, II e III e Estaleiro II
Vargem das Flores 16 e 17 de março 18 e 19 de março  

Nova Contagem BI, BII, BIII e BIV

 

 

Repórter: Lucas Santos

Foto: Tayna Oliveira

Data: 19/02/2020

Educação e Saúde se unem no combate e prevenção ao mosquito da dengue, Zika e chikungunya

Durante o II Seminário de Abertura do Ano Letivo de 2020 foi promovida uma palestra sobre cuidados e prevenção das arboviroses

 

Período de chuvas  intercalado com forte calor é propício para a proliferação das arboviroses (dengue, zika e chikungunya). Para evitar o aumento de casos, a Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), já traça ações estratégicas para a prevenção e combate dessas doenças.

Nesta quarta-feira (5/2), durante o II Seminário de Abertura do Ano Letivo de 2020, realizado pela Secretaria Municipal de Educação e Fundação de Ensino de Contagem (Funec),  foi promovida uma palestra sobre cuidados e prevenção das arboviroses.

O superintendente de Vigilância em Saúde da SMS, José Renato de Rezende Costa, palestrou para cerca de quatro mil profissionais da área educacional. “A educação tem um papel fundamental no combate ao Aedes aegypti, 80% dos focos estão nas residências. Os alunos e o corpo docente serão um braço forte na luta contra as arboviroses”, acredita.

Segundo José Renato, em Contagem já existe o Programa Saúde na Escola, ação que integra as secretarias de Saúde e Educação. São realizadas palestras, visitas ao parque, teatro, entre outras atividades. Das 130 escolas em Contagem, 54 contam com o programa.

Dengue em Contagem

Em janeiro, o município registrou 98 casos suspeitos de dengue, 14 confirmados e 16 descartados. Não foram registrados casos de zika e chikungunya. O superintende José Renato de Rezende Costa ressaltou que, entre as ações mais importantes de combate ao mosquito no município, está a união de todas a secretarias municipais, a  integração dos agentes de endemias com as escolas e os mutirões de limpeza realizados nos bairros, especialmente, naqueles onde há incidência de criadouros é maior.

 

Repórter: Lucas Santos

Foto: Adelcio Barbosa

Data: 05/02/2020

Promovida Mostra de Projetos Exitosos da Vigilância em Saúde

Profissionais da área de saúde dos níveis superior, técnico, residentes e estagiários da Rede Municipal de Saúde de Contagem participaram, na quarta-feira (10), da 1ª Mostra de Projetos Exitosos da Vigilância em Saúde do município. O evento teve como objetivo expor à rede os trabalhos realizados. Na abertura do evento, realizado na PUC Minas-Contagem, a subsecretária de Saúde, Kênia Silveira Carvalho, falou sobre os trabalhos elaborados neste ano. “A vigilância tem feito muito, e sabendo como é difícil fazer tudo, é necessário esse momento com os colaboradores para todos terem o reconhecimento necessário”, destacou.

A mostra contou com a apresentação do grupo teatral Agente em Cena e depoimentos de profissionais da área da saúde, abordando vários temas, como as arboviroses.  Sobre a importância do evento, o superintendente da Vigilância em Saúde, José Renato de Rezende, disse que “as intervenções no meio ambiente estão interligadas às feitas na saúde”. Ele ainda aproveitou para parabenizar todos pelos trabalhos feitos.

Arboviroses

São as doenças causadas pelos chamados arbovírus, que incluem o vírus da dengue, Zika vírus, febre chikungunya e febre amarela. A classificação “arbovírus” engloba todos aqueles transmitidos por artrópodes, ou seja, insetos e aracnídeos (como aranhas e carrapatos).

 

Repórter: Tayna Oliveira

Foto: Adelcio Ramos

Data: 17/12/2019

Grupo teatral de Contagem apresenta peça no Seminário Estadual sobre Arboviroses

Grupo teatral “Agente em Cena” durante apresentação na Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC)

“Um mosquito não pode ser maior que toda população”. Com base nessa frase e com objetivo de transmitir a importância dos cuidados que a população precisa ter em relação às arboviroses, o grupo de teatro “Agente em Cena” se apresentou no Seminário Estadual sobre Arboviroses, na Fundação Mineira de Educação e Cultura (FUMEC).

Com a peça “Minha casa, meu ambiente”, o grupo tratou sobre a dengue, as doenças e a falta de cuidados em casa da população. “Queremos transmitir informação, tratar de doenças que são dadas como comuns, mas que tem solução e mostrar como os cuidados são importantes”, explicou Alexandra de Souza Thomaz, uma das componentes do grupo.

A peça foi encenada durante o seminário, que está sendo realizado entre os dias 12 e 14 de novembro, no auditório da FUMEC. O evento terá ainda palestras que tratarão de temas como vigilância epidemiológica e imunização.

“O Agente em Cena” é um grupo formado por Agentes de Combate às Endemias (ACE), da Secretaria de Saúde Contagem. O grupo de teatro foi criado por iniciativa dos agentes, juntamente com o Programa de Educação e Saúde, há 12 anos.

Arboviroses

São as doenças causadas pelos chamados arbovírus, que incluem o vírus da dengue, Zika vírus, febre chikungunya e febre amarela. A classificação “arbovírus” engloba todos aqueles transmitidos por artrópodes, ou seja, insetos e aracnídeos (como aranhas e carrapatos).

 

 

Repórter: Tayna Oliveira

Foto: Adelcio R. Barbosa

Data: 13/11/2019

 

Contagem apresenta balanço das ações de prevenção e combate às arboviroses

Entre as ações expostas no encontro, estão as 30 Unidades Sentinelas distribuídas nas oito regionais da cidade

Representantes da Secretaria de Saúde de Contagem participaram, na sexta-feira (23), da uma reunião de avaliação da situação das arboviroses (Dengue, Zika vírus, Chikungunya e Febre Amarela), no território da Superintendência Regional de Saúde – Belo Horizonte (SRS-BH), órgão da Secretaria Estadual de Saúde. O encontro reuniu representantes dos 35 municípios que fazem parte da SRS-BH. As superintendências e gerências regionais de saúde têm por finalidade garantir a gestão regionalizada do Sistema Estadual de Saúde.

A reunião teve como objetivo realizar, de modo coletivo, a construção de estratégias para o enfrentamento das arboviroses, por isso, a importância da participação dos representantes dos municípios. Contagem apresentou no encontro as estratégias para combate, prevenção e tratamento das arboviroses utilizados no início deste ano. Entre as ações expostas no encontro, estão as 30 Unidades Sentinelas distribuídas nas oito regionais da cidade. Essas unidades foram preparadas para atender pacientes com suspeita de dengue, que recebiam hidratação e faziam exames para confirmar casos da doença.

A referência técnica da Atenção Básica de Saúde de Contagem, Ivana Andrade, ressaltou que a descentralização foi a chave no tratamento das arboviroses. “As unidades sentinelas, novidades no município, reforçaram o atendimento de casos de suspeita de dengue, facilitando à população a busca pelo tratamento, além de desafogar as UPAs”, explicou.

Combate e prevenção

Uma medida eficaz e novidade no município de Contagem é a colocação de armadilhas em pontos estratégicos para a contagem de ovos do mosquito, as chamadas “Ovitrampas”. Atualmente, há 517 Ovitrampas espalhadas pela cidade. O agente faz a coleta da amostragem e, instantaneamente, tabula os dados. Com base nesses dados, a Secretaria Municipal de Saúde promove ações específicas para o combate ao mosquito na região.

A estratégia mais eficaz para a prevenção das arboviroses é a educação. O Programa Saúde na Escola levou o grupo teatral Agente em Cena até as unidades de saúde, restaurantes populares e escolas. De forma lúdica e educativa, o Agente em Cena debateu a prevenção e combate ao mosquito Aedes Aegypti (vetor das arboviroses).

De janeiro a agosto de 2019, foram confirmados 6.432 caso de Dengue, 13 de Chikungunya e nenhum de Zika. Contagem teve um dos menores índices das doenças entre as grandes cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Repórter: Lucas Santos
Foto: Fábio Silva
Data: 27/08/2019