Biblioteca Pública amplia acesso ao disponibilizar acervo em braile

São aproximadamente 20 mil livros e mais de 15 mil leitores cadastrados, com uma média de 150 usuários por mês

Cultura - 24/06/2019, 16:32:16 - Repórter: - Foto: Newton de Castro

Parte do rico acervo passou a ser disponibilizado em braile

Funcionando desde 2008 na Casa Rosa do Centro Cultural Francisco Firmo de Mattos Filho, a biblioteca pública passou por uma reestruturação funcional e tem recebido estudantes de toda parte do Município, que buscam material de pesquisas, literatura e espaço para estudos. De acordo com a gerente da biblioteca, Patrícia Faria Oliveira, o acervo tornou-se ainda mais atrativo ao ser disponibilizado em braile.

“Estamos passando por um momento muito positivo na biblioteca, com o trabalho de reorganização do acervo, modernização e informatização, além do programa de roteiros para as escolas do Município. Com a implantação do setor de braile, estamos ampliando o acesso ao público com deficiência visual. Disponibilizamos várias coleções, como o ‘Código da Vinci’ (Dan Brown, 2003), os clássicos de Nelson Rodrigues nas crônicas de ‘A vida como ela é’ (1951 a 1962), Machado de Assis (‘Fuga do Hospício e Outras Crônicas’), dentre outros grandes autores brasileiros. É um acervo amplo para estudantes e aberto a quem utiliza o braile, que tem trazido um número maior de leitores e estudantes, em busca de pesquisa, lazer e conhecimento”, afirma.

Ligada à Diretoria de Memória e Patrimônio Cultural da Secretaria de Cultura, Esporte e Juventude, a biblioteca pública faz parte do conjunto arquitetônico da rua Dr. Cassiano. Conta com aproximadamente 20 mil livros e mais de 15 mil leitores cadastrados, com uma média de 150 usuários por mês.

História

A Lei nº 2 da Câmara Municipal da Vila da Contagem, de 6 de junho de 1912, em seu artigo 257, determinou: “Fica criada uma biblioteca municipal organizada de acordo com os estatutos das bibliotecas públicas, funcionando onde a Câmara julgar conveniente”.

A intenção com a publicação da lei era que Contagem passasse a contar com uma biblioteca pública. Mas o projeto só se concretizou em 1953, com a intervenção do vereador Geraldo Magela Rocha e do prefeito Luiz da Cunha. Em 1º de janeiro daquele ano, por meio da Lei nº 93, de 29 de agosto de 1952, foi efetivamente criava a Biblioteca Pública Dr. Edson Diniz.

Inicialmente, a biblioteca foi organizada na rua Bernardo Monteiro (em frente ao Centec), na casa do senhor Britaldo Soares (já demolida). Recebeu o nome do médico Edson Diniz, filho do senhor Cirilo Diniz e neto do Dr. Cassiano Moreira.

A homenagem foi dada ao médico que, à época, se dedicava ao tratamento de famílias acometidas pela tifo. Posteriormente ele adoeceu, ficou isolado e morreu vitimado pela doença. A primeira funcionária foi a senhora Elza Maria Ferreira de Oliveira.

Depois, a biblioteca foi instalada nas dependências do edifício do Contagem Tênis Clube, contando à época com 8 mil volumes e com 100 consulentes/dia. Sem lugar definitivo, foi transferida para os fundos do Cine Teatro Municipal, em condições precárias, sem um lugar apropriado para atender aos leitores e pesquisadores.


Biblioteca Pública Municipal Doutor Edson Diniz (Centro Cultural de Contagem – Casa Rosa)

Endereço: rua Doutor Cassiano, 102, Centro
Horário de atendimento: segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h às 17h

Cultura - 24/06/2019, 16:32:16 - Repórter: - Foto: Newton de Castro
Tags:

Biblioteca Pública Municipal de Contagem tem acervo em braile

Notícias relacionadas