Posts com a Tag ‘Secretaria Municipal de Saúde’

Saúde se prepara para combater e prevenir a doença Esporotricose

A esporotricose é uma micose tratável que pode afetar animais e humanos

 

Após os avanços de casos de Esporotricoses, em todo o país, Contagem se prepara para combater e prevenir a doença. Nessa sexta-feira (15), a Secretaria de Saúde realizou uma reunião com o objetivo de debater o tema. Participaram do encontro agentes de saúde, controle de zoonoses e representantes da epidemiologia.

A esporotricose é uma micose tratável, que pode afetar animais e humanos, cujos sintomas manifestam-se principalmente nos gatos. A médica veterinária da Secretaria de Saúde, Maria Helena Franco Morais, destacou que trata-se de uma patologia recente. “É uma doença que começou ganhar força no fim dos anos 90, doença nova com características novas, que estamos aprendendo diariamente com ela”, concluiu a veterinária.

O diretor de Vigilância e Controle de Zoonoses da Secretaria de Saúde, José Renato, explica que as medidas de controle da esporotricose estão baseadas na educação e na mobilização da população. Ele ressalta, que o diagnóstico no animal é muito importante. Além disso, os animais que contraíram a doença devem sem imediatamente tratados à base do Itraconazol.

“É importante destacar que os animais ou as carcaças com suspeitas positivas ou confirmação da doença jamais deverão ser descartadas em lotes vagos ou mesmo no lixo comum, pois como o agente transmissor vive na terra, pode resistir por muitos anos no ambiente”, ressaltou José Renato.

Representantes em Brasília
A ação em Contagem acontece após representantes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participarem da 1ª Oficina para Estruturação de Vigilância e Controle das Micoses Sistêmicas. O encontro promovido, dos dias 7 e 8 de junho, pelo Ministério da Saúde teve como intuito de tratar da doença, que segundo dados preliminares apontam um possível crescimento no Brasil, entre os anos de 2015 e 2018.

Repórter: Lucas Santos
Foto: Fábio Silva
Data: 15/06/2018

Maternidade promove curso de capacitação a técnicos de enfermagem e enfermeiros da Unidade Neonatal

Principal objetivo é ajudar a salvar a vida dos recém-nascidos gravemente enfermos que necessitam de reanimação

Nesta semana, o Complexo Hospitalar de Contagem realiza a Capacitação em Atendimento às Urgências e Emergências na Unidade Neonatal do Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus. A iniciativa é voltada aos técnicos de enfermagem e enfermeiros da Unidade Neonatal do CMI. Para que os profissionais ligados a essas funções de todos os plantões tivessem a oportunidade de participar, a ação foi ministrada em três dias, de 12 a 14/6.

O objetivo é o de capacitar profissionais novatos e reciclar os que já atuavam no local, uniformizando condutas da equipe multiprofissional da unidade neonatal do CMI e buscando a garantia da qualidade de assistência. Entre 15 e 20 pessoas foram capacitadas em cada dia, totalizando 54 profissionais. A Unidade Neonatal do CMI conta com 20 leitos de UTI Neonatal, 20 de UCI Neonatal e dez de UCI Canguru.

A enfermeira do CTI Neonatal Tatiane Ferreira Vaz, uma das facilitadoras dos conteúdos trabalhados, explica que a ação integra a proposta da maternidade de Contagem de promover capacitações periódicas junto às equipes, e que o principal objetivo nesse caso gira em torno dos esforços em salvar a vida dos recém-nascidos gravemente enfermos que necessitem de reanimação. “Com isso, fomentamos um ciclo de melhoria contínua, agregando valor à assistência interdisciplinar, organizando o atendimento, prevenindo eventos de imperícia, imprudência ou negligência e garantindo a qualidade de assistência”, explica Tatiane. A enfermeira enfatiza ainda que, de acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (2016), os países devem assegurar que a vida de cada recém-nascido é prioritária, sendo a qualificação no atendimento a esse público parte desses esforços.

A técnica de enfermagem no CTI neonatal do CMI Luciana Mesquita de Oliveira, uma das profissionais que participaram da iniciativa, resume a importância das contribuições da capacitação ao cotidiano de profissionais, cuja atuação é fundamental para a batalha travada pela vida de seres tão pequenos: “O curso vai ajudar no dia a dia da vivência das intercorrências que acontecem dentro do CTI. Poder contar com uma equipe mais capacitada ajuda no atendimento e evita situações que podem agravar o quadro da criança”.

Colaboração: Elvira Angel

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Adelcio Ramos

Data: 15/06/2018

Representantes da Secretaria de Saúde de Contagem participam de discussões sobre enfrentamento da esporotricose no Brasil

Município participa de oficina oferecida pelo Ministério da Saúde (MS) sobre esporotricose, micose com sintomas que se manifestam principalmente em gatos, mas que pode afetar animais e seres humanos.

Com o objetivo de discutir a situação da esporotricose no Brasil, representantes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participaram da 1ª Oficina para Estruturação de Vigilância e Controle das Micoses Sistêmicas, ofertada pela Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis (CGDT) do Ministério da Saúde (MS). A oficina ocorre em um contexto no qual dados preliminares apontam um possível crescimento da doença no Brasil entre os anos de 2015 e 2018. A esporotricose é uma micose tratável, que pode afetar animais e humanos, cujos sintomas manifestam-se principalmente nos gatos.

A ação ocorreu nos dias 7 e 8 de junho, em Brasília. Participaram da oficina cerca de 35 pessoas, oriundas de aproximadamente dez cidades do Brasil. Pelo estado de Minas Gerais, que enviou representante, além de Contagem, somente Belo Horizonte e Conselheiro Lafaiete participaram do grupo.

O diretor de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS e médico veterinário José Renato de Rezende Costa integrou a equipe de Contagem, formada também pela médica e infectologista Tania Marcial e pela médica veterinária Maria Helena Franco Morais. Ambas fazem parte da equipe de epidemiologia da SMS.

José Renato explica que a esporotricose é uma doença (zoonose) que se caracteriza por uma micose subcutânea causada pelo fungo Sporothrix schenckii, que pode atacar humanos e animais. A esporotricose geralmente afeta a pele e os vasos linfáticos próximos a ela, mas pode também afetar ossos, pulmão e articulações.

Alerta para a possibilidade de diagnóstico de nova espécie no Brasil

O médico Veterinário José Renato explica que esta zoonose é encontrada em várias partes do planeta. “Esse fungo está presente na maior parte do mundo, mas principalmente em regiões de clima temperado e tropical, como a Ásia, África, Oceania e Américas. Por habitar a natureza, o S. Schenckii está presente no solo, vegetais e madeira, e pode atingir tanto humanos quanto animais. Sua disseminação é lenta e os sintomas se caracterizam por nódulos purulentos ou não e que aparecem, normalmente, nos membros superiores, como braços e mãos, e também na face”, acrescenta o técnico.

José Renato pondera, contudo, que alguns trabalhos vêm apontando uma nova espécie já diagnosticada no Brasil: “Estudos mais recentes mostram uma nova espécie, que é o S. brasilienses, que tem demonstrado, em alguns casos, patogenia mais severa e de disseminação mais rápida, o que tem trazido uma preocupação maior para todos os técnicos e, consequentemente, para a população em geral. Diante disso, iniciou-se o processo para considerar a esporotricose humana e animal como doença de notificação compulsória, uma vez que esta doença vem se espalhando de forma rápida por todo o território nacional e com uma patogenia bastante severa, tanto no animal quanto no homem. É preciso ter fluxos para o atendimento aos pacientes e dos animais e, ao mesmo tempo, deve-se criar uma ficha de notificação oficial para lançamento nos sistemas vigentes”.

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ de Contagem) vem recebendo animais suspeitos da doença, com coleta de material para o diagnóstico e encaminhamentos para a Escola de Veterinária da UFMG para confirmação.

No município, no ano de 2017, de acordo com o setor de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS, análises preliminares registram 11 casos notificados de esporotricose em humanos e 76 em gatos.

Prevenção, tratamento e controle

O diretor de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS, José Renato, explica que as medidas de controle da esporotricose estão baseadas na educação e na mobilização da população para o conhecimento da doença e suas formas de controle no meio ambiente, na capacitação para o diagnóstico e no encaminhamento ao tratamento.

“O diagnóstico no animal é muito importante. No caso dos animais domiciliados com tutores, existem tratamentos à base do Itraconazol. Esse tutores devem sempre procurar um médico veterinário para a correta administração dos medicamentos. É importante ressaltar que os animais ou as carcaças com suspeitas positivas ou confirmação da doença jamais deverão ser descartadas em lotes vagos ou mesmo no lixo comum, pois como o agente transmissor é um agente telúrico, que vive na terra, pode resistir por muitos anos no ambiente.

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Divulgação/SMS

Data: 14/06/2018

Abertas as inscrições para o Prêmio InovaSUS 2018

O Ministério da Saúde irá premiar 10 projetos inovadores utilizados no Sistema Único de Saúde (SUS) com R$ 1 milhão

As inscrições para o Prêmio Inova SUS 2018 estão abertas e vão até o dia 30 de Julho. A iniciativa do Ministério da Saúde irá premiar 10 projetos inovadores, com R$ 1 milhão, que serão utilizados no Sistema Único de Saúde (SUS). As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, e instituições públicas e privadas, sem fins lucrativos, podem inscrever suas propostas inovadoras, de caráter educativo e bons resultados no prêmio “Inovasus 2018”.

O prêmio que está em sua sexta edição já premiou 97 projetos com mais de R$ 12,3 milhões. O intuito da iniciativa é proporcionar e dar visibilidade às experiências exitosas locais e permitir o fortalecimento da Gestão do Trabalho por meio de investimentos nas instituições e nas equipes de trabalho.

Para se inscrever, os interessados devem adequar seus projetos nos temas: Melhoria de Processos para o Fortalecimento da Gestão do Trabalho no SUS, Dimensionamento da Força de Trabalho no SUS, Combate à Discriminação no Local de Trabalho, Iniciativas Estaduais de Capilarização da Gestão do Trabalho nos Municípios e Práticas Integrativas e Complementares (PIC’s). As inscrições poderão ser realizadas, de forma gratuita, por meio de formulário eletrônico. Para acesso ao edital, regulamento do prêmio e para fazer sua inscrição, clique aqui.

Repórter: Ágatha Dumont (sob supervisão de Lucas Santos)

Foto: Divulgação

Data: 13/06/2018

Dia Nacional da Imunização reforça a relevância da vacinação para controle e erradicação de doenças

Vacinação em massa está relacionada à redução da mortalidade e ao aumento da expectativa de vida. Vacinas disponibilizadas pelo SUS são consideradas seguras e eficazes

Neste sábado, 9 de junho, é celebrado o Dia Nacional da Imunização. A data é um lembrete da importância da vacinação para a redução da mortalidade infantil por doenças neonatais e infectocontagiosas, para o controle e/ou erradicação de várias doenças e para o aumento da expectativa de vida mundial a partir do final do século XIX. As vacinas estimulam o sistema imunológico a produzir anticorpos e são agentes de defesa que atuam contra os micróbios que provocam doenças infecciosas.

No Brasil, em 1973, antes mesmo da criação do Sistema Único de Saúde (SUS), foi criado o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde (MS), que oferece gratuitamente todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e que permanece em vigor até hoje, dada a sua relevância. Todas as vacinas disponibilizadas no país são consideradas seguras e eficazes.

De acordo com o Ministério da Saúde (MS), nas últimas décadas, o Brasil conseguiu erradicar doenças como a varíola, cujo último caso foi registrado em 1971, e a poliomielite, em 1989. Além disso, entre 2010 e 2014, não foram confirmados casos de rubéola no País.

”Esse resultado positivo é reflexo da imunização gratuita e em massa promovida desde 1973, quando foi criado o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do MS. O desenvolvimento da vacina foi uma das maiores conquistas mundiais em saúde pública, assim como o saneamento básico, o tratamento da água e a descoberta dos antibióticos”, afirma Tania Marcial, médica infectologista e uma das referências técnicas da Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Contagem.

Salas de vacinação espalhadas por todo o território de Contagem

O município conta com 48 salas de vacinas, instaladas no interior de unidades de saúde da cidade. A Central de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é o setor encarregado de planejar, supervisionar e avaliar as atividades de vacinação no município, conforme normas básicas estabelecidas pelo PNI, incluindo a vacinação de rotina, as estratégias especiais, como campanhas e vacinações de bloqueio, e as notificações de eventos adversos. Contagem utiliza o calendário de vacinação do MS, ofertando todas as vacinas preconizadas pela OMS. Em 2018, de acordo com a Central de Imunização, já foram aplicadas aproximadamente 112 mil doses do calendário básico, além de 70 mil doses da vacina contra Febre Amarela e 102 mil doses do imunizante contra a Influenza.

Cartão de vacina deve ser atualizado

Para o controle e a erradicação de doenças por meio da vacinação, não basta que as autoridades sanitárias disponibilizem os imunizantes e promovam ações de educação sanitária: é preciso que as pessoas também façam a sua parte, mantendo seu cartão de vacinas atualizado e levando as crianças para tomarem as vacinas ofertadas pelo Ministério da Saúde (MS). “Infelizmente, a população adulta ainda não se conscientizou da importância de manter o seu cartão de vacinação atualizado, sem ter que esperar alguma doença imunoprevinivel acometer a população e causar mortes, como foi com a febre amarela recentemente”, ressalta Fernanda Elisa Ferreira de Almeida, assessora da Central de Imunização.

País produz diversas vacinas disponibilizadas pelo PNI

Fernanda Elisa explica que desde meados da década de 1980, o Brasil produz grande parte das vacinas disponibilizadas pelo SUS. “Os principais produtores brasileiros são o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz-RJ), o Instituto Butantan (SP), o Instituto Vital Brazil (IVB-RJ), o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar-PR), a Fundação Ezequiel Dias (Funed-MG), a Fundação Ataulfo de Paiva (FAP-RJ) e o Instituto de Pesquisas Biológicas (IPB-RS)”, elenca a assessora.

Vacinas disponibilizadas no país são seguras

As tecnologias da informação facilitaram o acesso das pessoas em geral a dados que rapidamente são compartilhados. Mas a facilidade de acesso à informação também causou dúvidas em muitas pessoas quanto à segurança das vacinas, como aconteceu no início neste ano, quando o país viveu uma epidemia de informações falsas ou descontextualizadas e de boatos que circularam pelas redes sociais sobre a vacina contra a Febre Amarela. É importante ressaltar que os imunizantes são fundamentais para o controle e a erradicação de doenças. A médica infectologista Tania Marcial reforça a segurança das vacinas.

“A maioria das vacinas protege cerca de 90% a 100% das pessoas. O pequeno percentual de não-proteção se deve a muitos fatores — alguns estão relacionados com o tipo da vacina, outros, com o organismo da pessoa vacinada que não produziu a resposta imunológica adequada. Quanto à segurança, ou seja, à garantia de que não vai causar dano à saúde, é importante saber que toda vacina, para ser licenciada no Brasil, passa por um rigoroso processo de avaliação realizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Esse órgão, regido pelo Ministério da Saúde (MS), analisa os dados das pesquisas, muitas vezes realizadas ao longo de mais de uma década, que demonstram os resultados de segurança e eficácia da vacina obtidos em estudos com milhares de humanos voluntários de vários países. O objetivo é se certificar de que o produto é de fato capaz de prevenir determinada doença sem oferecer risco à saúde”, explica a técnica.

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Adelcio Ramos

Data: 08/06/2018

Restaurantes populares de Contagem promovem ação educativa sobre o tabagismo

O “Apague esta ideia” tem o objetivo de sensibilizar e orientar os usuários para o tratamento adequado

 

Com o coração não se brinca! Para orientar a população sobre os riscos causados pelo tabagismo, a Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), promoverá nesta sexta-feira (08), nos Restaurantes Populares de Contagem, o “Apague esta ideia”, uma ação de conscientização contra a doença.

Com o objetivo de sensibilizar e orientar os usuários para o tratamento adequado, profissionais da saúde irão realizar testes de dependência química, como o teste de Fagerstrom, entrega de panfletos, palestra educativas e dicas saudáveis sem o cigarro.

Nos restaurantes populares do Eldorado, Ressaca e Nova Contagem circulam diariamente cerca de cinco mil pessoas. Para participar a população precisa comparecer em uma das unidades dos restaurantes populares na data e horário previsto.

Teste de Fagerstrom

Em 31 de maio é celebrado o Dia Mundial Sem Tabaco, data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1987. O Teste de Fagerstrom auxilia e estima o grau de dependência da nicotina, sendo utilizado como ferramenta na terapia para ajudar as pessoas a parar de fumar. O teste conta com seis perguntas e de acordo com a pontuação, o participante pode identificar entre os graus baixo, médio, elevado e muito elevado quanto a sua dependência física e um aconselhamento.

Mais informações:
Restaurante Popular Eldorado: Rua Madre Margherita Fontanaresa, nº 420, Bairro Eldorado.
Restaurante Popular Ressaca: Avenida José da Rocha, nº 64, Bairro Guanabara (região do
Ressaca).
Restaurante Popular de Nova Contagem: Rua Maria José Chiodi, nº 37, Bairro Nova
Contagem.

 

Reportagem: Ágatha Dumont (Sob supervisão de Lucas Santos)

Foto: Cássio Matias

Data: 07/06/2018

Conselho gestor da Secretaria Municipal de Saúde reúne-se para discutir rumos da pasta

Reunião discute alinhamentos necessários e anuncia criação de uma Controladoria Interna na saúde

Dezenas de servidores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), entre subsecretários, superintendentes, diretores, gerentes e assessores participaram de reunião do Conselho Gestor realizada ontem, terça-feira (22), no auditório da Nova Faculdade, com o secretário de Saúde de Contagem, Cléber de Faria Silva.

Na pauta da reunião, informes diversos e direcionamentos relativos à continuidade dos projetos e iniciativas que já vem dando certo na SMS e ao alinhamento necessário dos trabalhos da secretaria com a prefeitura e a gestão Alex de Freitas. A dívida do estado de Minas Gerais com a saúde em Contagem e a necessidade de redução de gastos também foi ressaltada.

Houve ainda o anúncio da criação de uma controladoria interna na SMS, para melhorar os mecanismos de controle e de acompanhamento de contratos e convênios, e de mudança de nomes que ocupam alguns cargos.

Alinhamento de gestão

O secretário de Saúde Cléber de Faria reforçou que as iniciativas exitosas na saúde implementadas desde o início do ano passado serão mantidas e que a gestão da SMS será feita com as contribuições de todos. “Vamos trabalhar numa trinca, comigo, Maurício e Kênia no comando, mas com a participação dos superintendentes e das equipes. Precisamos estar bem alinhados com a prefeitura, e a orientação do prefeito é de valorizar quem é efetivo e agregar com os comissionados. Peço a renovação da esperança e a colaboração de todos, porque o cenário atual é complexo nossa missão é grande. Nossa responsabilidade é do tamanho de 700 mil pessoas”, disse Cléber, fazendo referência à quantidade aproximada de pessoas que vivem em Contagem.

Criação de Controladoria para aprimorar controle de contratos e convênios

O subsecretário de Assistência em Saúde, Maurício Rangel de Souza, anunciou a criação da Controladoria Interna da SMS, que terá como objetivo o acompanhamento de contratos e convênios. O subsecretário anunciou também nomes que passarão a ocupar alguns cargos, como parte das reestruturações que estão acontecendo na secretaria. E embora o momento atual da gestão da pasta, que incluiu recentemente uma troca de comando da secretaria, tenha gerado expectativas e apreensão quanto à permanência das pessoas em alguns postos, a tendência é de estabilização das mudanças, ressaltou Maurício. “Houve algumas mudanças, normais em um processo de reestruturação, e a tendência agora é de estabilização. Vamos fazer a gestão com o rigor que uma gestão de uma secretaria desta importância merece”, disse.

Dívida do estado e ajustes de metas

A subsecretária de Gestão em Saúde, Kênia Silveira Carvalho, ressaltou que a primeira fase da reforma administrativa, iniciada em abril deste ano, com a extinção da Famuc e a publicação dos decretos de competência de cada secretaria, já está sendo executada, e que a partir de agora, na segunda fase, serão tratados assuntos como planos de cargos e salários. “É muito importante que todos conheçam esses decretos que listam as competências e atribuições da secretaria, porque os mecanismos de controle e de prestação de contas terão como base também esses documentos”, salientou a subsecretária.

Kênia apresentou também dados referentes a repasses em atraso do governo do estado com a saúde em Contagem, deixando claro que é preciso adequar metas à situação atual. “É preciso reduzir gastos em folha e em prestação de serviços, e esse é um problema cujo enfrentamento depende da colaboração de todos. O financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) é tripartite, feito pela União, os Estados e os Municípios, e as pactuações sobre quanto cada ente vai arcar são feitas são feitas com base em leis e normativas já existentes, como a Lei 8.142/1990 e a LC 141/2012, e em comissões nas quais é definido quanto cada ente vai arcar. O estado não está fazendo repasses, gerando um déficit de cerca de R$ 87 milhões com a saúde de Contagem. Desse total, 87% é relativo a custeio e manutenção de serviços, como de leitos de terapia intensiva. São dívidas de empenho de recursos financeiros que não estão sendo pagos não só para Contagem, mas também para Belo Horizonte e outras cidades. Isso tem impactos graves diretos e indiretos na rede SUS / Contagem. Precisamos readequar nossas metas a essa realidade”, pontuou Kênia.

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Fábio Silva

Data: 23/05/2018

Grupo Conservo promove treinamento aos funcionários do Complexo Hospitalar de Contagem

A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde(SMS), realiza hoje(22) e amanhã(23) treinamento para funcionários da limpeza do Complexo Hospitalar de Contagem(CHC).  Esse treinamento é uma parceria com o Grupo Conservo e a Prefeitura de Contagem e tem como objetivo a Biossegurança.

Rafael Oliveira dos Santos, Técnico de Segurança do Trabalho do Grupo Conservo, diz que o intuito é passar o Treinamento de NR 2 e Técnicas e Práticas de LimpezaO objetivo do treinamento é fazer com  que os funcionários apliquem às práticas de limpeza, bem como a segurança no trabalho. O treinamento tem carga horária de 4h, além da emissão de certificado conforme lista de presença.

Ainda segundo Rafael, o treinamento é uma parceria do Grupo Conservo com o HMC . Para ele, o relacionamento com a área de Biossegurança do Hospital e um evento como este, é de muita importância para manter a qualidade nos serviços prestados ao hospital.

Aline Alves Martins Dias é auxiliar de limpeza no Hospital e relata a importância de um treinamento como este para melhoria e aplicação das técnicas no trabalho.

Repórter: Jaiderson Henrique (sob supervisão de Aída Matos)

Foto: Adelcio R. Barbosa

Data: 22/05/2018

 

Cerest e VSAT Contagem participam de mobilização contra o trabalho infantil e o abuso sexual na CeasaMinas

Ação ocorreu em 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. No entreposto, diariamente, crianças e adolescentes exercem atividades ligadas à catação de alimentos. Intenção é de retomar trabalho de prevenção que erradicou o trabalho infantil no local há alguns anos

 

O abuso, a violência e a exploração sexual de crianças e adolescentes são atividades que constam na lista das piores formas de trabalho infantil da Convenção 182 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da qual o Brasil é signatário. Para enfrentar as situações de violações de direitos desses jovens, é preciso haver um esforço conjunto entre governos, empresários e a sociedade, no sentido de identificar, prevenir e combater as situações de abuso e o trabalho infantil, em grande parte causado pela pobreza, segundo a OIT.

Para contribuir com ações de identificação e prevenção de situações de violação de direitos de crianças e adolescentes que trabalham na catação de alimentos, no carregamento de caixas e funções similares no entorno das Centrais de Abastecimento de Minas Gerais S.A. (CeasaMinas), localizada na regional Ressaca, o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador e a Vigilância em Saúde do Trabalhador (Cerest/VSAT) participou, a convite da CeasaMinas, de uma mobilização realizada em 18/5, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, no entreposto da central de abastecimento.

Na ocasião, foram distribuídos panfletos, com abordagem corpo a corpo, junto a pessoas que frequentam e/ou trabalham na CeasaMinas. Por dia, milhares de pessoas freqüentam o local. O Cerest/VSAT participou da ação também na condição de representante da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), da Comissão Permanente na Erradicação do Trabalho Infantil (Competi) e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social. Participaram da mobilização diversos profissionais ligados ao enfrentamento ao trabalho infantil, como médico, enfermeiro e psicólogos do Trabalho e assistentes sociais, ao todo, cerca de 30 pessoas.

A data remete ao dia 18 de maio de 1973, quando a Araceli Crespo, de oito anos, foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta em Vitória (ES). Os agressores nunca foram punidos.

A diretora da VSAT, Fátima Caldeira Brant, diz que a intenção é a de retomar um trabalho que já havia sido feito no local, entre os anos de 2008 e 2010, que apresentou bons resultados na identificação, erradicação e enfrentamento a situações de abuso. “Havíamos conseguido erradicar o trabalho infantil no local, mas esse tipo de enfrentamento deve ser contínuo, para que as situações não voltem a acontecer. Atualmente, há crianças e adolescentes novamente frequentando a CeasaMinas para catar alimentos e carregar caixas. Presume-se que com as condições lá encontradas, é possível que haja situações de abuso. E precisamos nos perguntar: por que essas crianças estão lá, em vez de estarem na escola? Por que os pais as levam para lá? Por que os adolescentes estão nessas ocupações, e não em outras? São necessárias várias intervenções, intersetoriais, com a participação de empresários, representantes do governo, ações de identificação, abordagem corpo a corpo e encaminhamentos diversos. Precisa ser um trabalho contínuo. Participamos de uma reunião agora no mês maio com representantes da Ceasa, empresários e produtores, e a expectativa é de, com o auxílio desses parceiros, voltarmos a fazer um trabalho de prevenção e de erradicação do trabalho infantil e dos abusos no entreposto”, afirma a diretora.

Abuso sexual infantil é crime. Denuncie! Ligue 100 – Disque Direitos Humanos

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Divulgação

Data: 22/05/2018

Nome do novo secretário de saúde é anunciado

Cléber de Faria Silva assume os trabalhos da Secretaria Municipal de Saúde

Na tarde desta terça-feira (15), foi anunciado o novo nome que irá conduzir os trabalhos da Secretaria Municipal de Saúde (SMS): a partir de agora, Cléber de Faria Silva assume o cargo de secretário de Saúde. A decisão foi tomada hoje, durante reunião com o prefeito Alex de Freitas. A pasta era conduzida por Bruno Diniz, cuja saída foi oficializada em 15/5.

Cléber já comandou a superintendência de Urgência e Emergência (Surg) no primeiro ano de governo da gestão e, após a reforma administrativa ocorrida no fim do mês de março, passou a ser o subsecretário de Assistência em Saúde, cargo que ocupou até aqui.

Também na reunião de hoje foi designado o novo subsecretário de Assistência em Saúde, Maurício Rangel de Souza. O cargo de superintendente da Atenção à Saúde (SAS), que era ocupado por Maurício, aguarda pela indicação de um novo nome, e os demais superintendentes seguem em seus cargos. Kênia Silveira Carvalho permanece como subsecretária de Gestão em Saúde.

Em seu pronunciamento já como secretário de Saúde de Contagem feito a dezenas de servidores da SMS, Cléber enfatizou a necessidade colocada pelo prefeito de manutenção de tudo o que já está sendo feito que vem dando certo. De acordo com Cléber, o prefeito também salientou a necessidade da unidade da equipe que está conduzindo os trabalhos secretaria.

“Fazemos parte de um time que é comandado pela prefeitura. Vamos trabalhar com respeito, com o coletivo, ouvindo e tomando as decisões necessárias à responsabilidade do cargo. Estou preparado para assumir o desafio, e conto com a participação de todos. Faremos ajustes, o que é normal, mas a equipe é praticamente a mesma. Já avançamos muito, e o que já está sendo feito foi construído por todos nós. Temos um rumo, alinhado com o governo. Que a gente possa sair daqui melhor do que chegamos hoje e, principalmente, lá na frente, que possamos estar melhores do que estamos hoje, porque a saúde exige isso”, disse o novo secretário de Saúde.

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Fábio Silva

Data: 16/05/2018