Posts com a Tag ‘Formação’

Assistentes do Programa Mais Alfabetização passam por formação

Encontro foi uma forma de capacitar ainda mais os educadores que atuam na alfabetização de crianças

Os assistentes do Programa Mais Alfabetização, que atuam nas turmas do 1º e 2º anos do Ensino Fundamental, das escolas municipais de Contagem, passaram por uma formação continuada. O foco é possibilitar a discussão e análise dos resultados dos trabalhos desenvolvidos com os estudantes em sala de aula.

Durante todo o dia, 120 profissionais discutiram sobre organização as metodologias do programa, as atribuições do cargo e os métodos pedagógicos aplicados para auxiliar os estudantes no aprendizado.

O Programa Mais Alfabetização é realizado em 55 escolas de Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino. Os assistentes de alfabetização têm papel de auxiliar o trabalho do professor em sala de aula. Eles orientam os estudantes que apresentam dificuldades em relação à leitura, escrita e matemática.“O programa tem o objetivo da consolidação da alfabetização nos dois primeiros anos do ensino fundamental. A partir da avaliação da determinada dificuldade, o professor direciona o assistente para trabalhar as atividades que não foram consolidadas na alfabetização”, destacou a coordenadora do Programa Mais Alfabetização em Contagem, Tatiane Maria Braga.

Os assistentes de alfabetização podem utilizar jogos, brincadeiras e instrumentos lúdicos para despertarem nas crianças a lógica de funcionamento da escrita e leitura.

Reportagem: Júlio César Santos
Fotos: Geraldo Tadeu
Publicação: 07/11/2018

Educadores participam de formação sobre Relações Étnico-Raciais e o Feminino

Ao todo 120 profissionais de biblioteca participaram do evento

A Secretaria Municipal de Educação (Seduc) e Fundação de Ensino de Contagem (Funec) promoveram uma roda de conversa para os profissionais das bibliotecas das unidades escolares. O foco foi debater questões das relações étnico-raciais, o feminino, a literatura e a diversidade numa abordagem histórica.

O evento foi promovido por meio de uma parceria entre o Programa de Biblioteca e Leitura e a Diretoria de Relações Étnico-Raciais e Gênero da Seduc. Cento e vinte pessoas estiveram presentes. Ao longo do ano, várias outras ações têm sido realizadas em atendimento à lei 10.639/2003, que estabelece a inserção do estudo da História e Cultura Afro-brasileira e Africana nos currículos da Educação Básica.

A palestra foi ministrada pela Diretora de Relações Étnico-Raciais e Gênero, Rosângela da Silva que abordou os processos históricos da construção do racismo no Brasil, além dos aspectos de gênero e raça na literatura brasileira e infantil. “A relevância do estudo desta temática diz respeito a todos os profissionais atuantes no ambiente escolar. Superar o racismo, trabalhar pelo fim das desigualdades social e racial e empreender a reeducação das relações étnico-raciais. A escola tem papel preponderante na eliminação das discriminações e na emancipação dos grupos discriminados”, destaca.

Os profissionais de bibliotecas tiveram a oportunidade de refletir e debater sobre o racismo, o mito da democracia racial, discriminações, intolerância e os mais diversos preconceitos. Ao longo do ano, a Formação dos Profissionais de Biblioteca abordou temas relacionados à diversidade e às relações étnico-raciais e várias ações relativas a este tema estão sendo realizadas nas bibliotecas escolares.

A Seduc e a Funec pretendem acompanhar estas ações, além de produzir um catálogo virtual para divulgar estas práticas e valorizar a atuação dos profissionais comprometidos com uma educação de qualidade no município.

Reportagem: Leonardo Melo
Publicação: 22/10/2018

Secretaria Municipal de Educação promove primeira formação interna

Mais de 60 servidores participaram dos encontros

A Secretaria Municipal de Educação (Seduc), promoveu durante toda a semana, a primeira formação interna para servidores. O objetivo foi conhecer a realidade e levantar as demandas de todos os setores.

As superintendências e diretorias de Educação Infantil, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Ensino Fundamental, Leitura e Biblioteca, Relações Étnico-Raciais e de Gênero, Projetos Especiais, Tempo Integral, Funcionamento Escolar e Gestão dos Trabalhadores abordaram as metodologias de trabalho e fizeram um panorama das ações já desempenhadas durante o ano letivo.

A primeira formação interna começou na segunda-feira (15) e terminou nesta sexta (19). O evento ocorreu no período de recesso escolar, justamente para não interferir no atendimento aos dirigentes. Mais de 60 profissionais participaram das palestras. “Por trazermos demandas ao longo do ano, precisávamos conhecer o que cada colega tem feito ao longo do ano. E por termos pessoas novas na equipe, também foi de extrema importância conhecermos o trabalho que elas farão daqui para frente”, destaca a superintendente de educação básica, Benta Maria de Oliveira Napoli.

A proposta é que a formação interna ocorra uma vez ao mês, com a apresentação de conteúdos e ações desenvolvidos por cada setor. “O encontro proporcionou um momento de reflexão para nos engajarmos mais sobre a educação de Contagem. Foi muito proveitoso e nos trouxe bons resultados”, finalizou Benta.

Reportagem: Leonardo Melo
Foto: Geraldo Tadeu
Publicação: 19/10/2018

De forma inédita, Seduc e UNA promovem Formação aos profissionais da EJA

Formação visa qualificar ainda mais o ensino na Educação de Jovens e Adultos

Secretaria Municipal de Educação (Seduc) em parceria com o Centro Universitário UNA em parceria com a realizou de forma inédita uma Formação para professores da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O objetivo foi dialogar com os profissionais que atendem a esse público e levar também soluções para o uso pedagógico por meio de ferramentas digitais.

Com o nome de “Diálogos Temáticos: Perspectivas da Educação de Jovens e Adultos na Era da Inovação”, o evento contou com duas palestras. Uma falou sobre Neurociência e a outra abordou as Tecnologias para a EJA. O evento reuniu pedagogos, professores, diretores, coordenadores e servidores do setor administrativo. A coordenadora da EJA em Contagem, Guaraciaba do Carmo ficou satisfeita com o envolvimento dos educadores. “Toda Formação é imprescindível para que o professor possa trabalhar com melhor qualidade”, destacou.

Um ponto chave que entrou em discussão foi o uso das Tecnologias ou Ferramentas Digitais na EJA. O professor de Sistema de Informação da UNA, Rodrigo Soares, apresentou um conteúdo voltado para o uso de material gratuito encontrado na internet que possa ajudar os professores e também os estudantes no aprendizado. “Apresentamos um panorama sobre o que é a educação e como devemos acompanhar a evolução das grandes tecnologias como aliados ao uso e crescimento do estudante. Eu trouxe um leque de opções que poderão ser baixados e buscados na internet, tendo assim mais facilidade no trabalho em sala de aula”, enfatizou.

Já o professor de Pedagogia da UNA, Luciano Ribeiro, abordou conceitos dentro da Neurociência, com o intuito de promover reflexões baseadas em teorias de autores famosos como Paulo Freire e Dermeval Saviani. “Abordamos metodologias voltadas ao ser social e como fazer o acolhimento do estudante da EJA, como entendermos a Educação para esse nicho e até mesmo darmos melhor qualidade de ensino a escola”, finalizou.

Reportagem: Leonardo Melo
Foto: Rafael D`Souza
Publicação: 10/10/2018

Programa de Formação Continuada aborda valorização das práticas escolares para professores da rede municipal

A proposta para o mês de agosto tem como tema: “Diálogos Temáticos”

A Secretaria Municipal de Educação (Seduc) está promovendo mais uma edição do Programa de Formação Continuada. O encontro com os educadores, que acontece mensalmente, desta vez aborda o tema “Diálogos Temáticos”. A abertura do evento aconteceu na última quarta-feira (15), e vai até o dia 29 de agosto, no auditório da Faculdade Una de Contagem.

O objetivo dos encontros é promover a atualização didática dos educadores. O primeiro dia de diálogo ficou por conta dos pedagogos que apresentaram diversas maneiras de deixar as aulas mais criativas e participativas.

A pedagoga Velane Carvalho Pinto, que atualmente contribui propondo ações interativas na Escola Municipal Joaquim Teixeira Camargos, disse que o ambiente escolar precisa ser remodelado. “Há muito tempo me incomoda muito ver nas escolas crianças estressadas convivendo em ambientes monótonos. Gosto de dinamismo e esta oportunidade de trazer os jogos e brincadeiras para dentro das escolas de forma séria é válida. O objetivo maior dessas propostas é estimular nos alunos o prazer em aprender. O educador precisa em primeiro lugar resgatar a criança que está dentre dele e levar alegria para dentro da sala de aula”, relatou.

A palestra “Alfabetização e Letramento: perspectivas sociológicas, históricas e antropológicas”, proferida pela professora Fernanda Rohlfs, veio de encontro ao tema proposto para o mês de agosto. “É essencial trazer uma prática que apresente um significado para os alunos e não pensando somente em sílabas e palavras soltas. Ainda percebemos nas escolas aquela raiz de alfabetização tradicional de exercícios que as crianças não entendem o significado. Propor novas maneiras de ensinar é o que faz a diferença, pois o professor tem que estar em constante formação. Os nossos alunos estão mudando o comportamento e temos que acompanhar essas mudanças para poder trazer um ensino mais significativo”, relatou.

Esta foi a primeira vez no ano de 2018 que um palestrante de fora da rede ensino de Contagem veio contribuir para melhorias no ensino local.

Confira a data e a área de atuação da formação para o mês de agosto:

15/08 – Pedagogos do 1º ao 5º ano
16/08 – Educação Física
17/08 – Língua Portuguesa

20/08 – Geografia
21/08 – Arte
22/08 – Língua Inglesa
23/08 – Matemática
24/08 – Pedagogos do 6º ao 9º ano

28/08 – História
29/08 – Ciência

Reportagem: Anderson Pena
Fotos: Elaine Castro
Publicação: 17/08/2018

Professores participam de formação que associa a Matemática a atividades lúdicas

Encontro mostrou como deixar as aulas de Matemática mais atrativas e interativas

Cerca de 150 professores participaram do Programa de Formação de Matemática que tem como foco a discussão e a implementação da Base Nacional Curricular (BNCC). O curso foi oferecido a todos os professores de Matemática do município.

“Em cada formação procuramos temas relevantes a carreira docente, bem como oferecer oficinas de conteúdo específicos sugeridos pelos próprios professores”, explica o assessor de matemática da Secretaria Municipal de Educação (Seduc), Daniel Gustavo de Oliveira.

Nas oficinas foram apresentados jogos temáticos que podem ser utilizados em sala de aula. Os brinquedos, à base materiais reaproveitáveis e de baixo custo, podem ser produzidos pelos próprios professores e também pelos estudantes. Eles auxiliam no ensino da disciplina. A utilização de dobraduras, por exemplo, ajuda a desenvolver noções de geometria.

As técnicas de ensino foram retiradas de artigos e dissertações. A proposta é fazer com que as aulas de Matemática fiquem mais atrativas e interativas. “Acreditamos que a formação em serviço é de suma importância para nós docentes da rede, levando a momentos de discussão e troca de experiências de boas práticas pedagógicas”, destaca Daniel.

Reportagem: Nayara Macedo (Sob supervisão de Júlio César Santos)
Fotos: Divulgação
Publicação: 25/07/2018

Formações em serviço auxiliam profissionais da educação infantil

Até setembro, cerca de 850 profissionais vão passar pelas capacitações

A Secretaria Municipal de Educação (Seduc), por meio da Superintendência de Educação Infantil, tem realizado diversos cursos de formações em serviço com dirigentes, pedagogos, professores e agentes de educação das Unidades Municipais de Educação Infantil (Umeis), escolas com turmas vinculadas e Anexos. O objetivo é melhorar a qualidade do ensino baseado no currículo da educação infantil de Contagem.

A formação dos profissionais da Educação Infantil, em 2018, começou em fevereiro com um seminário, e se estende ao longo do ano. A expectativa é beneficiar 850 profissionais da educação infantil de Contagem, entre professores, agentes de educação infantil, pedagogos e diretores. Os diretores participam de formações sobre gestão escolar. Já os pedagogos têm estudado sobre as formas de avaliação e registro do desenvolvimento das crianças.

No mês de julho, os professores e agentes de educação infantil participaram da formação presencial sobre linguagem corporal, o brincar e as brincadeiras. No módulo desta semana discutiram sobre o currículo da educação infantil e participaram de oficinas, com materiais que possibilitam explorar a criatividade e executar diversas brincadeiras em sala de aula.

Para o segundo semestre, a proposta é estender as formações para os profissionais das Creches Conveniadas. A superintendente de Educação Infantil, Liliane Melgaço, reforça que é importante refletir sobre  a concepção de criança e as práticas pedagógicas na educação infantil para qualificar o trabalho em sala de aula. “A nossa proposta é dialogar e aproximar dos profissionais que estão em contato direto com as crianças, afim de qualificar cada vez mais o trabalho na Educação Infantil. A cada formação presencial a avaliação dos participantes tem sido positiva e o número de inscrições  para os próximos módulos têm aumentando”, destacou Liliane.

No final do ano os pedagogos vão apresentar relatos de experiência sobre a formação em serviço voltada para a avaliação na Educação Infantil. Os professores e agentes de educação infantil farão relatos ou memoriais sobre as linguagens do currículo da educação infantil.

Reportagem: Leonardo Melo
Foto: Geraldo Tadeu
Publicação: 11/07/2018

O teatro a favor do aprendizado em sala de aula

Formação dos educadores das disciplinas de Arte e História destacou o teatro como forma de auxiliar o aprendizado

Os encontros de Formação em Serviço para os professores da Rede Municipal de Contagem trouxeram como proposta as possibilidades da interdisciplinaridade no ambiente escolar. Dentro da perspectiva, as formações de Arte e História foram realizadas em conjunto. O objetivo foi promover a troca de experiências e conhecimentos entre os educadores das duas áreas.

O conteúdo foi desenvolvido pelas formadoras Denise Betônico e Elaine Ribeiro. O teatro foi usado como eixo de interrelação entre as disciplinas de Arte e História. Para as formadoras, o uso do teatro como recurso pedagógico apresenta infinitas possibilidades. Uma delas é a recriação de encenações. As atividades, além de trabalhar com os conceitos das duas disciplinas, permitem que os estudantes desenvolvam várias habilidades socioafetivas.

A mediação da atividade teatral foi desenvolvida por Glauce Leonel, atriz e professora de Educação Física da Rede Municipal de Contagem, que atualmente desempenha a função de assessora educacional. Uma das propostas trazida pela professora são os jogos teatrais. O conceito foi desenvolvido pela americana Viola Spolin e é utilizado na preparação de atores e também na formação de crianças e adolescentes, principalmente em escolas e instituições sociais.

Educadores aprendem técnicas para mediar de conflitos nas escolas

Ações vão ajudar os educadores a solucionar problemas entre estudantes nas escolas

Pedagogos do do 3º e 4º ciclo participaram de uma formação sobre mediação de conflitos. A palestra foi ministrada pela Guarda Civil de Contagem. O objetivo foi orientar os educadores como agir em determinadas situações de conflito no espaço escolar.

Durante o encontro foram debatidos conceitos de conflito, violência, mediação e pacificação. Os educadores também puderam conhecer as diferenças entre crime e contravenção, ato infracional e inimputável. “O conflito pode significar perigo se o impasse permanecer e a situação conflitiva continuar. Mas também representa uma oportunidade para a construção do diálogo e da cooperação”, destacou o guarda civil, Rafael Concesso.

A palestra vai auxiliar os educadores, já que a escola é um espaço de diversidade de pensamentos. Um dos pontos apontados para a restauração das situações conflitivas é a valorização do diálogo, estabelecendo uma igualdade de comunicação.

A proposta é que todos os educadores estejam preparados para lidar com as diferenças e tensões da convivência humana. Os educadores também poderão utilizar o tema como forma de debate entre os estudantes. “Quando a escola desenvolve um trabalho de mediação de conflitos, abordando o assunto com criatividade, aproveitando as oportunidades como momento de reflexão e debate, cria um potencial educativo de formação pessoal para a resolução dos problemas da vida”, destacou a assessora pedagógica, Cleire Silva.

O material de estudo dos pedagogos que participaram da formação está disponível aqui.

Reportagem: Júlio César Santos
Publicação: 04/07/2018

Professores participam de formação que propõe aprendizado além de sala de aula

Educadores de geografia tiveram acesso a conteúdos que podem enriquecer o aprendizado

A formação dos educadores da disciplina de Geografia foi marcada por uma visita técnica ao Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-MG. No encontro, eles participaram de uma palestra ministrada pelo Professor Doutor Castor Cartelle Guerra. Castor, que atualmente é curador da coleção de paleontologia PUC, falou sobre a trajetória de Peter Lund, naturalista considerado pai da arqueologia e paleontologia no Brasil e sobre animais extintos.

Os educadores também participaram de uma visita guiada no museu. O objetivo foi promover a interação por meio da pedagogia interdisciplinar e a apropriação lúdica do conhecimento científico. “A ida a um museu pode ser um complemento ao trabalho desenvolvido em sala de aula, pois a escola é uma instituição social que deve promover situações de aprendizagens que permanecem por toda a vida”, destacou a assessora educacional da Secretaria Municipal de Educação, Soraya Silva.

Ainda de acordo com Soraya, a visita ao museu foi bastante importante para o Programa de Formação Continuada de Geografia. Aprimorar a temática da paleontologia ao grupo de professores e proporcionar a discussão da interdisciplinaridade servirá como forma de enriquecer o conteúdo desenvolvido em sala de aula. “Como qualquer outra ciência exploratória e investigativa, a paleontologia pode ser aplicada dentro e fora da sala de aula, pois é a ciência que se dedica ao estudo dos diferentes organismos que habitaram a terra no transcorrer do tempo geológico”, finalizou Soraya.

Reportagem: Júlio César Santos
Publicação: 20/06/2018