Posts com a Tag ‘Funec Nova Contagem’

Funec Nova Contagem participa de MiniOnu na Puc Minas

Cerca de 20 estudantes estiveram no local para a abertura da 20ª edição.

O Departamento de Relações Internacionais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), realizou no último sábado (12), a cerimônia de abertura da 20ª edição do Modelo Intercolegial das Nações Unidas (MiniOnu), que também contou com estudantes da Fundação de Ensino de Contagem (Funec), unidade Nova Contagem.

Cerca de 20 estudantes da Funec Nova Contagem puderam vivenciar, pela primeira vez, o ambiente acadêmico, que até a próxima terça-feira (15), será primordial para transformá-los em delegados que discutirão temas relevantes da agenda internacional. Os jovens adolescentes possuem um projeto denominado “Pensadores Fora do Eixo” que está fomentando, desde 2018, a produção de contos autorais. Através desse projeto, eles se inscreveram, foram aprovados e puderam participar do MiniOnu, na Puc Minas.

Mas, o que mais chamou a atenção foi a iniciativa por parte da própria Funec. A instituição ajudou esses jovens com a doação de roupas (traje social), como blusa, blazer, gravata, sapatos e vestido. Na avaliação do assessor de assuntos Institucionais e Internacionais, Igor Tameirão, a participação dos estudantes e a colaboração da Funec foram positivas para o município. “Trabalhar política internacional com jovens carentes e promissores é um ganho para o Brasil e, também, para a nossa região de Vargem das Flores. Eles mereceram estar aqui e acreditamos que irão sair daqui melhores e prontos para ganharem o mundo com o seu potencial”, destacou Tameirão.

O MiniOnu tem projetos com fins estritamente educativos e não possui relação com os processos oficiais deliberativos do organismo internacional. Nesse processo, os alunos têm a oportunidade de aprimorar não somente os conhecimentos, mas a capacidade de relacionamento, diálogo e gerência dos mais pertinentes assuntos debatidos no mundo.

O jovem estudante do 3ª ano, Gabriel Santos, contou que foi a primeira vez que esteve em um ambiente acadêmico. Ele disse que, por ser morador de Nova Contagem, nunca havia participado de um evento com essa temática. Mas, ele acredita que os assuntos que envolvam o crescimento da humanidade devam ser debatidos em qualquer esfera, sendo ela acadêmica ou não. “Podemos levar o conhecimento aqui adquirido para dentro dos bairros periféricos ou até mesmo a criação de movimentos sociais que reforçam a essa temática de mudança de vida das pessoas”, relatou.

A estudante Clara Vitória de Lima, também do 3ª ano, ficou feliz e com bastante lágrimas nos olhos ao falar da participação do MiniOnu. Ela contou que desde o início, os familiares e amigos de Nova Contagem deram todo apoio na participação dela. “É comum que as pessoas que não conhecem a nossa região tendem a dizer que o local não possui jovens com talento. Sabemos que não é verdade, pois cada um de nós possui sonhos e força de vontade para crescer na vida. Estarmos aqui já valeu a pena e mostrou o quanto podemos ir mais além”, comemorou Clara, em tom otimista.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Paulo Pereira
Publicação: 14/10/2019

Transcon promove Gincana de Educação para o Trânsito aos estudantes da Funec Nova Contagem

Três equipes competiram e tiveram que cumprir cinco desafios relacionados ao trânsito.

Os estudantes da Fundação de Ensino de Contagem (Funec – Nova Contagem) participaram da 2º edição da Gincana de Educação para o Trânsito, promovida pela Autarquia de Trânsito e Transportes de Contagem (Trancon). Os alunos do ensino médio, com idade entre 15 e 18 anos, foram divididos em três turmas e tiveram que cumprir cinco desafios relacionados ao trânsito, como por exemplo, provas sobre gentileza urbana.

“A gincana foi bastante produtiva. Participei das duas edições e acredito que é uma oportunidade de estudarmos e sabermos um pouco mais sobre a educação no trânsito”, destacou o estudante do segundo ano do ensino médio, Dalyson dos Santos Oliveira. Foram premiadas as equipes que ficaram em primeiro e segundo lugar.

Reportagem: Nelson Augusto
Foto: Fábio Silva
Publicação: 23/09/2019

Lançamento de livro com contos autorais coroa todo o esforço e dedicação dos “Pensadores Fora do Eixo”

Grupo formado pela comunidade escolar da Funec Nova Contagem obteve recurso e publicação está prevista para o fim deste ano.

Formado pela comunidade escolar da Funec Nova Contagem para incentivar a leitura e escrita, o grupo “Pensadores Fora do Eixo” se prepara para um grande salto no infinito campo do conhecimento. Vai publicar um livro com contos assinados, ilustrados e diagramados pelos seus componentes. A publicação é fruto dos encontros semanais na Biblioteca Cora Coralina, da instituição de ensino, para debates sobre os textos produzidos pelos integrantes do coletivo.

Com mais de 20 componentes, entre alunos, ex-alunos, professores, a bibliotecária da Funec e representantes da comunidade escolar – de Nova Contagem e vilas do entorno -, o “Pensadores Fora do Eixo” já produziu 13 contos. A expectativa é a de que mais dois sejam acrescentados ao livro, previsto para ser lançado no final deste ano. Quem não participa da produção dos textos contribui em outras frentes, como as ilustrações e diagramações.

As decisões editoriais sobre o conteúdo do livro são tomadas em conjunto. A publicação será financiada com recursos do Fundo Municipal de Incentivo à Cultura (FMIC), integrante do Sistema Municipal de Cultura, Esporte e Juventude por meio de edital publicado neste ano. Foram captados R$ 8 mil e a estimativa é a de que sejam impressos 154 exemplares.

“Nos inscrevemos para conseguir o recurso e ficamos em um lugar bem alto na lista de aprovados”, destaca Lucas Thiago dos Santos. Aluno do 3º da Funec Nova Contagem, ele é um dos organizadores do livro, ao lado dos professores Frederico Alves Lopes e Márcia Cristina de Andrade.

Além do esforço para captar recursos para a impressão, Lucas Thiago cuida dos trâmites burocráticos. Mas ele destaca que a obtenção da verba foi graças à ajuda de todo o grupo.

Continuidade

O jornalista Yuri Soares, ex-aluno da Funec Nova Contagem, faz parte do “Pensadores Fora do Eixo”. Mesmo egresso da instituição de ensino, ele continua participando das ações de incentivo à leitura e escrita da Biblioteca Cora Coralina. “O grupo de comunicação Cora Coralina surgiu em 2016 como meio para que alunos da escola pudessem falar sobre o cotidiano escolar e de incentivo às doações de livros para aumentar o acervo da biblioteca. No final daquele ano conseguimos obter mais de 300 obras doadas”, disse.

Segundo Yuri, outra proposta do grupo era criar uma nova perspectiva ante a visão que associava a biblioteca a um lugar de castigo, para onde os alunos são levados como punição a possíveis transgressões. “A gente queria tirar um pouco dessa visão e manter a biblioteca aberta, que é o local em que a gente faz nossas leituras, compartilha nossos textos autorais, de autores clássicos ou pouco conhecidos. A proposta continua. O grupo vem crescendo ao longo dos anos, alunos entram e saem e as pessoas amadurecem ali dentro”, aponta o jornalista.

Clara Vitória Resende, aluna do 3º ano e que assina contos no livro, faz planos para tão o sonhado dia de autógrafos. “Quando surgiu a oportunidade do lançamento do livro eu não achei que fosse algo tão sério e grande. Desenvolvemos o projeto, conseguimos verba e no final deste ano estarei autografando. Sempre quis escrever um livro e não imaginava que seria tão rápido (risos). Eu brinquei com os meus amigos que 2019 seria meu ano e que eu conseguiria tudo que eu queria. E está dando tudo certo”, comemora.

CONFIRA DAS OUTRAS REPORTAGENS DA SÉRIE:

Histórias de Nova Contagem projetadas pelos “Pensadores Fora do Eixo”

Vocação para ler e escrever de secundarista despertada na Biblioteca Cora Coralina, da Funec Nova Contagem

“A literatura é meu foco, e com ela consigo melhorar a minha vida”, afirma jovem poeta do “Pensadores Fora do Eixo”

Prestes a terminar o ensino médio, Clara Vitória comemora o crescimento intelectual após se ingressar no “Pensadores Fora do Eixo”

Reportagem: Carolina Brauer
Foto: Adelcio R. Barbosa
Publicação: 14/08/2019

Prestes a terminar o ensino médio, Clara Vitória comemora o crescimento intelectual após se ingressar no “Pensadores Fora do Eixo”

Foi na Funec Nova Contagem que a jovem aprimorou o gosto pela literatura

“Nós, os ‘Pensadores Fora do Eixo’, buscamos na Biblioteca Cora Coralina, nos livros, nos grupos que se reúnem aqui, uma maneira de nos expressarmos da forma mais poética e literária possível. Em alguns encontros não falamos nada, mas sabemos que o silêncio também é um momento extremamente importante para processarmos informações. No grupo conseguimos ser quem somos de verdade, colocando o nosso pior e o nosso melhor”.

É dessa maneira que Clara Vitória Resende de Lima, de 18 anos, aluna da Funec Nova Contagem, descreve sua participação no “Pensadores Fora do Eixo”, grupo formado em 2018 para incentivar a produção de contos autorais por integrantes da comunidade escolar. As impressões de Clara sobre o grupo e sobre a importância que a literatura tem na vida dela são o tema da quarta re-portagem da série.

A jovem conta que o amor pela literatura começou quando ela tinha 4 anos. O envolvimento com os projetos da Cora Coralina é mais recente, iniciado no ano passado, ajudando-a a reafirmar o gosto pelas letras. “Escrevi meu primeiro texto aos 13 anos. Eu o mostrei para uma professora, que disse que eu deveria continuar, que estava incrível. Isso foi o que me motivou, e daí em diante não parei mais. Eu devorava livros, já cheguei a ler um livro de 300 páginas em um só dia. Pelo fato de gostar bastante de ler eu estava sempre presente na Cora Coralina, querendo pegar um livro. E a Cilene, a bibliotecária, acabou me chamando para participar dos projetos”, relata.

O envolvimento aumentou e ela começou a apresentar os textos que produz. “Com o ‘Pensadores Fora do Eixo’ veio a oportunidade de me expor, sem guardar tudo só para mim. Sem dúvida, a participação no grupo tem contribuído para que eu possa desenvolver minhas aptidões literárias. Eu acho que dentro do grupo a gente se conhece muito melhor do que fora dele. Eles me conhecem melhor do que a minha própria família. Eu consegui me expressar de certas maneiras que não era capaz”, completa Clara.

A estudante está há quatro anos na Funec Nova Contagem. O fato de ter sido reprovada uma vez contribuiu para seu crescimento. “Hoje sou grata por isso, porque se não fosse a reprovação eu não teria participado do ‘Pensadores Fora do Eixo’”.

Clara também ressalta a importância da Funec Nova Contagem em sua formação. “Auxiliou bastante no meu crescimento pessoal. As pessoas do meu convívio, os professores, os funcionários, todos são importantes. É muito mais do que uma escola. A Cilene da biblioteca, por exemplo, é uma das pessoas com quem tenho mais afinidade. Se eu estiver triste ou com algum tipo de problema, só de me olhar ela vai saber. Ali eu me sinto acolhida, e a Funec deixa de ser só uma escola, um local para onde tenho que ir por obrigação, para estudar fórmulas e números. Quando a gente é criança não quer ir para a escola, estudar. Agora, que estou prestes a terminar o ensino médio, eu quero mais é aproveitar todos os momentos”.

Confira as redes sociais do “Pensadores Fora do Eixo” e da Biblioteca Cora Coralina:

https://www.facebook.com/bibliotecacoracoralinaanaguedes/

https://instagram.com/pensadoresforadoeixo?igshid=1u2gorqcjhkv9

CONFIRA DAS OUTRAS REPORTAGENS DA SÉRIE:

Histórias de Nova Contagem projetadas pelos “Pensadores Fora do Eixo”

Vocação para ler e escrever de secundarista despertada na Biblioteca Cora Coralina, da Funec Nova Contagem

“A literatura é meu foco, e com ela consigo melhorar a minha vida”, afirma jovem poeta do “Pensadores Fora do Eixo”

Lançamento de livro com contos autorais coroa todo o esforço e dedicação dos “Pensadores Fora do Eixo”

Reportagem: Carolina Brauer
Foto: Ricardo Lima
Publicação: 14/08/2019

“A literatura é meu foco, e com ela consigo melhorar a minha vida”, afirma jovem poeta do “Pensadores Fora do Eixo”

O estudante Lucas Thiago, de 18 anos, faz parte do grupo formado pela comunidade escolar da Funec Nova Contagem e se expressa por meio da poesia.

Com 18 anos, Lucas Thiago dos Santos é cheio de sonhos. Ávido por livros, bom de desenho e textos, sonoplasta e aprendiz de violão, ele almeja cursar engenharia. “Está dando dinheiro”, diz. Co-mo muitos, Lucas viveu maus bocados na adolescência e chegou a tomar antidepressivos para lidar com as angústias. Mas a vida deste jovem mudou depois que ele começou a participar do “Café com Leitura” e do “Pensadores Fora do Eixo”, grupos de incentivo à leitura e escrita formados pela comunidade escolar da Funec Nova Contagem.

Lucas cursa o 3º ano do ensino médio. O amor pela literatura o torna protagoniza da terceira reportagem da série “Pensadores Fora do Eixo”. “Eu era uma pessoa triste, que não conversava. Já tinha muitos textos e desenhos produzidos, mas os temas não me faziam bem e refletiam toda a minha revolta. No primeiro dia de 2019 comecei um projeto pessoal e me comprometi com as mudanças. Passei a frequentar o ‘Café com Leitura’ e a integrar o ‘Pensadores Fora do Eixo’ e isso foi uma forma de renovar a minha vida. Fiz novas amizades e estou apostando tudo na literatura. É o meu foco. Eu vou conseguir melhorar a minha vida com isso”, assegura.

O secundarista é um exemplo seguido pelo irmão mais novo, Gabriel Ângelo, de 12 anos, que já se aventura nos desenhos. “Quero ser um exemplo para ele e para outros jovens”, afirma Lucas.

Para ele, participar do “Pensadores Fora do Eixo” é uma forma de potencializar a criatividade, por meio da quebra de paradigmas e do exercício da crítica. “O eixo é o que estamos acostumados, é o dia a dia. Nos debates vamos desconstruindo o eixo, seus padrões, e acrescentando a singularidade que cada um tem dentro de si. Por exemplo, a tecnologia, que nós criticamos muito. Hoje em dia está todo mundo no celular e não nos livros. Então, ser leitor é estar fora do eixo, é sair do eixo”, avalia o jovem.

Atualmente, ele está lendo um livro sobre astronomia. Mas não abre mão do que a tecnologia tem de bom a oferecer e usa o celular para escrever textos e dar vazão aos sentimentos em forma de palavras.

Veia poética

Lucas acumulou muitos cadernos com textos, letras de música e desenhos, mas vem optando pelas trilhas poéticas como estilo literário para se expressar. “Os pensamentos que passam por minha cabeça são muito complicados e por isso tenho preferido escrever poesia, com rimas, para facilitar o processo”, relata o poeta.

Milene, mãe de Lucas, confidencia que o filho sempre teve aptidão para a escrita e o desenho. “Desde a 5ª série é assim. Ele começa a escrever e não para”, diz. “Tenho muito orgulho do meu filho, que me honra como mãe. Deito minha cabeça no travesseiro e não tenho preocupação com ele”, acrescenta Milene.

Confira as redes sociais do “Pensadores Fora do Eixo” e da Biblioteca Cora Coralina:

https://www.facebook.com/bibliotecacoracoralinaanaguedes/

https://instagram.com/pensadoresforadoeixo?igshid=1u2gorqcjhkv9

Reportagem: Carolina Brauer
Foto: Ricardo Lima
Publicação: 08/08/2019

Vocação para ler e escrever de secundarista despertada na Biblioteca Cora Coralina, da Funec Nova Contagem

A segunda reportagem da série “Pensadores Fora do Eixo” conta a história da estudante Camila Fernandes.

Camila Fernandes, de 18 anos, mora em Nova Contagem desde que nasceu e hoje estuda da unidade da Funec no bairro. Ela está terminando o 3º ano do ensino médio e quando pode desenha, canta e vai aprendendo os segredos do ukulele, espécie de pequeno violão. Como qualquer jovem, Camila tem sonhos, anseios e dúvidas sobre o mundo. Uma característica define sobremaneira essa jovem: ela gosta de literatura. Lê e escreve com gosto para conhecer o mundo e a si mesma.

Mas Camila nem sempre foi assim. Essa vocação aflorou depois que ela passou a fazer parte do Café com Leitura, iniciativa iniciada em 2016 de incentivo à leitura e escrita na Biblioteca Cora Coralina, da Escola Municipal Ana Guedes Vieira / Funec Nova Contagem.

No Café com Leitura, durante o intervalo das aulas, os alunos apresentam trechos de livros e de músicas, de temas diversos, que são colocados em debate, com a mediação da bibliotecária da Cora Coralina, Cilene Ferreira, ou de algum professor. A bibliotecária lembra que as primeiras participações de Camila foram marcadas pelo silêncio e introspecção.

“A Camila era uma incógnita. Durante o Café com Leitura ela se sentava em um canto, abaixava a cabeça e não falava. Em um belo dia ela resolveu dizer que tinha um texto para ler, o que foi feito com muita expressão. Daí para frente, essa menina deslanchou”, ressalta Cilene.

Camila faz parte da primeira geração de estudantes do “Pensadores Fora do Eixo”, grupo formado em 2018 para incentivar a produção de contos autorais pela comunidade escolar da Funec Nova Contagem. Ela é a única que desde o início do grupo Comunicação Cora Coralina, balão de ensaio do “Pensadores Fora do Eixo”, permanece no grupo.

Nesta segunda reportagem da série sobre o “Pensadores Fora do Eixo”, Camila fala sobre sua participação e como isso tem potencializado suas expressões criativas. “Eu não tinha o costume de ler muito no ensino fundamental. Foi só depois do grupo que eu comecei a ler mais, a escrever mais, e isso é um conforto para mim. Depois que entrei para o grupo é que percebi que realmente gostava disso”, relata a estudante.

Segundo ela, a comunicação da Cora Coralina, produzida para divulgar os trabalhos do grupo nas redes sociais, era feita pelos antigos alunos. “O pessoal foi se formando e do grupo inicial sou a única que permanece na escola”, destaca.

O grupo de comunicação da biblioteca nasceu em junho de 2016 pela necessidade de divulgação da campanha de arrecadação de livros literários. Foi crescendo com o passar do tempo, se tornando importante para o andamento dos projetos extracurriculares da Funec Nova Contagem. Hoje, o grupo tem como objetivo o desenvolvimento de pesquisas, leituras, publicações e atividades extracurriculares, tudo voltado à comunidade escolar.

A divulgação desses trabalhos é feita nas redes sociais do grupo, alimentadas por alunos, ex-alunos e colaboradores, com a produção de textos, fotos e vídeos. O “Pensadores Fora do Eixo”, por sua vez, surgiu no contexto das iniciativas de incentivo à leitura, escrita e pesquisa na Funec Nova Contagem.

Grupo de “terapia”

O diretor da escola, Roberto Afonso Nascimento, confirma o potencial do grupo para fomentar a educação e fortalecer identidades. “A nossa unidade é muito diferenciada, principalmente no fomento à leitura. É um grupo que acaba se transformando em uma espécie de terapia de grupo mediada por professores ou pela (bibliotecária) Cilene. Isso contribuiu para a nossa participação na MiniONU da PUC-Minas, em BH, que será de 12 de 15 de outubro. Vinte e sete alunos da nossa escola participarão do evento”, afirma.

Embora os integrantes da comunicação da Cora Coralina tenham mudado ao longo do tempo, para Camila, a essência do coletivo permanece. “Foram chegando novas pessoas, mas a proposta do grupo continua a mesma, que é passar poesia, passar texto, voltar a galera de novo para a lei-tura, que é uma coisa muito difícil de a gente ver na escola”.

Crescimento coletivo e pessoal

A participação de Camila no “Pensadores Fora do Eixo” tem propiciado à jovem oportunidades de autoconhecimento e acolhimento. “A gente traz a nossa visão, nossa perspectiva e vai conversando um com o outro, vendo a visão do outro. Com isso, vamos crescendo como pessoa, com discussões referentes tanto aos problemas da nossa comunidade quanto aos pessoais. No início eu costumava chegar, abaixar minha cabeça e escutar o que o pessoal trazia, mas eu não estava habituada a compartilhar com eles o meu pensamento a respeito do que era dito. Hoje em dia eu já faço isso com mais facilidade. Não só porque é um grupo de amigos, mas com qualquer um que chega eu tenho facilidade para compartilhar o que penso”, assegura a estudante.

Para Camila, a literatura é um meio pelo qual é possível configurar e reconfigurar histórias, significando e ressignificando o mundo e a maneira de as pessoas se inserem nele. “Cada texto é uma forma de reconhecimento e amadurecimento e é importante compartilharmos esses textos e sentimentos, porque muitas vezes é difícil olharmos para o momento que estamos passando e pensar racionalmente. Quando vemos as perspectivas dos outros, a gente cresce junto”, diz.

Ela ressalta que a literatura coloca cara a cara diversas personalidades, pontos de vistas e perspectivas. “É um leque abrangente, em que você tem o mundo nas mãos para poder decidir a forma como vai levar o seu próprio mundo, a forma como vai tomar suas próprias decisões, que caminho vai trilhar. A literatura é também algo que ajuda bastante a pessoa a se desenvolver e a descobrir qual o personagem ela é na sua própria história, para que seja possível escrever suas próprias histórias e sobre o mundo a partir da sua própria perspectiva. Conhecimento é uma coisa que nunca ninguém vai tirar de nós e os livros são um instrumento incrível nessa jornada”, filosofa Camila.

Confira as redes sociais do “Pensadores Fora do Eixo” e da Biblioteca Cora Coralina:

https://www.facebook.com/bibliotecacoracoralinaanaguedes/

https://instagram.com/pensadoresforadoeixo?igshid=1u2gorqcjhkv9

Reportagem: Carolina Brauer
Foto: Ricardo Lima
Publicação: 07/08/2019

Histórias de Nova Contagem projetadas pelos “Pensadores Fora do Eixo”

Iniciado em 2018, projeto de incentivo à escrita e leitura envolve 20 integrantes da comunidade escolar.

A participação em um projeto de incentivo à escrita e leitura está fazendo com que a comunidade escolar da Fundação de Ensino de Contagem (Funec) do bairro Nova Contagem, regional Vargem das Flores, se redescubra para o mundo, dando sequência à caminhada infinita rumo ao conhecimento. O projeto denominado “Pensadores Fora do Eixo” está fomentando, desde 2018, a produção de contos autorais por 20 pessoas: são alunos, ex-alunos, professores, a bibliotecária da Fundação e moradores do bairro e vilas do entorno.

A partir desta segunda (5), série de reportagem trará depoimentos dos participantes do “Pensadores Fora do Eixo”, como Thaylane Ingrid, de 17 anos, aluna do 2º ano da Funec Nova Contagem. Ela faz parte do grupo desde o início de 2019 e vem aumentando cada vez mais o gosto pela leitura e pelos estudos. “Eu não lia nada, odiava escrever e vir à escola, minha mente era mais fechada. Mas quando conheci o projeto passei a escrever sobre o que eu sentia. As críticas que recebo são positivas e estou melhorando com todo esse processo”, comemora.

Márcia Cristina de Andrade é professora de inglês na Funec Nova Contagem e uma das responsáveis pelo projeto, ao lado do professor de sociologia Frederico Alves Lopes. Ela explica que no início a intenção era reconstruir a memória social da região de Nova Contagem, por meio da coleta de depoimentos de moradores antigos da localidade. Com essa finalidade, dois alunos da escola passaram a receber bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Na ocasião, o projeto era intitulado “Recontando Nova Contagem”.

“A Biblioteca Cora Coralina, da Escola Municipal Ana Guedes Vieira (Funec Nova Contagem), conta com muitos grupos de estudos e discussões. Um deles é o ‘Pensadores Fora do Eixo’, que surgiu a partir de reuniões do Programa de Incentivo a Bolsas de Iniciação Científica Júnior (Pibic). Por meio do projeto, os estudantes, supervisionados por mim e pelo Frederico, começaram a promover encontros para contar as histórias de Nova Contagem. Novos estudantes e voluntários passaram a fazer parte da iniciativa. Com o passar do tempo, outros assuntos surgiram e os integrantes do grupo começaram a falar de si mesmos e da percepção de mundo visto pelas lentes da juventude”, explica Márcia Cristina.

Os encontros do grupo são às terças-feiras, às 20h, na Biblioteca.

Iniciação científica

O corte de bolsas pela Fapemig, no fim de 2018, não interrompeu a iniciativa. A Funec assumiu as duas bolsas do “Pensadores Fora do Eixo” e outras 28 ligadas a projetos de iniciação científica no ensino médio, mantendo por conta própria 30 bolsas suspensas pela Fundação estadual.

“Assumimos as bolsas até que esses recursos voltem a ser pagos pela Fapemig. Junto aos bolsistas temos professores e coorientadores, além dos voluntários, gerando uma cadeia de conhecimento. O objetivo é que a gente continue fomentando a iniciação científica no ensino médio, que não é obrigatória, mas importante para estimular a inserção desses alunos em pesquisas e a formação de jovens pesquisadores. O estímulo não vem só das bolsas, mas é parte de uma cultura que já está se disseminando na Funec, como o ‘Pensadores Fora do Eixo’”, ressalta a diretora de Ensino da Funec, Maria Alice Mendes Arcebispo.

A secretária Municipal de Educação, Sueli Baliza, reforça a importância deste tipo de investimento pelo Município. “A Funec é uma instituição tradicional em Contagem, que enseja uma responsabilidade socioeducacional muito grande. Não é à toa que a unidade da Funec no Riacho conquistou o primeiro lugar na média geral do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), dentre as escolas municipais e estaduais de Minas Gerais, em 2018. Isso tudo acontece por causa do investimento no ensino e do envolvimento dos professores e gestores com a Educação. Acreditamos que o país só vai se modificar pela Educação, e para isso esse apoio é fundamental”, destaca.

A Funec é subordinada à Secretaria Municipal de Educação e oferta ensino médio e cursos técnicos, com seleção mediante prova, geralmente aplicada no fim do ano. Atualmente, é composta por dez unidades e tem cerca de 3.200 alunos.

Reportagem: Carolina Brauer
Foto: Adelcio R. Barbosa
Publicação: 05/08/2019

Funec Nova Contagem realiza ações pelo dia da Consciência Negra. Projeto Afrociências é desenvolvido desde 2014.

Gincana Transcon de Educação para o Trânsito movimenta Funec Nova Contagem

Evento faz parte das comemorações da Semana Nacional de Trânsito na cidade

A segurança no trânsito é assunto sempre pertinente à sociedade. Em razão disso, a Prefeitura de Contagem, por meio da Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes (Transcon), promove ações educativas no município em todos os meses do ano. No último sábado (15), não foi diferente. A Gincana Transcon de Educação para o Trânsito 2018 movimentou a comunidade escolar da Funec Nova Contagem. 

Organizados em três grupos nas cores do semáforo, os estudantes participaram de desafios que referiam aos temas de gentileza urbana, segurança, cuidado, respeito e responsabilidade. Realizada na quadra escola, a competição ocorreu em cinco etapas, que foram:

Primeiros Socorros: assistiram atentamente à demonstração de primeiros socorros realizadas por profissional de segurança e reproduziram o procedimento aprendido.

Simulação de Mobilidade Reduzida: travessia na faixa de pedestres com a mobilidade reduzida com o uso de óculos que dificultavam a visão.

Frase em Memória das Vítimas de Trânsito: criação uma frase de impacto com o tema “vítimas do trânsito”.

Vídeo “Comportamento Seguro no Trânsito”: produção de vídeo mobile de curta duração que demonstre o comportamento seguro em vias.

Quiz de Placas de Trânsito: disseram o nome das placas de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro e o que elas significam.

O julgamento das provas coube ao júri, composto por dois profissionais da Transcon, a gerente de Educação para o Trânsito, Adriana Ferrari, e o agente de trânsito, Aender Araújo Ribeiro, e também um representante da Funec Nova Contagem, a pedagoga, Marina Carolina de Oliveira. Os critérios para julgamento foram tempo de realização, criatividade, originalidade, fidelidade ao tema proposto, desempenho e conhecimento. Houve ainda a possibilidade de recursos, casos os alunos tivessem reclamações.

A premiação contou com o apoio de empresas da região, como o Frigorífico ABC, que doou kits churrascos para os grupos do primeiro e segundo lugar. A equipe vermelha foi a campeã, seguida das equipes verde e amarela.

A gerente de Educação para o Trânsito, Adriana Ferrari, explicou que as atividades foram elaboradas para instigar e estimular os estudantes a adotarem uma nova postura diante do contexto social de negligência no trânsito. “Analisar criticamente um contexto, não só aponta as falhas como também possibilita mudanças significativas. A escola é um espaço de construção dos saberes com potencial para protagonizar essas mudanças”, pontuou.

Para o agente de trânsito da Transcon, Aender Araújo Ribeiro, a gincana foi extremamente importante, pois aproximou os agentes e população. “Às vezes somos hostilizados, mas nas escolas as pessoas aprendem que nossa intenção é ajudar tanto na mobilidade quanto na segurança de todos que compõem o trânsito, seja pedestre, motorista ou ciclista”, disse.

Aender também comentou que os estudantes têm certas limitações, como o conhecimento de algumas placas, mas que a experiência de ser jurado foi muito positiva. “Queremos escolher todo mundo. Se pudesse, escolheria todos, mas me baseie na experiência que tenho no trânsito, principalmente na questão da sinalização, em que uma das equipes fez a sinalização mais próxima do que acontece na realidade”, finalizou.

O diretor da Funec Nova Contagem, Alexandre Gomes, destacou que é parceria com a Transcon é fundamental para ampliar o sentido de educação e compromisso de transformação social. “Essa ação educativa vai para além do sentido pedagógico cognitivo e intelectual. É uma formação para a cidadania, porque os nossos estudantes não serão apenas preparados para o mercado de trabalho, eles estão sendo preparados para a vida, em todos os espaços. Trabalhar com a educação para o trânsito é construir uma relação social que cidadãos serão cada vez mais conscientes”, afirmou.

A estudante do segundo ano, Camila Fernandes, avaliou a gincana como divertida e informativa. “Foi uma ótima ideia passar as informações e normas de trânsito em jogos, pois é uma forma mais dinâmica e legal de aprender. Acho que esse tipo de evento deve ser realizado em outras escolas, porque desenvolve o raciocínio lógico e a capacidade de trabalhar em equipe, além de aprendermos leis que vão servir para vida inteira e que, se seguidas, irão acabar com os acidentes”, finalizou.

Reportagem e foto: Yuri Soares
Publicação: 20/09/2018

Estudantes da Funec Nova Contagem visitam Museu de Ciências Naturais da PUC

Visita faz parte de projeto interdisciplinar da Fundação

Cerca de 40 estudantes da Fundação de Ensino de Contagem (Funec), unidade de Nova Contagem, visitaram o Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). O foco foi acompanhar o processo evolutivo de alguns animais invertebrados e vertebrados. O trabalho interdisciplinar é uma forma de se aprender História, Geografia, Arte, Biologia e Sociologia.

A visita contribuiu para que os estudantes desenvolvessem teorias sobre o passado, conhecimento crítico sobre o presente e a ideia de como seria o futuro do planeta e da humanidade. Eles também tiveram o contato com várias espécies da fauna e flora e aprenderam sobre a importância da conservação ambiental para a sustentabilidade do planeta.
Para a diretor da Funec Nova Contagem, Alexandre Gomes, a educação de qualidade deve refletir para além dos indicadores institucionais. “A educação deve ser capaz de ampliar a consciência crítica a cidadania e promover a igualdade de direitos. O conhecimento deve ser uma ferramenta de promoção da vida, da justiça e do bem comum. E é nesta perspectiva que trabalhamos em Nova Contagem.”

O diretor também explica a importância das atividades interdisciplinar para os estudantes. “Para nós da Unidade Nova Contagem, a educação deve ser entendida como uma construção continua do futuro. Neste sentido, ampliar os campos de possibilidades dos nossos estudantes é uma ação efetiva na construção do futuro”, destaca Alexandre.

Reportagem: Nayara Macedo (Sob supervisão de Júlio César Santos)
Publicação: 20/08/2018