Conhecimento da história para combater o racismo e a intolerância

Projeto que abrange a ligação do Brasil com a África foi lançado em Contagem.

O lançamento do projeto “Conhecendo Nossa História: da África ao Brasil” tem o objetivo é capacitar educadores da rede municipal para trabalhar a história e temas referentes à cultura afro-brasileira como forma de combate à intolerância e ao racismo. Surgiu de uma parceria da prefeitura, por meio das secretarias Municipais de Direitos Humanos e Cidadania e Educação, com a Fundação Cultural Palmares (FCP) e o Ministério da Educação (MEC). 

De início, foram disponibilizados pela FCP o livro paradidático “O que você sabe sobre a África?” e a revista de passatempos customizada Coquetel “Cultura negra: um patrimônio de todos”. Os professores serão capacitados pela Fundação para aplicar o conteúdo em sala de aula com os temas pertinentes à cultura afro-brasileira como racismo, religião, artes, história, culinária e costumes.

Na solenidade de lançamento do projeto, o vice-prefeito William Barreiro ressaltou a tradição do município, que teve a primeira comunidade quilombola reconhecida como patrimônio imaterial de Minas Gerais. “Contagem tem muita riqueza da cultura afro, sendo berço dos Arturos, que até hoje mantêm as tradições do seu povo. Temos uma dívida social imensa com os negros e esse é mais um passo que a cidade dá para combater o racismo e a intolerância, começando dentro das escolas”, disse.

Para o presidente da FCP, Erivaldo Oliveira, é fundamental promover a harmonia entre as culturas. “Minas tem uma tradição muito forte e belíssima de muita religiosidade e comunidades quilombolas, é preciso fortalecer isso. Nosso projeto visa, além de conhecer e identificar os aspectos culturais afro-brasileiros, contribuir para diminuir a intolerância e o preconceito. Só disseminando informação e conhecimento conseguiremos avançar no combate ao racismo”, afirmou.

O coordenador de Promoção da Igualdade Racial do Município, Diego Moreno de Assis e Santos, destacou que o projeto agrega conteúdo ao Plano Municipal de Igualdade Racial, com enfoque na educação. “Reforçar o conhecimento dos traços culturais e religiosos no ensino fundamental é uma das nossas ações prioritárias. É preciso plantar a semente para os próprios alunos serem multiplicadores no futuro ”, destacou.

Reportagem: Vanessa Trotta
Foto: Elaine Castro

Notícias Relacionadas