Escolas Municipais incentivam criatividade durante Mostra Primavera das Ciências e Artes

As turmas de escolas municipais e Umeis mostraram-se atentas aos temas pertinentes do momento.

A Mostra Primavera das Ciências e Artes – Educação de Contagem em Ação, promovida pela Secretaria Municipal de Educação (Seduc) e a Fundação de Ensino de Contagem (Funec), no último dia 20/9, ficou marcada pela criatividade e ousadia dos estudantes e professores da Rede Municipal que mostraram, em cada segmento, a valorização plena da arte e da ciência.

Ao transitar pelo local, era possível observar o quanto os estudantes, com o aval de seus mestres, usaram e abusaram da criatividade. Era nítido que o objetivo foi mostrar o melhor de cada projeto. No stand da Escola Municipal Newton Amaral Franco, regional Petrolândia, era possível observar o espaço tomado por brinquedos, livros, jogos e diversos meios para se fazer atividades com estudantes com deficiência.

Os profissionais de Atendimento Educacional Especializado (AEE), mostraram que inclusão em Contagem é levada a sério e tem o seu espaço no âmbito escolar. “Resolvemos trazer uma mostra da sala multifuncional. Hoje esse espaço dentro da Educação é voltado para o aprendizado comum. Dessa forma, pensamos em mostrar como é trabalhado as quatro deficiências no sentido de adaptar o estudante para uma vida escolar”, destaca a professora de AEE, Geiza Viegas.

No hall de entrada da Mostra foi possível também conhecer o stand da Escola Municipal Professora Ana Guedes Viera, regional Vargem das Flores, local que os estudantes pensaram na economia coletiva, elaboraram uma Rosca Caseira acompanhado de degustação e também receita impressa na hora. O objetivo foi mostrar o quanto a escola se preocupa com os seus estudantes no que tange ao trabalho e geração de renda. “Pensamos numa rosca doce, daquelas dos tempos áureos das vovós. Fizemos na cozinha da escola e é claro que a ideia principal é mostrar que é possível transformar algo simples em algo rentável para a economia dos lares”, explica o estudante da Educação de Jovens e Adultos (EJA), Marcelo Vilela.

O stand da Escola Municipal Giovanini Chiodi, Vargem das Flores, abordou a questão do negro no Brasil. No espaço era possível ver um olhar sobre o continente africano e a plena valorização da cultura e combate ao racismo. “Nos foi dado a oportunidade de levarmos os nossos estudantes na Comunidade dos Arturos para levantarmos esse assunto que a cada dia é tão pertinente no país, o negro. . Portanto trouxemos para a Mostra um pouco das curiosidades que remetam ao simbolismo e tradição da africanidade no Brasil”, afirma a professora de História, Milene de Souza.

As turmas do 1ª ao 5ª ano da Escola Municipal René Chateaubriand Domingues, Riacho, criaram brinquedos para o desenvolvimento pedagógico de maneira lúdica. “Pensamos em trazer jogos e métodos lúdicos para avançarmos no aprendizado e acreditamos que assim faremos a diferença com os nossos estudantes”, assegura a pedagoga, Maísa Raquel Nunes. Compartilhando do mesmo pensamento, a estagiária da UMEI Profª Juverci de F. Ferreira, Industrial, Sabrina Almeida explicou que Umei trabalhou com as turmas de 3 a 5 anos a importância do alfabeto braille. “Acreditamos que ao trabalhar a inclusão desde cedo é mostrar que existe um mundo com pessoas deficientes. E quando fazemos isso brincando, com as turmas de Educação Infantil, é valorizar as futuras gerações”, finalizou Sabrina.

Cerca de mais de 6 mil estudantes passaram pelo local onde puderam trocar ideias, conhecimentos, interagirem e se divertirem. Durante todo o dia, além de observarem os trabalhos expostos, os presentes puderam se entreter com várias apresentações que aconteceram no palco dentro do museu, como danças, peças e até recitais de poemas.

Reportagem: Leonardo Melo
Fotos: Geraldo Tadeu
Publicação: 30/09/2019

Notícias Relacionadas