Posts com a Tag ‘Biblioteca’

Filmes de estudantes de Contagem entram em cartaz no Cine Humberto Mauro

Estudantes foram responsáveis por escrever roteiros, gravar e dublar as animações

O trabalho dos estudantes da Escola Newton Amaral Franco, do bairro Petrolândia, de Contagem, foi parar na tela do Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes. Cerca de 700 alunos, do 1º ao 5º ano, participam de um projeto de cinema desenvolvido pela bibliotecária da escola, Sheila Rodrigues. Eles foram responsáveis por criar o roteiro, gravar e finalizar os filmes. “O projeto surgiu baseado na lei Lei nº 13.006, que determina que escolas de educação básica destinem duas horas mensais para a exibição de filmes nacionais. Daí pensei: Por que assistir aos filmes dos outros se a gente pode fazer os nossos?”.

Durante dois anos, nos horários destinados às atividades de biblioteca, os estudantes participaram de palestras e oficinas literárias e de cinema. Nos últimos meses os alunos começaram a produzir animações e curtas-metragens. Os alunos construíram cenários e fizeram desenhos que deram vida às animações. Na sequência, utilizaram técnicas de stop motion (forma de animação que registra a imagem quadro a quadro) para captar as cenas.

Ao todo foram produzidos dois curtas e sete animações. Os roteiros falaram temas que são debatidos na escola, como preconceito, racismo, meio ambiente, amizade, sonhos. Bruna Gabriele, de 10 anos, ajudou a animar o curta “Menino do Morro” e ficou encantada com o resultado do trabalho. “Eu fui responsável por tirar as fotos e é bastante demorado, porque eu preciso esperar o animador mexer no personagem para eu fazer o registro”, explicou.

Os curtas ficaram em cartaz no Cine Humberto Mauro durante uma semana. A escola Newton Amaral Franco organizou diversas caravanas para que os estudantes pudessem assistir às sessões. O Alexandre Augusto, de 10 anos, ficou tão feliz com o resultado do trabalho que quis assistir outra vez. “Cada vez que eu vejo o filme eu lembro do nosso trabalho. É difícil gravar, demora muito, mas muito divertido”, comemorou.

O projeto foi avaliado por educadores da escola. Segundo eles, o contato com as produções audiovisuais foi importantíssimo para o desenvolvimento dos estudantes em sala de aula. As técnicas aprimoram o aprendizado nas áreas de humanas e exatas. “O projeto trabalha o aluno como um todo. Ele é induzido a escrever e reescrever um roteiro, elaborar melhor as ideias, precisa ler bastante para decorar um texto, contar q quantidade de quadros para a produção de cenas. Enfim, o projeto trabalha português, matemática, literatura e outras várias disciplinas”, destacou a diretora da escola, Paula Zumpano.

Clique AQUI e assista aos curtas e às animações.

Reportagem: Júlio César Santos
Fotos: Geraldo Tadeu
Publicação: 14/11/2018

Dia do bibliotecário é comemorado na rede municipal de ensino

Data destaca a valorização do profissional pelo manutenção do conhecimento

No dia 12 de março é comemorado o dia do bibliotecário. A data é em homenagem a Manuel Bastos Tigre, que foi considerado o primeiro bibliotecário concursado do Brasil. Nas escolas, os profissionais têm a função de desenvolver projetos de leitura, contação de histórias, organizar e catalogar acervos e gerir o espaço.

O bibliotecário e o auxiliar de biblioteca são essenciais na formação educacional dos estudantes; tanto que na Secretaria Municipal de Educação existe um setor específico destinado à leitura. São quatro profissionais que fazem levantamento de obras, desenvolvem projetos voltados à literatura e assessoram os educadores que atuam nas bibliotecas nas instituições de ensino. “A biblioteca tem como espaço de preservação o conhecimento da humanidade. O profissional que ali trabalha, tem como função cuidar, ser versátil na distribuição e a organização dos livros e ainda acompanhar as grandes tecnologias que vão contribuir para a expansão do saber”, destacou a bibliotecária Claudia Ferreira.

Todas as escolas municipais de Contagem possuem bibliotecas. Elas são compostas por livros literários, didáticos, científicos, gibis, revistas e jornais. Em 2018, a Secretaria Municipal de Educação vai investir ainda mais no segmento literário. Foram adquiridos 25 mil livros que serão distribuídos a todas as escolas. As minibibliotecas ficarão em sala de aula. O objetivo é disponibilizar material de qualidade, facilitando o acesso do professor e dos estudantes a obras literárias e promovendo ações de estímulo à leitura literária. A Seduc ainda vai ofertar gibitecas com várias histórias em quadrinho.“Todo o trabalho é para proporcionar mais conhecimento aos estudantes. É prazeroso vermos crianças e adolescentes frequentando os espaços de leitura”, enfantizou bibliotecária, Rosimeire Silva Campos.

Biblioteca Pública de Contagem
A Biblioteca Pública de Contagem Doutor Edson Diniz é referência cultural no município. São mais de 20 mil exemplares no acervo. Neste ano a biblioteca recebeu mais 700 novos livros.

A biblioteca realiza empréstimos de obras literárias. Para ser um sócio é preciso levar uma foto 3×4, documento de identidade e comprovante de endereço. Menores de idade precisam estar acompanhados dos pais.

A Biblioteca Pública Doutor Edson Diniz fica na rua Doutor Cassiano, 120, centro. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, de 8h às 17h.

Reportagem: Leonardo Melo
Publicação: 12/03/2018

Incentivo à leitura por meio do compartilhamento de livros

Projeto “Container com Letras” facilita o acesso de livros literários e didáticos

Facilitar o acesso à literatura e ampliar as possibilidades de estudo para crianças, jovens e adultos. Estes são os objetivos do projeto “Container com Letras”, em parceria com a Prefeitura de Contagem, por meio da Fundação de Cultura (Fundac).

Desde o mês de novembro, o container se encontra no município e vem recebendo um grande número de pessoas, que contribuem com doações, trocas e aquisições de livros didáticos e literários. Instalado, a princípio, na praça da Jabuticaba, o projeto integrou as festividades de final de ano na Cidade Encantada, recebendo um número aproximado de 200 visitantes por dia, para compartilhar exemplares de livros das mais diversas áreas.

“O compartilhamento é um processo de troca permanente”, explica o coordenador do projeto, Wiler Guerra. “Nosso trabalho é oferecer ao público oportunidades de estudo, leitura e lazer, sem custo algum, através da troca. Basta vir ao container, doar os livros que tiver disponível, ou procurar em nosso acervo os livros que a pessoa necessita”. Com a chegada do ano letivo, o “Container com Letras” tem dado ênfase ao compartilhamento de livros didáticos. “É uma forma de ajudar as pessoas, principalmente as mais carentes”, explica Guerra.

Desde janeiro, o container já recebeu mais de 10 mil visitantes, sendo que em um único dia foram compartilhados mais de mil livros. O presidente da Fundac, Mário Fabiano, destacou a importância desta parceria. “É uma das premissas do nosso trabalho oferecer à população o acesso à cultura em todos os seus aspectos. Mas o compartilhamento de livros vai muito além do fomento à cultura. É investir na educação das pessoas, principalmente das crianças. O hábito da leitura e a oferta de conhecimento é saudável e auxilia no processo de cidadania”, conclui.
O projeto “Container com Letras” funciona, atualmente, de segunda a sábado, das 10 às 18 horas, na praça Iria Diniz, e vai permanecer no local até o final de mês de março. O projeto acontece também em Belo Horizonte, na praça da Liberdade, anexo à biblioteca pública municipal da capital. Em breve será instalado um container na região do Barreiro, e a partir do mês de abril, a região de Vargem das Flores (Nova Contagem) também recebe o “Container com Letras”.

Reportagem: Marcelo Grillo
Foto: Divulgação
Publicação: 15/02/2018

Romancista Lino de Albergaria visita escola de Contagem

O autor falou dos clássicos literários e deu dicas aos alunos.

A Escola Municipal Nossa Senhora Aparecida recebeu o romancista, Lino de Albergaria. O autor teve um bate papo descontraído com os estudantes na biblioteca e arrancou emoções ao citar os clássicos criados por ele.

Aproximadamente 40 alunos dos 6º até os 9º anos, foram selecionados para participar do encontro. A regra para a escolha foi estabelecida pelos professores de acordo com a ficha de cada um na biblioteca. Quem tivesse presença assídua no local, durante o ano letivo, teria lugar garantido no encontro com o escritor. “O encontro de hoje serviu para abrir o conhecimento dos alunos e mostrar o quanto é importante frequentar a biblioteca”, afirma a aluna do 9º ano, Giovana Aguiar Pereira.

Durante o papo, Lino contou um pouco da sua história e de como se tornou um escritor conhecido dentro e fora do país. Falou um pouco da profissão e também dos clássicos: De Paris, com amor; Adeus, escola!; Lia e o sétimo ano. E os recém lançados: Bem-vindos à Casa da Neblina; Na Serra das Lianas; A Ilha do Tempo Perdido e Chá das cinco. “Eu adorei o encontro aqui na biblioteca. O local é provocador no que tange aos livros, ao saber que a mistura das classes, idades e turmas é tão comum aqui na escola, me traz conforto e alegria”, destaca o escritor, Lino de Albergaria.

Para a diretora, Márcia Rocha, o fato de os alunos conhecerem o escritor serviu para provar que no futuro eles serão multiplicadores da leitura. Ela também enfatiza que a presença de escritores nas escolas de Contagem é primordial no desenvolvimento pedagógico dos estudantes. “Eu tenho certeza que essa experiência de hoje dará frutos e acredito também que daqui sairão novos escritores, romancistas e poetas”, explica Rocha.

No final do encontro, Lino deixou uma mensagem para os alunos. Ele disse que os jovens não devem largar o hábito de ler e escrever. “Vamos juntos desvendar os mistérios, aventuras e informações que os livros podem oferecer”, finalizou.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Newton de Castro Resende

Escola promove semana dedicada à leitura

Estudantes levaram as páginas dos livros para o palco. 

A Escola Municipal Professora Júlia Kubitschek de Oliveira está em festa. Durante toda a semana os estudantes participam da Jornada Literária. O evento é regado a apresentações culturais e muita leitura. Houve teatro, dança, contação de histórias, concursos de redação e desenho e declamação de poemas.

Na manhã de hoje (21), os estudantes participaram de um café literário. Em meio às quitandas, salgados, sucos e cafés, eles trocaram experiências sobre obras já lidas. “Os alunos estão muito empolgados, e isso fez aumentar o fluxo de visitas na biblioteca”, explicou Vanusa Cristina de Oliveira, auxiliar de biblioteca da escola.

A Jornada Literária foi idealizada pela professora de português, Adraina Baldoin. A ideia é integrar todos os estudantes, independente da idade. Todos os 328 estudantes da educação infantil e do ensino fundamental estão envolvidos.

O evento será encerrado nesta sexta-feira (22). Haverá apresentação de teatro dos estudantes da educação infantil. Eles vão encenar a peça “Bom Dia Todas as Cores”, fábula que conta a história de um camaleão que vivia mudando de cor para agradar aos amigos. A proposta é mostrar que devemos ouvir as pessoas, mas fazer o que o nos deixa feliz.

Após o teatro, haverá uma grande troca de livros. Os estudantes levaram cerca de 500 exemplares para a escola. As obras ficarão expostas e os alunos poderão levá-las para casa. “A troca de livros tem o propósito de fazer o conhecimento girar. O livro que está guardado na estante de um, vai estar nas mãos de outro”, destacou Vanusa.

A Jornada Literária continua no próximo mês, com a premiação dos vencedores dos concursos de redação e desenho.

Reportagem: Júlio César Santos
Fotos: Divulgação

Escolas podem visitar o Centro Cultural de Contagem

As visitas guiadas são gratuitas e devem ser agendadas.

O Centro Cultural de Contagem está aberto às visitações. As escolas interessadas em levar os estudantes devem fazer o agendamento pelo telefone 3352 5357. São recebidos até 50 alunos. As visitas são guiadas por monitores e ocorrem de 9h às 17h.

A Fundação Cultural de Contagem é um espaço arquitetônico de três casarões com o estilo colonial do século XIX e um com estilo eclético. As casas, que antes funcionavam como comércio da antiga família Rocha, em 1998 foram reformadas e transformadas em patrimônio cultural de Contagem.

A Casa Amarela abriga o grande salão, onde são feitas exposições de artes que valorizam as manifestações artísticas contemporâneas. Nela são expostas obras voltadas para artes visuais como pinturas e fotografias. Na Casa Azul foi construído um teatro com capacidade para 150 pessoas. Já a Casa Rosa abriga Biblioteca Pública Municipal Doutor Édson Diniz.

A visitas são gratuitas. O objetivo é integrar ao contexto escolar as diversas formas e manifestações artísticas, além de promover o hábito da leitura, com o acesso ao acervo público da biblioteca.

Reportagem: Redação Seduc
Foto: Marcelo Grillo

Escola Doutor Sabino Barroso inaugura espaço de leitura

Área foi projetada para aproximar os estudantes de obras literárias.

O novo espaço da Escola Municipal Doutor Sabino Barroso está fazendo sucesso entre os estudantes. Com grama sintética, bancos coloridos e prateleiras lúdicas, o “cantinho da leitura” foi construído para incentivar o hábito de ler. “A gente quis montar um espaço atraente e aconchegante. Os alunos ficam encantados e ão querem sair daqui”, comentou a diretora, Valdete Braga.

O espaço foi inaugurado com festa. Pais e alunos participaram das comemorações. Houve sorteio de brindes, brincadeiras, contação de histórias e até sessão de autógrafos. O estudante Davi Lucas Costa, de 6 anos, está no 1º ano e aproveitou para lançar o livro “As aventuras de Jerry”, que conta as história de um garoto que viaja no tempo e no espaço. A escola auxiliou na impressão de 45 exemplares. Hoje, o título faz parte do acervo do cantinho da leitura.

O espaço é voltado para crianças de 5 a 11 anos. Ele é utilizado durante atividades extraclasses e também no período do recreio. Os estudantes se divertem com a variedade de livros. São 250 exemplares que ficam em uma estante que simula um castelo. Além disso, o cantinho conta com diversos fantoches, que são usados em peças de teatro.

A comunidade aprovou a ação e espera que o espaço seja bastante utilizado. De acordo com a diretora, a interação no local será intensa. “Queremos fazer que mais e mais estudantes tomem o gosto pela literatura. A sessão de autógrafos do Davi foi um sucesso e outros alunos querem sentir essa experiência. Tanto que um estudante do 4º ano já começou a escrever um livro”, comemorou.

Reportagem: Redação Seduc
Fotos: Elias Ramos

Educadores são capacitados para modernização das bibliotecas escolares

Investimentos preveem melhorias em infraestrutura, informatização e mais opções de livros para estudantes.

Até o dia 13 de agosto, os bibliotecários e auxiliares de biblioteca da rede municipal de ensino de Contagem passarão por cursos de aperfeiçoamento. A capacitação faz parte do projeto de formação continuada dos educadores do município. O módulo aborda a “Biblioteca Escolar como Espaço Educativo”. Durante as palestras foram apresentadas as propostas e diretrizes referentes às estruturas e logísticas das bibliotecas da escolas municipais. O participantes puderam entender como ocorrerão a reorganização e padronização do sistema de empréstimo de livros, o alinhamento das atividades às propostas pedagógicas, o levantamento de títulos literários disponíveis em todas as unidades escolares e o fomento de atividades dentro das bibliotecas.

A bibliotecônoma, Creuza Almeida, explicou que a formação propõe um olhar reflexivo sobre o espaço da biblioteca nas escolas e como ele é fundamental na vida do estudante. “Pensamos na formação como chave fundamental na construção do conhecimento para os alunos”, destacou.

Ao todo, 190 profissionais da educação infantil, ensino fundamental e ensino médio (Funec) participam das atividades que terão 40 horas aulas. O Secretário Municipal de Educação, Joaquim Antônio Gonçalves, participou de uma das aulas. Joaquim explicou sobre o pacote de investimento que as escolas receberão. “Todas as bibliotecas serão modernizadas. Além de reformas, elas terão sistema informatizado”, explicou o secretário.

Gonçalves ainda anunciou que a Secretaria Municipal de Educação vai adquirir 25 mil livros para as escolas. Desde 2012 a administração não investia em compras de títulos literários.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Elias Ramos

Estudantes têm lição de cultura e costumes indígenas

Índia Pataxó mostrou como o povo dela vive e trabalha na comunidade

Os alunos da Escola Municipal Newton Amaral Franco receberam uma visita especial. A índia Tamikuã passou uma manhã com os estudantes do 4º ano. Durante o encontro, que durou duas horas, a criançada pôde conhecer um pouco da cultura e dos costumes indígenas. Tamikuã é descendente de Pataxó e vive com mais 6 mil indígenas na comunidade de Coroa Vermelha, na Bahia.

A índia mostrou como são as casas de seu povo, construídas com madeira, palha e barro; contou como é a rotina na aldeia e como buscam os alimentos. Tamikuã falou também sobre os rituais e formas de preservação da natureza. “É muito gratificante estar próximo de estudantes. Temos muita dificuldade em preservar nossas culturas e raízes. Apresentar a memória do nosso povo é uma forma de conscientizar essas crianças sobre a importância de preservar a natureza, de respeitar nossas origens”, destacou Tamikuã.

Denis Moreira, de 9 anos, não tirava os olhos de Tamikuã. Da primeira fileira ele acompanhou atento cada palavra da índia. Ficou encantado com os costumes indígenas. “Eu achei que eles usavam roupas como a gente. Gostei muito dos objetos que Tamikuã tem”, exclamou Denis.

Ana Alice Mendes, também de 9 anos, já aprendeu a lição. Sabe que o respeito e o incentivo são essenciais para que as tradições permaneçam.”É a primeira vez que vejo uma índia de verdade e fiquei muito surpresa em descobrir que vivem da pesca e que produzem os próprios alimentos”, explicou Ana Alice.

Projeto

A visita de Tamikuã faz parte de um projeto pedagógico desenvolvido pela bibliotecária da escola, Sheila Rodrigues. A intenção é aproximar os estudantes da materialidade, para que eles tenham mais subsídios durante o desenvolvimento de atividades ligadas às disciplinas que envolvam artes. “Quando os estudantes têm contato mais aprofundado com o estudo, o aprendizado fica mais fácil, e é mais eficaz”, finalizou Sheila.

 

Reportagem: Júlio César Santos
Fotos: Elias Ramos