Profissionais da educação concluem Formação Continuada em Educação das Relações Étnico-Racial

A proposta da formação foi trabalhar as relações étnico-raciais na educação infantil a partir de análises e compreensão da construção histórica e social do racismo.

A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Seduc), encerrou, na última semana, o processo de Formação Continuada em Educação das Relações Étnico-Racial, para profissionais da educação infantil. A capacitação foi realizada ao longo do ano em quatro módulos, com ampla participação dos servidores das Unidades de Educação Infantil (Umeis) e da rede conveniada. O quarto módulo e último encontro da formação foi integrado à programação do Mês da Consciência Negra, promovido pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, por meio da Superintendência de Políticas para Promoção da Igualdade Racial de Contagem.

“Durante as abordagens dos cursos, tanto do ensino fundamental quanto da Educação Infantil, procuramos trazer o processo reflexivo sobre o histórico da construção do racismo no Brasil, o por quê trabalhar a educação das relações étnicas-raciais e como trabalhar essa educação”, explicou a diretora de Direitos Humanos e Cidadania da Seduc, Rosângela da Silva. A diretora informou também que, ao longo do ano, a Seduc priorizou esse tema dentro dos assuntos abordados pela Rede de Formação, entendendo que o mês de novembro é um momento de coroação dessas práticas para uma educação anti-racistas”.

A proposta da formação foi trabalhar as relações étnico-raciais na educação infantil a partir de análises e compreensão da construção histórica e social do racismo. Além da compreensão dos processos históricos estruturantes do racismo, a formação buscou refletir sobre estratégias para superação do racismo a partir da legislação vigente, e para a implementação de ações voltadas à educação das relações étnico-raciais.

Durante o curso, na parte da manhã, os profissionais da educação presenciaram as experiências compartilhadas pelos gestores da Umei Mira Pereira, e na parte da tarde, da Umei Beija-Flor. Alessandra Aparecida, professora da Umei Beija-Flor, foi uma das professoras que compartilhou sobre o trabalho desenvolvido com as crianças de 5 anos. Ao longo do ano, ela fez inúmeras atividades com base no livro “Pretinho, meu boneco querido”, da autora Maria Cristina Furtado. No encontro com outros educadores, ela mostrou um livro digital em que os estudantes recontaram o livro físico, entre outros materiais. “É fantástico esse trabalho com os estudantes, pois as crianças estão em uma fase de descoberta e percepção, até mesmo que o outro é diferente. Tem sido um aprendizado para mim e para eles também”, disse. Sobre a formação, ela disse ser importante e necessário, pois é uma forma de ampliar o conhecimento dos professores, além de refletirem sobre suas praticas em sala de aula.

A proposta da formação foi trabalhar as relações étnico-raciais na educação infantil a partir de análises e compreensão da construção histórica e social do racismo. Além da compreensão dos processos históricos estruturantes do racismo, a formação buscou refletir sobre estratégias para superação do racismo a partir da legislação vigente, e para a implementação de ações voltadas à educação das relações étnico-raciais.

Reportagem: Raquel Lopes
Foto: Divulgação
Publicação: 26/11/2019

Notícias Relacionadas