Professor da rede municipal de ensino lança lista de livros de autores contagenses

O professor Frederico Lopes listou dez livros escritos por contagenses

Desde março deste ano, a vida se transformou e vivemos um “novo normal” em razão da pandemia do novo coronavírus, que trouxe para o cotidiano o isolamento social. Mas, por mais que a Covid-19 tenha devastado economias e vidas, a nova realidade fez também brotar reflexões sobre o papel da arte como canal de sobrevivência e resistência.

O professor de sociologia na Funec Nova Contagem Frederico Lopes, cinéfilo e amante das artes, tem aproveitado a pandemia do novo coronavírus para organizar listas de filmes e livros para disseminar o conhecimento. Juntamente com Gabriel Vinicius, ator e membro da Companhia Literária de Contagem, Lopes listou dez livros que têm em comum o fato de ter como autores moradores de Contagem.

Anteriormente, o docente havia elencado uma lista de dez produções cinematográficas de jovens cineastas contagenses, algumas delas premiadas em festivais de cinema nacionais e internacionais. “Um espectro ronda a quarentena, é o sentimento coletivo de angústia. Para os que puderam ficar em casa, o isolamento não tem sido fácil. Talvez a grande descoberta que me sucedeu nessa pandemia, posso viver sem restaurante, shopping, avião e até boteco, mas não posso viver sem música, filme e poesia” disse.

Confira a lista dos livros:

1. “Colorido só por fora”
“Colorido só por fora”, de Jessé Duarte, é um livro de contos que mistura realismo fantástico e literatura regional. A obra posiciona pequenas situações da cidade de Contagem, construindo narrativas populares que podem ir desde diálogos sobre a construção ou não de um teatro até a história de uma execução sumária na periferia da cidade. Ao misturar as crenças populares com uma estética realista, Jessé constrói a perspectiva de uma cidade industrial, como tantas outras no mundo, cujas vozes são silenciadas. Devido ao sucesso editorial, a edição encontra-se esgotada, contudo, alguns contos podem ser lidos no blog do autor: clique aqui

2. “Inutrealidade”
“Inutrealidade: teatro aos que têm fome”, de Marcelo Dias Costa, é uma coletânea, de apenas dois textos, que abre a discussão sobre as relações humanas degradadas pela sociedade capitalista. O teatro de Marcelo costura personagens destituídas de sua humanidade, como em o “Estado da Besta”, no qual o personagem principal é incapaz de lembrar o próprio nome e atende pelo número da matrícula no trabalho, e em “Revoada”, no qual os personagens encontram-se em um mundo de caos e destruição e não conseguem perceber por que a luz do mundo acabou. Uma metáfora clara dos tempos que correm. Para adquirir este best-seller (Marcelo vende mais livro que Augusto Cury) você deverá se encontrar com o próprio autor pelos bares da cidade. Enquanto isso não é possível, por conta da pandemia, você pode assistir o próprio Marcelo contando um trecho do livro aqui

3. “Pensando Fora do Eixo”
“Pensando Fora do Eixo: escritos de Nova Contagem”, lançado em 2019, é uma obra coletiva por excelência. Escrito por mais de cinquenta mãos – entre estudantes, funcionários, professores, mães e ex-alunos da Funec Nova Contagem – essa pequena grande obra apresenta contos, poesias e ilustrações para pensar e agir fora do eixo, trazendo a periferia para o âmago central. O livro foi patrocinado pelo Fundo Municipal de Cultura (FMC) de Contagem. Para adquirir o livro e ter mais informações sobre o projeto, acesse aqui

4. “Meu Cabelo Não é Pro Seu Governo”
“Meu cabelo não é pro seu governo”, livro de estreia da professora e escritora Monique Pacheco, lançado ano no passado, tem enfoque infantil, mas com temática pra lá de séria, atraindo atenção também dos adultos: a ditadura da beleza. O livro traz a história de Iza, uma menina que nasceu coroada, com cachos esbeltos e voz erguida. Um dia, em ato revolucionário, Iza lê em voz alta na escola o “Estatuto do Cabelo”, lembrando Angela Davis, para quem todo black é power. Com singelas ilustrações de Suellen Ferreira da Silva, artista betinense, o livro pode ser adquirido diretamente com a autora: clique aqui

5. “Com o Coração na Boca”
“Com o coração na boca”, de Vinícius Fernandes Cardoso, traz um lirismo digno de Vinícius de Moraes e um jogo de versos que lembra os poemas de Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa. As poesias situam a perspectiva de um poeta andarilho, que insiste na quixotesca missão de amar em um mundo sem amor. Vinícius Cardoso, cientista social de formação e poeta de coração, apresenta ousadia em seu apanhado poético, incluindo a fundação da Academia Contagense de Letras, no ano de 2001. Para adquirir o livro e saber mais sobre o autor, acesse sua enciclopédia literária AQUI

6. “Poesias Polêmicas”
Amador Madalena Maia, carteiro e poeta, nascido no Alto Vera Cruz e morador de Contagem, lançou em 2017 seu segundo livro, “Poesias Polêmicas: para a valorização das mulheres e da família – Poesias contra o assédio e o feminicídio”. O objetivo da obra, nas palavras do próprio autor, é “incluir os homens e a literatura no combate à violência contra a mulher”, trazendo à tona a benção do ser feminino no universo. O livro teve apoio da Prefeitura de Contagem, através do Fundo Municipal de Cultura (FMC), e foi publicado pela Editora Literato. Exemplares da obra estão disponíveis gratuitamente na Biblioteca Cultura do CapaBode.

7. “Beijos de Marfim”
Lançado pela Sangre Editorial, “Beijos de Marfim” é uma coletânea de 44 poemas da escritora e professora contagense Ana Paula Sobrinho. Com diagramação e editoração exemplar, a obra é um requinte poético, onde os beijos são ato e potência, simples e intensos. “Versejo aos meus amores-pétreos, perolados e suspensos. Arrebatadores de mim”. Gostou? Para saber mais, acesse aqui

8. ‘Em Busca das Origens”
“Em Buscas das Origens”, publicado em dezembro de 2018 pelo escritor Antônio Vieira de Castro, é um romance misterioso que trata dos mistérios da vida. A obra, de base espiritista, busca — como o próprio título afirma — revelar os segredos que envolvem o surgimento do ser humano no planeta Terra. Antônio Vieira de Castro, sogro do artista Fernando Perdigão, escreve uma obra de ficção, que, entretanto, realiza um diálogo entre a ciência, a literatura e a religião. O livro pode ser encontrado em livrarias digitais.

9. “Kustom do Urro ao Berro
“Kustom do urro ao berro”, lançado em 2016, é o terceiro livro do escritor contagense Marcelo Dias. Uma peça de teatro distópica e uto pica ao mesmo tempo, que narra entre o pessimismo e otimismo, a realidade humana. Kustom! Para barrar o sistema. O livro pode ser encontrado em livrarias virtuais.

10. ‘apenaSeu’
“O desconforto do conforto é o impulso para mudar”. E no ímpeto para mudar é que o jornalista Felipe Pedrosa, contagense de nascimento e criação, publicou o livro “apenaSeu”, com poesias breves e singelas, que levam ao conforto e desconforto da reflexão. Para ter acesso ao pequeno livro com extensos pensamentos é só clicar aqui

Reportagem: Carolina Brauer
Foto: Stella Oliveira
Publicação: 05/08/2020

Notícias Relacionadas