Posts com a Tag ‘Inclusão’

OAB debate alienação parental na E. M. Jésu Milton

Projeto “OAB vai à Escola” levou informação e orientações jurídicas a estudantes e familiares

A Escola Municipal Jésu Milton dos Santos, no bairro Industrial, recebeu, no sábado (1º), o projeto “OAB vai à Escola”, durante a realização da Festa da Família. Cerca de 40 pessoas tiveram a oportunidade de assistir à palestra com temática voltada ao Direito de Família, em especial, à alienação parental. A palestra foi ministrada por advogados voluntários que integram a comissão do projeto. Além da palestra, eles fizeram atendimento jurídico, orientando e respondendo às principais dúvidas.

De acordo com a presidente da comissão do projeto, Ana Flávia dos Santos, o objetivo principal do “OAB vai à Escola” é levar informações, mostrando quais são os deveres e direitos da sociedade. “Nesta escola discutimos a questão da alienação parental por entender que é uma demanda recorrente na qual toda família é envolvida, inclusive, avós e os próprios filhos”, destacou a presidente.

Para ela, é importante orientar, bem como mostrar que existem formas de resolução de conflitos extrajudiciais. “Essa é a nossa missão: instruir a comunidade escolar e contribuir socialmente com a população, a fim de promover o seu desenvolvimento intelectual, moral e incentivar o exercício da cidadania”, justificou Ana Flávia dos Santos.

“OAB vai à Escola” é um dos projeto da OAB – Subseção Contagem. Atualmente, é composto por 30 advogados voluntários que promovem, regularmente, visitas às escolas do município, onde são debatidos os temas seguintes: atos infracionais, bullying, cyberbullying, alienação parental, Lei Maria da Penha com foco na violência doméstica, direito a ter pai, primeiro emprego, lei de drogas; inclusão social e igualdade racial.

Neste ano, o projeto já atendeu mais de 20 escolas em Contagem. Para a coordenadora de Jovens e Adultos da Secretaria Municipal de Educação, Guaraciaba Valquíria Conceição do Carmo, a parceria com a OAB é uma oportunidade valiosa. “Muitos dos nossos alunos e seus familiares não possuem condições financeiras para arcar com advogados, nem mesmo conhecimento para sanar dúvidas jurídicas. Portanto, acredito que a visita dos membros do projeto “OAB vai à Escola” é uma forma de facilitar o acesso deles aos juristas, orientando-os da melhor forma possível”, ressaltou a coordenadora.

Além do projeto “OAB vai à Escola”, a Festa da Família teve bazar de roupas e sapatos, oficinas artesanais, aulas de culinária e brincadeiras (cabo de guerra, corrida de colher, dança das cadeiras e estoura balão).

Reportagem: Carol Cunha
Foto: Fábio Silva
Publicação: 04/06/2019

Estudante autista ministra oficinas de português e matemática na Funec Oitis

Funec trabalha política de inclusão para garantir acesso igualitário ao sistema de ensino.

Victor Manoel Machado Cruz, 18 anos, é autista e está cursando o terceiro ano do Ensino Médio na Fundação de Ensino de Contagem (Funec) unidade Oitis, na Regional Ressaca. O estudante vem se destacando na escola ministrando oficinas de matemática e português aos outros alunos da classe. Ele é avaliado pelos professores e pelos próprios colegas durante a oficina e vem recebendo nota máxima na atividade.

O exemplo de Victor é uma vitória na inclusão dos alunos com deficiência na Funec. Segundo a diretora da unidade Oitis, Nilza Clarindo, quando o Victor chegou lá em 2017, ele não conversava. “Com o tempo ele foi se adaptando e hoje está feliz e tranquilo junto a sua turma, isso é um grande avanço. Precisamos incluir o diferente respeitando as diferenças. Não é cobrar que ele seja igual aos outros alunos, mas ele tem que estar lá no meio e ser incluído”, destacou a diretora.

A estagiária da Funec e estudante de Pedagogia, Natália Carolina Silva, acompanha Victor durante as aulas. Como no Ensino Médio são muitas disciplinas, ela procura mediar e adaptar as atividades passadas pelos professores. “Eu já sei em quais atividades ele tem mais dificuldade, portanto, procuro entender, estudo e explico para ele. Me dei muito bem com ele e estou adorando a experiência, vai ser muito importante para a minha formação”, disse Natália.

Victor ainda está em dúvida para qual área vai prestar vestibular, sua grande paixão é a Literatura, mas ele afirma que gosta de aprender de tudo. “Estou gostando muito de dar as oficinas, pois quando ensino, na verdade, aprendo muito mais. A Funec é muito boa, os professores, a diretora, a estagiária e meus colegas são ótimos, aqui me sinto acolhido e com o acompanhamento da estagiária fico mais seguro”, afirmou.

Inclusão dos Estudantes com Deficiência na Funec

Atualmente, as dez unidades da Funec recebem 49 estudantes com deficiência. Cada estudante é acompanhado através do Plano de Desenvolvimento Individual (PDI), um documento que registra todas as competências e habilidades desenvolvidas pelo aluno, de forma processual, além do acompanhamento da equipe pedagógica e de um estagiário que esteja cursando a partir do quarto período de Pedagogia ou Psicologia.

Segundo explica a diretora de Ensino da Funec, Alice Arcebispo, foi criado um código de conduta do estagiário que ele deve seguir para auxiliar os estudantes com deficiência. “O estagiário é estimulado a estudar e conhecer sobre a deficiência e laudo do aluno, o que contribui para a sua formação acadêmica. Esses alunos têm limitações, portanto, lidamos com as diferenças, mas com a consciência de que não podemos ser desiguais”, afirmou.

Para a vice-presidente da Funec, Raquel Parreira Carvalho, o acesso do estudante com deficiência deve ser igualitário ao sistema de ensino. “A escola deve dar o suporte necessário e a função do educador é estar preparado para educar os mais diferentes tipos de indivíduos. Não basta o aluno ser inserido, ele deve ser incluído”, afirmou.

Repórter: Vanessa Trotta
Fotos: Geraldo Tadeu
Publicação: 29/05/2019

Professores da Rede Municipal de Contagem participam de capacitação para atendimento a estudantes surdos

A oferta de capacitação sobre a Língua Brasileira de Sinais é um investimento da prefeitura de Contagem por meio da secretaria municipal de Educação.

Por meio de um convênio firmado entre a secretaria municipal de Educação com a Sociedade Cultural e Religiosa de Contagem, 30 professores do Atendimento Educacional Especializado (AEE), participam de um curso de Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). O objetivo é ampliar a comunicação e tornar mais eficaz o aprendizado dos estudantes surdos matriculados da Rede Municipal de Ensino.

O curso é gratuito e tem duração de cinco meses. Geisa Gláucia Viegas, professora do AEE da Escola Municipal Newton Amaral Franco já participou da primeira aula de LIBRAS e destacou a expectativa em aprender com a oportunidade de aprender o idioma. “Minha expectativa é que após a conclusão do curso eu consiga trabalhar efetivamente com mais habilidade com os estudantes. Além da necessidade da tradução, feita pelo intérprete, eles necessitam de um professor que amplie as relações dentro da escola e com essa oportunidade estaremos ainda mais preparados”, destacou.

Atualmente estão matriculados nas escolas municipais 40 estudantes surdos. Todos têm o atendimento diário de intérprete em sala de aula regular. O intérprete é o mediador entre o estudante surdo e o ouvinte. É responsável por auxiliar na comunicação em todo o ambiente escolar.

“A oferta na capacitação na Língua Brasileira de Sinais para as professoras do AEE é um investimento que a secretaria municipal de Educação de Contagem está promovendo para qualificar o atendimento dos estudantes surdos. Essa é uma demanda antiga da Rede e em 2019 estamos conseguindo viabilizá-la por meio do convênio com a Sociedade Cultural e Religiosa de Contagem”, destacou a superintendente de Projetos Especiais e Parcerias, Ludmilla Skrepchuk Soares.

Reportagem e foto: Nelson Augusto
Publicação: 29/03/2019

Profissionais de apoio à inclusão participaram da segunda formação presencial

A formação foi promovida pela Secretaria Municipal de Educação, por meio do Departamento de Educação Inclusiva.

No último dia 15 de março, os profissionais de apoio à inclusão (cuidadores, estagiários, intérpretes e instrutores de Libras), que acompanham diariamente os estudantes com deficiência nas escolas, finalizaram a segunda formação presencial. A formação ocorreu na Escola Municipal Heitor Villa Lobos e foi promovida pela Secretaria Municipal de Educação, por meio do Departamento de Educação Inclusiva.

“A formação tem o objetivo de alinhar com os profissionais de apoio as diretrizes da política de atendimento da educação especial. Mostrar as suas atribuições, como deve ser a atuação dentro do ambiente escolar, e assim evoluirmos para qualificar nosso atendimento aos estudantes com deficiência, matriculados na rede de ensino municipal”, destacou a superintendente de Projetos Especiais e Parcerias, Ludmilla Skrepchuk Soares.

Na formação foi apresentada a Legislação Brasileira de Inclusão (LBI), e alguns projetos que a Seduc está realizando nesse ano de 2019, como por exemplo, alfabetização de surdos e educação física inclusiva. Além disso, assistiram a palestras, apresentação cultural com dança de cadeira de rodas, capoeira e percussão inclusiva, apresentada pelos estudantes da Escola Municipal Antônio Carlos Lemos.

Reportagem: Nelson Augusto
Foto: Geraldo Tadeu
Publicação: 20/03/2019

Seduc firma parceria com instituto para capacitar professores do Atendimento Educacional Especializado

Além da formação os educadores recebem orientações sobre a construção do Plano de Desenvolvimento Individual.

Por meio de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e o Instituto e Clínica Aprendizagem e Companhia, 32 professores do Atendimento Educacional Especializado (AEE) passam por cursos de capacitação. O objetivo é fornecer instrumentos que auxiliem o ensino/aprendizado em sala de aula. “A parceira traz um subsídio científico com base na psicopedagogia e neurociência para nossas intervenções com os estudantes deficientes. Todo trabalho de Atendimento Educacional Especializado segue um embasamento científico. A formação de base científica é necessária para sermos assertivos no plano de atendimento, fazer intervenções corretas e no momento certo para ter o objetivo alcançado”, destacou a superintendente de Projetos Especiais e Parcerias, Ludmilla Skrepchuk Soares.

Além da formação, os professores são orientados sobre a construção do Plano de Desenvolvimento Individual (PDI). Por lei, todo estudante deficiente deve receber um plano de educação individualizado como forma de garantir o aprendizado e a acessibilidade na escola.

A inclusão escolar é uma conquista de direitos. Em Contagem, no contraturno, é oferecido o Atendimento Educacional Especializado, que ocorre em salas com recursos necessários para o aprendizado do estudante. São 29 salas do AEE nas escolas de Ensino Fundamental.

 

Reportagem: Nelson Augusto
Foto: Geraldo Tadeu
Publicação: 13/03/2019

Processo Seletivo para contratação de cuidadores

Inscrições começam nesta sexta-feira, 18 de janeiro

Estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo para a contratação de cuidadores para atuar nas escolas municipais de Contagem. O cuidador tem como atribuição acompanhar os estudantes deficientes nas instituições de ensino com baixa autonomia das atividades da vida diária; como locomoção, alimentação, comunicação e higienização.

O Processo Seletivo é uma parceria entre a Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Educação, e a Associação dos Surdos de Contagem (ASC). O candidato deve ter o Ensino Médio completo, ter mais de 18 anos, possuir capacidade técnica comprovada por meio de cursos, como cuidador de idosos, cuidador infantil, primeiros socorros básico, outros). É preciso apresentar atestado médico com aptidão para a função e atestado de bons antecedentes. É desejável experiência mínima de um ano.

As inscrições começam nesta sexta-feira, 18 de janeiro, e vão até o dia 30 de janeiro. O candidato deve enviar o currículo para o e-mail: inclusaoasc@gmail.com.

Após análise de currículo, os candidatos selecionados passarão por etapas de entrevista, teste de aptidão e análise de documentos.

Reportagem: Júlio César Santos
Arte: Renata Coura
Publicação: 18/01/2019

Secretaria de Educação implanta plano para melhorar o aprendizado de estudantes com deficiência

Metodologias evidenciam o perfil do estudante e criam medidas personalizadas de ensino

A Secretaria Municipal de Educação (Seduc) desenvolve um projeto-piloto para a Educação Inclusiva que tem como objetivo é consolidar as Diretrizes para Política de Educação Inclusiva em Contagem. As ações são divididas em três etapas. A primeira consiste na triagem, que vai traçar o perfil e as necessidades dos estudantes. Já a segunda fase vai destrinchar o histórico familiar do estudante. E por último, professores são capacitados para construir um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI), no qual vai auxiliar o aprendizado dentro e fora da sala de aula.

Em Contagem existem 1.245 pessoas com deficiência, matriculadas na Rede Municipal de ensino. “A concepção do projeto é em função da demanda da Rede. Temos a obrigação legal de desenvolvermos o Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) e queremos garantir que todo estudante, portador de deficiência, matriculado nas escolas municipais e Umeis, tenham um PDI para subsidiar sua trajetória escolar”, disse a Superintendente de Projetos Especiais e Parcerias, Ludmilla Skrepchuk Soares.

Atualmente o projeto é desenvolvido em nove escolas do município, contemplando todas as regionais. A proposta da equipe de Superintendência é a ampliar ainda mais o mapeamento. “A proposta é que a partir do segundo semestre de 2019 possamos ampliar para mais quatro escolas em cada regional”, concluiu Ludmilla Soares.

Reportagem: Nelson Augusto
Publicação: 15/01/2019

Escola Eli Hora realiza mostra de inclusão

Ação faz parte do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência

Educadores e comunidade escolar da Escola Municipal Eli Horta, na regional Sede, se reuniram para apresentar o trabalho desenvolvido durante o ano letivo na Educação Inclusiva. A mostra envolveu o depoimento de estudantes do Atendimento Educacional Especializado (AEE), familiares e dos próprios professores da escola num encontro emocionante. Um dos trabalhos apresentados foi em parceria com a biblioteca, na qual os estudantes de AEE utilizam livros gigantes para aprenderem.

A escola Eli Horta atende atualmente 26 estudantes com deficiência. O AEE é desenvolvido em uma sala de recursos multifuncionais e conta com o auxílio de sete estagiários da inclusão. O trabalho realizado na escola faz com que os estudantes permaneçam dentro de sala de aula. Quem comprova é Ivanete Viana Braga Oliveira, mãe de Karen Braga de Oliveira, de 15 anos. A garota passou a frequentar a Eli Horta neste ano, vinda de outra escola, e para Ivanete foi a melhor coisa que poderia ter acontecido para a filha. “O atendimento aqui é muito melhor. Minha filha tem deficiência de locomoção e cognitiva, então, além da equipe recebê-la pontualmente e prestar os devidos cuidados, ela ainda desenvolveu a parte pedagógica. Tudo que eu espero pra ela é um futuro de igualde e inclusão e aqui estamos no caminho certo”, disse.

Segundo a professora do AEE da Eli Horta, Márcia Rocha, a matrícula do aluno com deficiência é garantida nas escolas, mas além da matrícula, eles precisam ser incluídos no ambiente escolar. “Só acredito no AEE que atenda o estudante e consiga consolidar essas atividades no seu turno, fazendo essa articulação com os professores, com a equipe pedagógica, com a comunidade escolar, envolvendo todos, inclusive a família, porque senão o resultado não acontece. Eu só faço aquilo que acredito, e acreditando nessa proposta de inclusão dentro do ambiente escolar, o nosso trabalho tem resultado. Hoje eu conto com uma equipe maravilhosa de estagiários, tenho total apoio da gestão, isso tudo contribui para que dê certo”, disse.

A superintendente de Projetos Especiais da Secretaria Municipal de Educação (Seduc), Ludmilla Soares, esteve presente no encontro e ressaltou o trabalho que vem sendo feito na rede municipal de ensino, por meio do AEE. “Nós implementamos várias ações tanto no campo da gestão, em termos de planejamento de ações de intervenções da política pública da Educação Inclusiva no município. E do ponto de vista operacional, implementamos o programa de formação continuada para as professoras do AEE, hoje o município conta com 29 salas de recursos nas escolas de ensino fundamental e o atendimento itinerante nas Unidades de Educação Infantil (Umeis). Começamos agora também um projeto piloto de educação inclusiva em nove escolas, uma por regional, que se destaca na sua inovação no campo pedagógico. Nossa grande meta é deixar essa gestão com todos os alunos da inclusão com seu plano de desenvolvimento individual do aluno (PDI) pronto, e em execução nas escolas”, resumiu.

Para Patrícia Leandra Rodrigues de Souza, mãe de Poliane Rodrigues Souza, 16 anos, aluna da AEE na Eli Horta, neste primeiro ano da filha na escola, ela realmente foi incluída. “Sinto que os profissionais neste ano estão mais preparados. O início da vida escolar dela foi bem difícil. Mas agora, quanto ao desenvolvimento da Poli, depois que ela veio para cá, conseguiu falar uma frase completa. Ela gosta da escola e entra na bagunça dos outros alunos. É um passo de cada vez, mas só quero que ela tenha qualidade de vida com mais inclusão e que todos os outros sigam o exemplo dessa escola ao incluir essas crianças especiais”, disse.

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência
O Dia Internacional da Pessoa com Deficiência é comemorado dia em3 de dezembro. A data tem o objetivo de informar a população sobre todos os assuntos relacionados a deficiência física e mental. Um outro propósito é conscientizar as pessoas sobre a importância de inserir as pessoas com deficiência em diferentes aspectos da vida social, como a política, a econômica e a cultural.

Reportagem: Vanessa Trotta
Foto: Adelcio Ramos Barbosa
Publicação: 03/12/2018

Secretaria Municipal de Educação pede revogação de lei que extinguiu a E.M. Antônio Carlos Lemos

Pedido foi encaminhado ao Conselho Municipal de Educação

A Secretaria Municipal de Educação encaminhou um ofício ao Conselho Municipal de Educação solicitando parecer para revogar parcialmente a lei que extinguiu a .

Em dezembro de 2017 a escola foi transformada em um Centro de Atendimento Educacional Especializado, voltado a pessoas com deficiência física. Com a revogação da lei, além do atendimento à população o espaço poderá receber outros estudantes da Rede Municipal de Ensino de Contagem que possuem deficiência.

O pedido de revogação foi anunciado pela secretária municipal de Educação, Sueli Baliza durante uma reunião na sede da instituição. Pais de usuários do espaço, o secretário de Diretos Humanos e Cidadania, Marcelo Lino e o vereador Arnaldo de Oliveira (PTB) participaram do encontro.

Assim que o Conselho Municipal de Educação deferir o pedido, o ofício será encaminhado à Câmara Municipal e o legislativo pode decidir se o espaço volta para a pasta da educação. A proposta da Seduc é desenvolver um projeto para o Atendimento Educacional Especializado e um espaço para formação de educadores que atendem pessoas com deficiência nas escolas. “Nós já temos uma parceria com o CAIS para atendimento a cem estudantes da Rede Municipal. Queremos fazer a mesma coisa aqui; dar direito a quem tem direito”, destacou a secretária de Educação, Sueli Baliza.

Os pais das pessoas que utilizam o espaço receberam a notícia com festa. Elizabeth Vasconcelos tem uma filha portadora de deficiência mental. A jovem participa de diversas oficinas na instituição “Fortalecer esse espaço vai ajudar muito as famílias de deficientes. A vida social de nossos filhos está vinculada ao centro”, destacou Elizabeth.

Reportagem: Júlio César Santos
Fotos: Geraldo Tadeu
Publicação: 29/11/2018

Secretaria de Educação recebe homenagem no Congresso Internacional Brain Connection pelas práticas desenvolvidas