Posts com a Tag ‘Mostra’

Mostra Cultural tem como foco celebrar a Consciência Negra

A Unidade Municipal de Ensino Infantil (Umei) Vereador João Evangelista Fernandes e a Escola Municipal Dona Gabriela Leite realizaram uma Mostra Cultural em conjunto

A Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei) Vereador João Evangelista Fernandes e a Escola Municipal Dona Gabriela Leite realizaram uma Mostra Cultural em conjunto voltada à celebrar o Mês da Consciência Negra. O evento contou com exposições de cartazes produzidos pelos alunos, roda de conversa com mulheres, que debateram sobre as dificuldades enfrentadas pela mulher negra na sociedade, danças e apresentações musicais afro-brasileiras.

A diretora da Umei, Regina Lara Resende, destaca a importância de introduzir este tema no ensino infantil. “Trabalhamos com 278 estudantes com a faixa etária entre 3 e 5 anos, e é fundamental que este assunto seja apresentado de forma lúdica às crianças desde cedo para que combater o preconceito e incentivar o respeito”, ressalta.

O diretor, Alexandre Eustáquio da Silva, lembra que o Mês da Consciência Negra, além de celebrar as conquistas, é importante para promover a igualdade social. “A inclusão é fundamental para discutirmos a questão racial e incentivar a valorização de cada um, sem criar um estereótipo. É um momento de reflexão e empoderamento. Por isso, neste ano, o foco foi “o feminino”, debatemos questões voltadas ao cabelo, assessórios, roupa e trabalhamos para a valorização pessoal de cada um”, disse.

A subsecretária da Secretaria de Educação (Seduc), Dagmá Brandão Silva, afirma que a atual gestão se dedica a propor trabalhos que valorizam as pessoas. “É primordial mostrar à comunidade que a prefeitura está empenhada em fazer com que os estudantes se sintam incluídos e reconhecidos nas atividades desenvolvidas pelas escolas” conclui.

Reportagem: Nayara Vianna
Foto: Elias Ramos
Publicação: 28/11/2018

Escola debate preconceito e intolerância em exposição sobre Anne Frank

Jovem foi ícone do genocídio promovido pelos nazistas durante a 2ª Guerra Munidal

A Escola Municipal Glória Marques Diniz, da Regional Nacional, promoveu uma mostra sobre a jovem alemã de origem judaica, Anne Frank, vítima do holocausto durante a 2ª Guerra Mundial. O Núcleo Anne Frank de Minas Gerais foi convidado e montou painéis sobre a história da garota, a réplica da casa onde se escondeu dos nazistas, do diário onde fazia os relatos e tortura e de objetos da época.

Já as turmas do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental e a Educação de Jovens e Adultos (EJA) tiveram que associar as disciplinas com os fatos históricos do período da 2ª Guerra Mundial. Os estudantes produziram desenhos, fotos, jogos em formato de quizz, promoveram contação de histórias e fizeram receitas de origem alemã.

A ideia da escola foi promover conhecimento e debates sobre xenofobia, preconceito, intolerância e religião. “Os valores inerentes da condição humana voltados ao amor pelo próximo sempre foi pauta de Anne Frank. Por acreditarmos nessa abordagem, abraçamos esse projeto e sabemos que assim vamos contribuir para a proposta pedagógica da escola”, destaca a pedagoga, Sandra Vicente.

Além da mostra, o Núcleo Anne Frank doou 30 livros sobre a história da jovem. A exposição fica na biblioteca da escola até 11 de outubro. “Foi muito bom para todos nós estarmos tendo contato com a história de Anne Frank. O livro, que na verdade é um diário, é o quinto mais vendido do mundo e ter também projetos feitos por nós é gratificante, sem falar que combatemos o preconceito que infelizmente ainda existe nos tempos atuais”, finalizou o estudante do 6º ano, Samuel Moreira.

Confira mais fotos da mostra AQUI.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Geraldo Tadeu
Publicação: 01/10/2018

Escola Municipal Glória Marques Diniz debate preconceito e intolerância em exposição sobre Anne Frank. Mostra foi associada a todas as disciplinas.

Olimpíada e Mostra incentivam o estudo a astronomia e astronáutica

Escolas têm até dia 18 de março para confirmarem a participação nos eventos

A Sociedade Astronômica Brasileira em parceria com a Agência Espacial Brasileira realizam a 21ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica e a 12ª Mostra Brasileira de Foguetes. A proposta é fomentar o interesse de crianças e jovens pela astronomia e astronáutica e promover a difusão dos conhecimentos básicos de uma forma lúdica e cooperativa.

As inscrições são gratuitas e devem ser feitas por um educador, representante da escola, por meio do site www.oba.org.br. O prazo termina do dia 18 de março. Os representantes também podem preencher o formulário disponível no portal Estuda Contagem (clique aqui) e encaminhar aos organizadores.

Podem participar da Olimpíada estudantes matriculados no ensino fundamental e no ensino médio. Já a Mostra de Foguetes é voltada para estudantes do ensino fundamental, médio e superior.

Na Olimpíada, os estudantes farão uma única prova, com dez questões. Os testes serão realizados simultaneamente em todas as escolas participantes. Os estudantes poderão usar lápis preto ou colorido, borracha, régua e caneta. Não é permitida a consulta a materiais ou a pessoas ou o uso de calculadora. A prova é individual.

Na Mostra Brasileira de Foguetes, os participantes deverão construir foguetes e promover o lançamento. Os estudantes podem realizar os projetos inividualmente ou em grupos de até três pessoas. As atividades devem sempre ser supervisionadas por adultos.

A Olimpíada e a Mostra ocorrem dentro da própria escola e tem uma única fase. As provas serão realizadas no dia 18 de maio. Todos os participantes recebem certificados. Os que tirarem as maiores notas ganharão medalhas. O regulamento completo está no site www.oba.org.br.

Reportagem: Júlio César Santos
Publicação: 08/03/2018

Crianças dão lição de igualdade racial e social durante mostra escolar

Temas foram abordados durante todo o ano letivo

A Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei) Mundo Maior realizou uma mostra cultural sobre diversidades raciais. O evento é um compilado do que foi ensinado em sala de aula durante todo o ano. Desde o início de 2017, as crianças de 2 a 5 anos participam de atividades que ensinam o que são preconceito e descriminação no espaço educativo.

Professores e pedagogos utilizaram recursos lúdicos para discutir os temas que são bastante sérios. As crianças conheceram personagens como a Bonequinha Preta, ouviram histórias que pregavam lições sobre a igualdade racial e social. “Tentamos deixar a mensagem que todos somos iguais, não importa as circunstâncias. A cor da pele não é mais importante quando coisas bonitas por dentro falam mais alto.” destacou o diretor Erick Teixeira Dantas.

A festa teve a participação de 150 crianças da educação infantil e foi aberta para a comunidade . Os trabalhos ficaram expostos no salão de apresentações especiais da escola. Além de conhecer os trabalhos, os visitantes assistiram à apresentações de contos, teatro e números culturais.

Reportagem: Nayara Macedo (sob a supervisão de Júlio César Santos)
Foto: Divulgação

Sustentabilidade vira tema de estudos e debates

Projetos propunham soluções para suprir necessidades humanas e que causariam menos impacto no futuro

A Funec Cruzeiro do Sul realizou uma mostra cultural sobre sustentabilidade. Durante o evento, foram apresentadas ações que apontavam melhorias para o meio ambiente dentro e fora da escola. Os 220 estudantes, de nove turmas, mostraram aos visitantes o conteúdo desenvolvido durante o semestre letivo. A criação de hortas comunitárias e hidropônicas foi um dos exemplos.

Temas que estão sempre na moda como a reciclagem, plantio de árvores e obras de conscientização ao meio ambiente também foram abordados. Todos os projetos foram avaliados pelos professores. “Queremos que os alunos, ao se formarem, mantenham a consciência de preservação e luta a favor da natureza”, destaca a professora e avaliadora dos projetos, Luzia Lima.

É a primeira vez que a mostra de sustentabilidade é realizada pela Funec Cruzeiro do Sul. O objetivo foi o ampliar conhecimento sobre o assunto. Além dos trabalhos expostos, os visitantes puderam participar de entrevistas e debates.

Para a vice-diretora, Rosilene de Souza, o evento atingiu a proposta, de conscientizar a comunidade sobre a importância da preservação ambiental. “Eu percebi que os alunos se entregaram ao máximo aos projetos. Acredito que daqui para frente todos eles serão mais conscientes e ensinarão a comunidade como devemos preservar a natureza e o meio em que vivemos”, finalizou.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Geraldo Tadeu

Brincadeiras populares são tema de mostra cultural de escola

Evento visa despertar a criatividade e socialização dos estudantes

A mostra cultural da Escola Municipal Deputado Jorge Ferraz teve o tema “Brincar, ler, criar e reinventar”. Os estudantes apresentaram trabalhos ligados à literatura, brincadeiras populares e artes. “O objetivo é estimular a criatividade dos estudantes, incentivando à leitura e a valorização cultural com brincadeiras antigas e pinturas.” destacou Sônia Andrade, diretora da escola.

O evento é realizado todos os anos e reúne estudantes, educadores e pais. As ações levam cultura e divertimento à comunidade escolar. A mostra movimentou toda a escola. Os estandes foram montados pelos alunos do ensino infantil e ensino fundamental. Segundo a diretora, o tema foi trabalhado em sala de aula durante todo o ano letivo. “Trabalhar a literatura e a cultura popular promove a socialização das crianças de um jeito educativo e divertido”, enfatizou.

Durante a mostra os participantes participaram de ações interativas. Os visitantes deixaram de ser meros espectadores para fazerem parte da mostra. Houve dança, teatro, exposição de artes, pinturas, esculturas, além de muitas brincadeiras que ultrapassaram gerações.

Reportagem: Nayara Macedo (sob a supervisão de Júlio César Santos)
Foto: Divulgação

Mostra cultural destaca respeito e cidadania

Trabalhos foram desenvolvidos por pais e estudantes

A Escola Municipal Doutor Sabino Barroso promoveu uma mostra cultural na qual os pais também foram responsáveis pela produção e apresentação dos trabalhos. A proposta foi valorizar a cultura cívica por meio da inclusão e das tradições. A temática “Brasil Plural: Diversidades de obras e linguagens” abordou a importância de preservar o respeito e a cidadania.“Nosso pensamento foi dar a voz a quem é esquecido e não é priorizado”, disse vice-diretora, Iara de Queiroz.

Ao todo, 600 estudantes participaram da mostra que teve como base a Lei 10.639, que resguarda e inclui História e Cultura Afro-Brasileira no currículo estudantil e também a Lei Brasileira de Inclusão (LBI) que é destinada a promover condições de igualdade para pessoas com deficiência, proporcionando a inclusão social.

Houve apresentação de peças teatrais, declamação de poesias e desfile. Nos estandes, os participantes puderam conhecer a história, cultura e costumes de diversas gerações. “Tentamos incentivar os alunos a procurarem lugares e pessoas que são referências e contribuíram com o desenvolvimento cultural e social do país. Carlos Drummond Andrade e Cecília Meireles, por exemplo, foram inspirações para alguns trabalhos”, destacou a vice-diretora.

Os estudantes da inclusão fizeram o lançamento de um livro infantil. Já as mães participaram de uma roda de discussão sobre filhos diabéticos. Quem não tinha carteira de identidade pôde providenciar o documento.

Reportagem: Nayara Macedo (Sob supervisão de Júlio César Santos)
Foto: Divulgação

Mostra de ciências leva conhecimento aos estudantes

Escola Municipal do Tropical promoveu evento voltado para alunos, pais e comunidade

A II Mostra de Ciências da Escola Municipal do Bairro Tropical, na Regional Petrolândia, reuniu estudantes, pais e comunidade para dois dias de extensa programação. Na primeira parte houve apresentações dos estudantes do 8º ano. Eles criaram músicas relacionadas ao conteúdo estudado na disciplina de Ciências Naturais. Além disso, participaram de uma palestra sobre feiras de ciências e mulheres cientistas.

A segunda etapa contou com a exposição de trabalhos. Ao todo, foram 70 pesquisas produzidas por 500 estudantes, do 5º ao 9ºano. Cada trabalho foi avaliado por sete equipes compostas por estudantes, educadores e comunidade. Com tema livre, a preparação durou dois meses. A proposta era incentivar a busca pelo conhecimento. “A pesquisa promove um estudo aprofundado, mais criterioso”, destacou a vice-diretora, Maria Martins Amorim.

Os visitantes também puderam aprender com os educadores. Eles ministraram palestras sobre como a criança aprende a língua materna, e o envolvimento da família na educação escolar dos filhos. Além de todo o conteúdo apresentando uma grande novidade chegou para os estudantes, pois novo laboratório de ciências foi inaugurado.

A II Mostra de Ciências da Escola Municipal do Bairro Tropical faz parte da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2017, evento promovido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Governo Federal.

Reportagem: Júlio César Santos
Fotos: Divulgação