ENFRENTAMENTO E COMBATE AO RACISMO

Por: Luzia Lima Moreira

Profª. de Língua Portuguesa – Funec Cruzeiro do Sul.

Em tempos de pandemia e quarentena ficamos mais reflexivos, pensando no que podemos fazer para compensar a atividade que deixamos de realizar fora de casa.

Várias escolas já estão acostumadas a participar, em maio, de um evento muito especial que acontece na Praça Paulo Pinheiro Chagas, na regional Eldorado: a Marcha de Enfrentamento e Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa, que já se tornou tradição em Contagem. Este ano, não fosse a pandemia do coronavírus, estaríamos nos preparando para a 7ª edição da Marcha que, na opinião de alguns educadores/as, é o melhor sábado letivo do ano.

As comunidades escolares se unem às comunidades tradicionais como os Arturos e os Ciriacos, entidades não governamentais, grupos artísticos e religiosos, ciganos, todos na luta contra o racismo e intolerância religiosa.

Durante a concentração, as pessoas se misturam ao som do berimbau ou dos tambores. Professores de diferentes regionais e de diferentes turnos se encontram, matam a saudade com abraços, fazem selfies e fotografam cartazes. Até projetos são concebidos em meio àquela efervescência cultural e pedagógica.

As escolas que participam da Marcha fazem questão de levar faixas com frases que reafirmam os valores que defendem enquanto instituições públicas. Estudantes e professores não abrem mão das fotos, orgulhosos de sua participação em uma atividade tão intensa.

Além de democrática, festiva e cultural, a Marcha também se constitui como um excelente ato educativo, à medida que proporciona vivência / participação, aula que jamais poderia ser ministrada entre as quatro paredes da sala de aula. Que outro evento de Contagem oferece tanta coisa boa, ao mesmo tempo, para a Educação? Então, que tal cada escola postar aqui uma foto de sua participação na Marcha de Enfrentamento e Combate ao Racismo!?

E para fazermos desta semana (11 a 16 de maio) um período de reflexão sobre Combate e Enfrentamento ao Racismo, a Seduc/Funec vai disponibilizar alguns filmes, indicados por professores/as, para contribuir nesse processo.

Como primeira atividade, vamos assistir ao curta “DANDARAS – A Força da Mulher Quilombola”, produzido em 2015, pelas realizadoras independentes, Ana Carolina Fernandes e Amaralina Fernandes.

O filme “ratifica a resistência e luta de negras e negros no país. A luta, iniciada antes mesmo de 1888_ através dos quilombos _, permanece até os dias atuais contrapondo-se a uma sociedade que carrega em seu histórico séculos de escravidão.” ( DANDARAS, 2015).

Boa semana! Boa reflexão!

Fonte: “DANDARAS – A Força da Mulher Quilombola” celebra a atuação política de mulheres quilombolas. Disponível em: www.terradedireitos.org.br. Acesso em: 12 mai. 2020.

Para assistir ao filme na íntegra, acesse o link: https://www.youtube.com/watch?v=RSW3uEfk4QU&feature=youtu.be

Notícias Relacionadas