Posts com a Tag ‘estudantes’

Estudantes promovem workshop sobre a qualidade da água

Alunos do 3º ano da Funec Centec desenvolveram projetos e ações sobre os recursos hídricos.

A Fundação de Ensino de Contagem (Funec), unidade Centec, promoveu em suas dependências o 1º Workshop de Tratamento das Águas, elaborado pelos alunos do 3º ano do curso técnico de Química.

O evento organizado pelas professoras Girlaine Castro e Kênia Lea serviu para mostrar os cuidados e deveres que devemos ter com a água. Os alunos preparam experimentos de coletas e fizeram maquetes de estações de tratamento para exemplificar como acontece o processo. “Os projetos deram a oportunidade única de aplicar os conteúdos estudados durante o ano”, ressalta a estudante de química, Maria Júlia

O workshop foi importante para agregar valor e conhecimento para os alunos que participaram, especialmente para aqueles que construíram as maquetes, pois é uma forma de aprendizagem baseado no fazer e o cuidar que devemos ter com a água do planeta. “A postura profissional e a qualidade técnica, reafirmam que os alunos estão prontos para uma brilhante atuação no mercado de trabalho, tendo em vista o que foi produzido”, afirma a professora Kênia Lea.

Diversos projetos chamaram a atenção, mas o que despertou maior curiosidade entre os presentes foi o de Controle e Qualidade da Água da Lagoa da Pampulha, feito e analisado pelos alunos. Foram feitos testes físico-químicos para o controle de propriedades. “Todos os projetos foram avaliados de maneira positiva e acredito que possamos desenvolver novas tecnologias para o uso e cuidado da água”, finalizou a professora Girlaine Castro.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Divulgação

Aprovados no processo seletivo da Funec devem efetivar matrícula

Prazo começa na quinta-feira (04).

Os candidatos classificados dentro do número de vagas no processo seletivo da Funec terão dois dias para efetivar a matrícula. No dia 4 ou 5 os estudantes deverão comparecer às unidades da Funec com certidão de nascimento ou carteira de identidade e CPF (originais e cópias), duas fotos 3×4 e comprovante de endereço.

Os aprovados no ensino médio regular precisam levar ainda histórico escolar original e cópia ou declaração de conclusão do ensino fundamental dentro do prazo de validade.

Já os aprovados para os cursos de educação profissional técnica de nível médio em concomitância externa ou interna é preciso levar histórico escolar, original e cópia, ou declaração de conclusão da primeira série do ensino médio e que está matriculado regularmente na segunda ou terceira série do ensino médio, dentro do prazo de validade (documento original).

Os aprovados para os cursos de educação profissional de nível médio subsequente devem apresentar também histórico escolar, original e cópia, ou declaração de conclusão de ensino médio original, emitida pela escola onde concluiu o curso, dentro do prazo de validade.

E atenção, se o candidato for menor a matrícula deve ser feita pelo responsável legal. Caso ela não seja efetivada no prazo legal, o candidato perderá a vaga.

No edital (clique aqui) você confere os horários e mais informações sobre a documentação necessária para efetivação da matrícula.

Reportagem: Júlio César Santos
Arte: Renata Coura

Feira estudantil incentiva tecnologia e preservação ambiental

Estudantes de escola do Industrial apresentam portal de internet e formas de cultivo.

Alunos da Escola Municipal Vereador Jésu Milton dos Santos, na Regional Industrial, apresentaram, durante Feira de Cultura, atividades artísticas e científicas desenvolvidas por eles em diversas áreas.

Para conhecer os projetos, estiveram presentes os pais dos alunos e moradores da região. Eles puderam prestigiar os trabalhos de quatro turmas dos 7º e 8º anos, desenvolvidos na instituição. Foram abordados projetos de cunho científico e biológico. Mas o que chamou a atenção foi o site, desenvolvido pelos alunos, para divulgar as ações da escola.

No portal, os estudantes aplicaram conteúdos voltados ao letramento digital, e formas de aprendizagem dentro das outras disciplinas. Além disso, o site terá a história e o mapa de localização escola, fotos dos alunos em apresentações durante o ano letivo, arquivos para estudos e tudo o que puder contribuir para o ensino. “As experiências apresentadas estimularam diferentes formas de pesquisa e letramento, dando ênfase ao conhecimento de mundo que as crianças e adolescentes possuem”, afirma a diretora, Maristela Bragança.

O portal da escola, criado pelos alunos, encontra-se disponível para toda a comunidade contagense e para acessá-lo basta clicar aqui. “Esse trabalho foi importante para podermos desenvolver as nossas habilidades em grupo. Atividade com computadores é interessante e fantástico para nós estudantes”, finalizou o aluno, Matheus Helbert Fernandes.

Outro projeto interessante, apresentado durante a feira, fala como a Aquaponia (sistema de cultivo que une a Piscicultura – cultivo de peixes) e a Hidroponia (cultivos de plantas sem o uso de solo), podem ajudar no cultivo e preservação do meio ambiente. “O objetivo maior foi preparar os estudantes para os desafios da sociedade atual, valorizando a ética e o respeito aos saberes históricos”, destaca a vice-diretora, Magda Antunes.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Divulgação

Cemei utiliza contos de fadas para ensinar a cidadania

O evento contou com a participação dos pais para a construção do projeto “Contos e Encantos”.

O Centro Municipal de Educação Infantil (Cemei) Ipê Amarelo, na Regional Vargem das Flores, apresentou aos pais e moradores da região, a VII Mostra Cultural Contos e Encantos. Um trabalho institucional desenvolvido pela diretora, professoras e pedagogas de um jeito especial para as crianças.

Durante meses, a escola procurou trabalhar com as crianças temas que remetessem aos contos de fadas dos livros infantis, mas com uma abordagem diferente. O corpo docente do Cemei, criou uma didática em que os alunos transmitem mensagens de cunho harmonioso, voltados para a cidadania.

Personagens caricatos e famosos como a Mulan, Chapeuzinho Vermelho e Pocahontas, “estiveram” no local e deram asas à imaginação. A mensagem foi transmitida de uma forma para que as crianças entendam os conceitos de viver de forma feliz e respeitosa. “Foi tudo maravilhoso, como eles são muito novos resolvemos ensinar os conceitos básicos com historinhas para que elas pudessem aprender e se divertir”, destacou a diretora, Soraia Aparecida dos Santos.

Cerca de 130 alunos, do 1° e 2° turnos, participaram do evento que foi aberto ao público. Cada tema foi exposto em uma sala, para que a comunidade e os alunos pudessem ver os trabalhos feitos durante o ano. “Desenvolvemos o contexto de conto de fadas de um jeito simples e compreensível para as crianças. Apresentamos temas sobre o preconceito, respeito, valores e virtudes de forma lúdica e prazerosa”, finalizou a pedagoga, Valdenete Rezende.

Os pais tiveram participação importante durante a confecção dos trabalhos. Eles se reuniram com a direção da escola, ao longo do ano, para debaterem o conteúdo dos trabalhos.

Reportagem: Nayara Macedo (sob supervisão de Leonardo Melo)
Foto: Ricardo Lima

Escola integral entra em etapa de fundação e preparação da estrutura

Formato da obra prevê agilidade no processo de construção.

A primeira escola em Tempo Integral de Contagem é construída no bairro Arvoredo, na Regional Ressaca. O processo de fundação começou nesta semana e as peças pré-moldadas, que serão usadas na estrutura, já estão sendo fabricadas.

O trabalho é feito por etapas. A terraplanagem já foi feita e agora uma equipe é responsável por perfurar o terreno e preparar o solo para receber as vigas. Enquanto isso, um grupo de operários trabalha na produção dos pilares de sustentação do prédio. As peças de concreto são fabricadas em uma empresa.

O gerente industrial, Márcio Rogério, é responsável por acompanhar o processo de fabricação dos pilares. Segundo ele uma das principais vantagens de fazer uma obra pré-moldada é a agilidade no processo de construção. “A fundação ocorre ao mesmo tempo em que as peças estão sendo fabricadas, enquanto a construção convencional é necessária a preparação do terreno e fundação e somente após esse processo que é iniciada a construção da estrutura”, destacou Márcio.

A primeira escola integral de Contagem tem todo o conceito sustentável. A forma que é construída diminui o desperdício de material. Toda a iluminação será com lâmpadas de LED, haverá sistema de reutilização de água pluvial, aquecimento solar e coleta seletiva.

No espaço, de 6.777,78 m², serão construídas 36 salas de aula, uma ampla biblioteca de dois andares, centro de línguas estrangeiras, laboratórios profissionais, piscina aquecida, ginásio poliesportivo.

A escola vai atender 600 estudantes em tempo integral, do 1º ao 9º ano. A proposta da Secretaria Municipal de Educação é que a instituição também atenda 2.000 estudantes matriculados em outras instituições municipais de ensino da região. “Queremos preparar nossos estudantes para o mundo, que está em constante evolução. Iremos proporcionar conhecimento por meio de diversos recursos, seja em sala de aula ou nos laboratórios”, ressaltou o secretário de Educação, Joaquim Antônio Gonçalves.

A obra está orçada em R$ 18 milhões, que serão somados a outros R$ 5 milhões em obras já efetuadas. A previsão é que o prédio seja entregue no segundo semestre de 2018.

Reportagem: Nelson Augusto e Júlio César Santos
Fotos: Geraldo Tadeu

Escola Municipal Maria do Amparo comemora 50 anos

Estudantes e profissionais que fizeram a história da escola foram homenageados.

A Escola Municipal Maria do Amparo completou 50 anos. A festa foi marcada por apresentações culturais e exposições de trabalhos. Duzentos e cinquenta estudantes participaram das festividades. Um dos momentos mais marcantes foi o resgate da história, quando cada grupo foi responsável por apresentar costumes de uma determinada década.

Durante as festividades, estudantes, educadores e funcionários foram homenageados. As pessoas que marcaram a história da escola foram presenteadas com uma placa de honra ao mérito. “Precisamos comemorar muito porquê estamos cumprindo nosso papel que é de transformar a vida das pessoas que passam por aqui. Nossa função, como educadores, é lapidar nossas pedras preciosas”, enfatizou a vice-diretora, Fernanda Moreira.

A escola também foi agraciada pelos moradores. O senhor “Cafunga”, bastante popular na região e conhecido pelos movimentos comunitários, fez uma placa em referência aos 50 anos da instituição.

História

Inaugurada em 1967, a escola leva o nome de uma antiga moradora do bairro Industrial. A homenagem surgiu porque Maria do Amparo era muito caridosa e querida pela população e, principalmente, preocupada com o futuro das crianças da região.

Atualmente, a escola atende 320 estudantes do 7° ao 9° ano. São 33 funcionários empenhados no desenvolvimento e educação da comunidade.

A escola desenvolve projetos extracurriculares como escolinha de futebol e xadrez. Além disso, a comunidade pode usufruir do espaço. Festas, como a folia de reis, são tradição na instituição. “Além de ser referência para a comunidade, a escola busca resgatar e preservar a identidade da comunidade, daí a importância da instituição para todos os moradores”, comentou Fernanda.

Reportagem: Nayara Macedo (sob supervisão de Júlio César Santos)
Foto: Geraldo Tadeu

Estudantes premiados por projetos voltados a energia sustentável

Escolas de Contagem participaram do Prêmio Arcellor Mittal de Meio Ambiente

As escolas municipais de Contagem ficaram bem posicionadas no Prêmio Arcellor Mittal de Meio Ambiente, conhecido também por trabalhar com jovens a valorização do meio ambiente de forma sustentável e inteligente. A ação conjunta foi entre a empresa Belgo Bekaert e Secretaria Municipal de Educação (Seduc).

O tema abordado deste ano foi o “Meio Ambiente e Ciência: a energia na minha cidade”. Os professores desenvolveram projetos com os alunos para propor formas de energias sustentáveis na cidade. Eles recebem material educativo para ser trabalhado em sala de aula. Ao longo do ano letivo, os alunos fizeram atividades a partir do tema definido para a edição anual e incorporaram à reflexão aspectos relacionados à cidadania e à ética. As escolas convidadas foram divididas nas categorias Cientista Mirim com turmas do 1º ao 5º ano e Cientista Jovem, do 6º ao 9º ano.

Para estimular a criatividade dos seus alunos inscritos, a Escola Municipal Vasco Pinto da Fonseca, deu total liberdade para que eles pudessem levar projetos inovadores. O resultado foi primeiro lugar nas duas categorias que competiram. Foram premiados os trabalhos “Aquecedor Solar com Garrafa Pet” (Categoria Cientista Mirim II), “Mini Biodigestor Caseiro” (Categoria Cientista Jovem I) e “Bicicleta com Carregador de Celular” (Cientista Jovem II).

“O projeto com a Belgo traz para a escola um crescimento. Uma vez que os alunos conseguem desenvolver um projeto que eles possam perceber uma necessidade na comunidade”, ressalta a professora e coordenadora dos projetos da escola Vasco Pinto da Fonseca, Fabíola Aparecida Cunha.

Uma das estudantes premiadas, Vithória Julia, ressalta que além de ganhar, o mais importante foi participar da competição e desenvolver novas tecnologias para uso e cuidado com o planeta. “O meu grupo criou um sistema de energia limpa por meio de garrafas pet. Eu acredito que esse modo é simples e eficaz no que diz respeito ao uso e cuidado com a Terra”, explica.

A inventora do “Biodigestor Caseiro”, Letícia Ester Almeida, enfatiza que é possível transformar a matéria orgânica em forma renovável para a cidade e o campo. O seu grupo pegou um galão de água mineral vazio, colocou restos de matéria orgânica e acoplaram à uma mangueira de gás de cozinha que interligava a um fogão. O resultado foi um gás mais limpo e sustentável para o uso. “O nosso trabalho foi bem eficaz porque pensamos na nossa cidade e também nas pessoas que moram na zona rural”, destaca.

Outro projeto que ganhou destaque foi o “Carregabike”, feito pelos alunos do 8° ano, a ideia foi pensada na maneira de carregar o aparelho celular ao andar de bicicleta. Os alunos criaram um motor que fica no guidão e por meio da energia cinética (ou do movimento) a bateria do celular carrega. “Nós vimos muitos vídeos ensinando como fazer, então usamos um motor que capta a energia cinética e a transforma em energia elétrica”, finalizou a aluna, Nirella Fraga Coelho.

Mais Escolas de Contagem Premiadas

As Escolas Municipais Doutor Sabino Barroso, Ivan Diniz Macedo e Pedro Pacheco de Souza, ficaram em 2º e 3º lugares, respectivamente.

Quem ficou em primeiro lugar ganhou troféu ouro para a escola, medalha ouro para alunos e professores, certificado e cheque no valor de R$1.000,00. Para os 2º e 3º colocados, a premiação foi o troféu e medalhas de prata e bronze. As premiações serão entregues às escolas a partir da segunda quinzena do mês de novembro.

Os projetos classificados em 1º lugar, em cada categoria, concorreram com os projetos vencedores das demais unidades da Belgo Bekaert e da ArcelorMittal, na etapa corporativa. O resultado da etapa corporativa será divulgado no mês de novembro.

Reportagem: Nayara Macedo (Sob a supervisão de Leonardo Melo)
Foto: Divulgação

Programa do Exército certifica estudantes da cidade

O programa Forças no Esporte atendeu duas escolas municipais de Contagem.

A Secretaria Municipal de Educação (Seduc) em parceria com o 12º Batalhão de Infantaria (12º BI) do Exército fizeram, na quarta-feira (8), uma entrega solene de certificados aos alunos da rede municipal de ensino, que participaram do programa Forças no Esporte que visa contribuir com reforço escolar, atividades físicas e consultas médicas.

O evento que contou com a presença de professores, autoridades políticas e militares, serviu homenagear as crianças que há cerca de três meses participam do projeto nas instalações militares, no contraturno escolar. Receberam os certificados os alunos das Escolas Municipais Otacir Nunes dos Santos e Prefeito Sebastião Camargos, ambas na Regional Sede. “Eu gostei muito do projeto, as atividades feitas aqui no batalhão serviram para nos ajudar em sala de aula. Eu adorei também conhecer como funciona o sistema de hierarquia do exército brasileiro”, explica a estudante do 5º ano, Letícias Fernandes.

Durante a cerimônia, cada aluno recebeu um diploma que representou o período de tempo em que ficaram nas dependências do 12 BI. Além do certificado, cada estudante ganhou uma jaqueta nas cores verde, com os dizeres do nome do programa em que elas faziam parte. Outro ponto importante foi a disciplina aplicada pelos sargentos e soldados aos estudantes.

O programa, que também é uma parceria entre os Ministérios da Defesa e Educação, visa impactar crianças de áreas de alta vulnerabilidade. Cerca de 100 alunos participaram neste ano. “O projeto visa trazer as escolas para o ambiente militar para que elas tenham acesso à educação e cidadania, durante meia jornada. Aqui oferecemos reforço escolar e assistência médica”, afirma o comandante do 12º Batalhão de Infantaria do Exército, Laurence Xavier Moreira.
Está prevista para o próximo ano uma nova parceria entre o município e o 12 BI. “Quero agradecer ao exército por essa parceria e dizer que para nós, de Contagem, é motivo de muita alegria termos duas escolas escolhidas e que possamos permanecer juntos com esses projetos”, finalizou o secretário-adjunto Executivo da Seduc, Hudson de Souza.

Reportagem e fotos: Leonardo Melo

Coral formado por alunos encanta com música e poesia

Atualmente 340 estudantes fazem parte do projeto da Escola Municipal Glória Marques Diniz.

A Escola Municipal Glória Marques Diniz, na Regional Nacional, foi até Belo Horizonte para apresentar o coral “Canta Cantos em Prosa, Verso e Cantoria!”, na Escola Municipal Padre Marzano Matias. Os alunos deram um verdadeiro show com a apresentação de músicas, que integram o repertório, recitaram vários poemas. O público presente ficou encantando com o trabalho desenvolvido.

Com a apresentação de letras e versos que retratam o amor, aprendizado e que falam sobre a vida cotidiana foram recitadas ao público presente na quadra da escola Padre Marzano. “Os alunos desta escola gostaram muito do que viram e ouviram. Todas as propostas pedagógicas estão focadas na melhoria da aprendizagem dos estudantes, considerando também a importância do desenvolvimento da autoestima, do desenvolvimento da leitura, escrita e oralidade”, explica o professor e coordenador do projeto, Sérgio Donizeti.

O coral foi fundando em 2010 e, desde então, tem na sua grade curricular atividades que possibilitam à melhoria na atenção em sala de aula, na coordenação motora, oralidade, sensibilidade musical e socialização dos estudantes. Atualmente, passam pelas oficinas de canto coral, cerca de 340 alunos, do 3º, 4º e 5º anos.

Reportagem: Leonardo Melo
Foto: Divulgação

Distribuição de óculos para melhorar a visão de crianças

Ação promovida gratuitamente pelas Óticas Diniz beneficiou centenas de estudantes na região do Petrolândia.

A Escola Municipal do Bairro Tropical sediou uma distribuição gratuita de óculos para crianças de baixa renda. O evento conhecido como o Dia D, promovido pelas Óticas Diniz, doou cerca de 200 pares de óculos para estudantes das escolas municipais Professor Hilton Rocha, Paulo César Cunha, Maria Eduarda Pereira e do Bairro Tropical.

Leandra Moreira de Medeiros, administradora da Regional Petrolândia, explicou que os estudantes passaram previamente por exames básicos de vista nas suas escolas de origem. “A criança detectada com algum sinal de deficiência, foi encaminhada para exames mais completos para determinar o grau necessário, e hoje estamos fazendo a distribuição dos óculos. É uma ação muito importante, pois muitas famílias não têm condição de fazer os exames nas crianças e isso influencia até no aprendizado delas”, disse.

O assessor de gestão da Regional, Gedean Barbosa, explicou que o projeto chegou por indicação de lideranças comunitárias. “O Nicolas Domingues, que é uma liderança aqui na região, nos chamou e apresentou esse projeto das Óticas Diniz. Achamos que era uma boa ideia, nos reunimos com a empresa e nos esforçamos bastante para viabilizar essa ação”, falou.

O diretor-proprietário das Óticas Diniz, Bruno Borges, ressaltou que esse é um projeto em nível nacional, e que será feito uma vez por ano. “É uma forma de retribuirmos à sociedade tudo o que a empresa vem recebendo. Estamos doando os óculos e as clínicas parceiras doaram os exames. Não conseguiríamos fazer esse evento sem elas”, lembrou. Na oportunidade, ele esteve acompanhado pela gerente de Relacionamento , Adriana Carla Viana, e pelo gerente Comercial, Marconi Ribeiro.

Késia Barbosa, 29 anos, levou a filha Esther, 7 anos, para buscar os óculos novos. “A Esther fez o exame na escola dela e foi encaminhada para os exames complementares. A gente já desconfiava que ela podia ter algum problema de visão, mas não tínhamos condição de fazer os exames e depois comprar os óculos. Esse evento foi muito importante para nossa família e, tenho certeza, para a comunidade, que tem muitas pessoas na mesma situação que a nossa”, explicou.

Reportagem: Túlio Andrade
Foto: Cassio Matias