Representantes da Saúde participam de discussões sobre enfrentamento da esporotricose no Brasil

Município participa de oficina oferecida pelo Ministério da Saúde (MS) sobre esporotricose, micose com sintomas que se manifestam principalmente em gatos, mas que pode afetar animais e seres humanos.

Saúde - 14/06/2018, 15:49:47 - Repórter:

Com o objetivo de discutir a situação da esporotricose no Brasil, representantes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participaram da 1ª Oficina para Estruturação de Vigilância e Controle das Micoses Sistêmicas, ofertada pela Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis (CGDT) do Ministério da Saúde (MS). A oficina ocorre em um contexto no qual dados preliminares apontam um possível crescimento da doença no Brasil entre os anos de 2015 e 2018. A esporotricose é uma micose tratável, que pode afetar animais e humanos, cujos sintomas manifestam-se principalmente nos gatos.

A ação ocorreu nos dias 7 e 8 de junho, em Brasília. Participaram da oficina cerca de 35 pessoas, oriundas de aproximadamente dez cidades do Brasil. Pelo estado de Minas Gerais, que enviou representante, além de Contagem, somente Belo Horizonte e Conselheiro Lafaiete participaram do grupo.

O diretor de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS e médico veterinário José Renato de Rezende Costa integrou a equipe de Contagem, formada também pela médica e infectologista Tania Marcial e pela médica veterinária Maria Helena Franco Morais. Ambas fazem parte da equipe de epidemiologia da SMS.

José Renato explica que a esporotricose é uma doença (zoonose) que se caracteriza por uma micose subcutânea causada pelo fungo Sporothrix schenckii, que pode atacar humanos e animais. A esporotricose geralmente afeta a pele e os vasos linfáticos próximos a ela, mas pode também afetar ossos, pulmão e articulações.

Alerta para a possibilidade de diagnóstico de nova espécie no Brasil

O médico Veterinário José Renato explica que esta zoonose é encontrada em várias partes do planeta. “Esse fungo está presente na maior parte do mundo, mas principalmente em regiões de clima temperado e tropical, como a Ásia, África, Oceania e Américas. Por habitar a natureza, o S. Schenckii está presente no solo, vegetais e madeira, e pode atingir tanto humanos quanto animais. Sua disseminação é lenta e os sintomas se caracterizam por nódulos purulentos ou não e que aparecem, normalmente, nos membros superiores, como braços e mãos, e também na face”, acrescenta o técnico.

José Renato pondera, contudo, que alguns trabalhos vêm apontando uma nova espécie já diagnosticada no Brasil: “Estudos mais recentes mostram uma nova espécie, que é o S. brasilienses, que tem demonstrado, em alguns casos, patogenia mais severa e de disseminação mais rápida, o que tem trazido uma preocupação maior para todos os técnicos e, consequentemente, para a população em geral. Diante disso, iniciou-se o processo para considerar a esporotricose humana e animal como doença de notificação compulsória, uma vez que esta doença vem se espalhando de forma rápida por todo o território nacional e com uma patogenia bastante severa, tanto no animal quanto no homem. É preciso ter fluxos para o atendimento aos pacientes e dos animais e, ao mesmo tempo, deve-se criar uma ficha de notificação oficial para lançamento nos sistemas vigentes”.

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ de Contagem) vem recebendo animais suspeitos da doença, com coleta de material para o diagnóstico e encaminhamentos para a Escola de Veterinária da UFMG para confirmação.

No município, no ano de 2017, de acordo com o setor de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS, análises preliminares registram 11 casos notificados de esporotricose em humanos e 76 em gatos.

Prevenção, tratamento e controle

O diretor de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS, José Renato, explica que as medidas de controle da esporotricose estão baseadas na educação e na mobilização da população para o conhecimento da doença e suas formas de controle no meio ambiente, na capacitação para o diagnóstico e no encaminhamento ao tratamento.

“O diagnóstico no animal é muito importante. No caso dos animais domiciliados com tutores, existem tratamentos à base do Itraconazol. Esse tutores devem sempre procurar um médico veterinário para a correta administração dos medicamentos. É importante ressaltar que os animais ou as carcaças com suspeitas positivas ou confirmação da doença jamais deverão ser descartadas em lotes vagos ou mesmo no lixo comum, pois como o agente transmissor é um agente telúrico, que vive na terra, pode resistir por muitos anos no ambiente.

Saúde - 14/06/2018, 15:49:47 - Repórter:

Secretaria Municipal de Comunicação | Prefeitura de Contagem
Desenvolvido: Secretaria Municipal de Comunicação