Posts com a Tag ‘Secretaria Municipal de Saúde’

Gestores da saúde fazem visita técnica a antiga sede do Fórum de Contagem

Ao retornar para o município, edificação, que estava cedida pela prefeitura ao Judiciário, foi designada pelo prefeito Alex de Freitas para abrigar equipamento da rede SUS / Contagem

Na manhã desta quinta-feira (26), o subsecretário de Gestão em Saúde de Contagem, Maurício Rangel, acompanhado por uma equipe de servidores da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), fez uma visita técnica à antiga sede do Fórum Doutor Pedro Aleixo, que funcionava em imóvel situado à Praça Tiradentes, nº 155, na regional Sede.

A edificação, que estava cedida pelo Executivo municipal ao poder Judiciário e que poderá agora abrigar um equipamento da Prefeitura de Contagem, foi designada pelo prefeito Alex de Freitas para ser utilizada pela pasta da Saúde.

A SMS está empreendendo estudos de viabilidade para a implantação de um equipamento de saúde do local e a visita técnica de hoje insere-se nesse contexto. As condições atuais do local precisam de adaptações e ensejam algumas reformas estruturais.

O Fórum de Contagem, por sua vez, passou a funcionar em outro local, com edificação mais moderna e equipada, desde o início do mês de junho deste ano. A demanda pela mudança da comarca de Contagem para outro local é antiga e vinha sendo pleiteada por servidores da Comarca de Contagem há pelo menos 15 anos.

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Adelcio Ramos Barbosa

Data: 26/07/2018

Lançamento do Movimenta Contagem leva multidão à Praça da Jabuticaba

Iniciativa conta com mais de 50 núcleos espalhados por toda a cidade. Participação nas aulas e modalidades oferecidas é gratuita

Para movimentar as pessoas e a cidade, a Prefeitura de Contagem lançou o programa Movimenta Contagem, um projeto que busca promover a saúde e o bem-estar por meio do incentivo à prática de atividades físicas que exercitam corpo e mente, por meio do conceito de prevenção da saúde, misturando dança e esportes e estimulando a interação social.

A abertura aconteceu na última sexta-feira (20) à noite, na praça da Jabuticaba, com a participação de integrantes das dezenas de núcleos já implantados em todas as regionais da cidade. Segundo estimativas da Guarda Civil, o evento contou com a presença de aproximadamente 700 pessoas e segundo os organizadores cerca de 1.400 participantes.

Também prestigiaram a abertura do programa o prefeito Alex de Freitas, o secretário de Cultura, Esporte e Juventude, Adriano Henrique Fontoura de Faria, o secretário de Saúde, Cleber de Faria Silva, e diversas outras autoridades, como subsecretários, administradores de regionais administrativas, integrantes do Núcleo de Incentivo à Cidadania (NIC), entre coordenadores, profissionais e educadores do Movimenta Contagem.

Antes das boas-vindas das autoridades presentes, o grupo de teatro da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o Agente em Cena, formado por Agentes Comunitários de Saúde (ACS) e de Combates às Endemias (ACE), apresentou a peça “Saúde é o que interessa – Qualidade de vida!”, para abordar a importância da prática de atividades físicas no combate à obesidade, ao sedentarismo, à hipertensão, ao diabetes, ao alcoolismo e ao tabagismo.

Trata-se de um dos maiores programas de prevenção da saúde já implementados pelo poder público na cidade. Em outros anos, o município chegou a contar com um programa similar, que foi interrompido e agora é retomado de forma mais robusta: dos cerca de 30 núcleos já existentes para os mais de 50 atuais. Atualmente, cerca de três mil pessoas vêm participando do projeto, que oferece diferentes modalidades, orientadas por profissionais, em diversos espaços públicos do município.

O prefeito de Contagem, Alex de Freitas, destacou a importância da transversalidade na promoção de políticas públicas de saúde. “O primeiro aspecto, que nos enche de alegria, é que o Movimenta Contagem busca a promoção da saúde, com os esforços de diversas secretarias e órgãos da prefeitura. E na medida em que as pessoas se reúnem em praças e espaços públicos para participar do programa, além de movimentar o corpo, elas também têm a oportunidade de conhecer outras pessoas. Com isso, a saúde mental também é estimulada. Então, no Movimenta Contagem, também tem o aspecto de estímulo à promoção da cidadania. Vamos ampliar essa política para todos os cantos do município”, garante Alex de Freitas.

O Movimenta Contagem, fruto da parceria entre a Prefeitura de Contagem e o Núcleo de Incentivo à Cidadania (NIC), tem caráter transversal e envolve também as secretarias municipais de Cultura, Esporte e Juventude, de Desenvolvimento Urbano e Habitação e de Saúde (SMS), além das oito regionais administrativas da cidade.

O fisioterapeuta, supervisor de Projeto Social e responsável técnico do NIC, Idalísio Vieira Gomes, comenta as inovações presentes na metodologia utilizada no Movimenta Contagem. “Fizemos adaptações de aulas de aeróbica, integrando-as a conceitos de fisioterapia ligados à reabilitação e prevenção de lesões e buscando uma melhoria da qualidade de vida e o combate ao sedentarismo”, assevera Idalísio. De acordo com o fisioterapeuta, o Movimenta Contagem tem características de atuação preventiva da saúde ligadas à atenção primária à saúde, nível relacionado à prevenção de doenças. “A iniciativa integra práticas e conceitos preconizados pela Portaria nº 687, de 30 de março de 2006, do Ministério da Saúde, que aprova a Política de Promoção da Saúde”, explica o fisioterapeuta.

A moradora do bairro Amazonas, Oseli de Souza, é um dos milhares de participantes do Movimenta Contagem. Ela conta que frequenta as aulas dos grupos já instalados nas praças Iria Diniz e Glória desde 2014 e que essa participação foi fundamental para controlar a pressão alta e a depressão que a assombravam. “Eu tinha depressão e pressão alta. Quando conheci o programa eu estava no fundo do poço. Por indicação de uma amiga, passei a frequentar as aulas e fui fazendo amizades. Nisso, fui melhorando a minha saúde e o programa passou a fazer parte da minha vida. Consegui controlar minha pressão e vencer a depressão. Nesse processo, consegui também ajudar outras pessoas que também passavam por problemas de saúde semelhantes e incentivei a formação de outros núcleos. Tenho certeza de que não sou a única que sente que o programa faz muito bem à saúde. Vida longa ao Movimenta Contagem”, atesta Oseli.

Como fazer para participar do Movimenta Contagem?

A participação no projeto é gratuita e aberta à população (confira os locais, endereços, dias e horários e modalidades ofertadas no link abaixo). O interessado não precisa fazer nenhum cadastro prévio, bastando comparecer aos locais nos horários e dias indicados para participar.

Contudo, a visita prévia ao médico, para verificar as condições de saúde antes de passar a frequentar as aulas, também é importante. “Aconselhamos que as pessoas passem por um médico, façam uma avaliação física prévia e tragam um atestado de aptidão física antes de começar a participar das atividades”, orienta o fisioterapeuta Idalísio Vieira Gomes.

Já para receber um kit de camisa e garrafinha de água do Movimenta Contagem, basta entrar no site do NIC (clique AQUI ), e se cadastrar.

O Movimenta Contagem é composto por diversos educadores físicos, como instrutores de dança (6), (1) tai chi chuan e ioga (1), fisioterapeutas (5), enfermeiros e técnicos de enfermagem, que conduzem as atividades ofertadas em diferentes modalidades: aeróbica, fisioterapia, hidroginástica, tai chi chuan e ioga.

Clique AQUI para acessar os endereços, dias, horários e modalidades ofertadas em cada núcleo do Movimenta Contagem

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Ricardo Lima

Data: 23/07/2018

Conselho da Pessoa com Deficiência debate melhorias para os cidadãos

Reunião destacou o que tem que ser promovido para dar mais qualidade de vida as pessoas com deficiência

O Conselho da Pessoa com Deficiência de Contagem promoveu, na última semana, a 115º reunião ordinária. O encontro, na Faculdade UNA, contou com a presença do secretário de Direitos Humanos e Cidadania, Marcelo Lino, representantes de instituições de Contagem, sociedade civil e autoridades de outras cidades.

Um dos pontos discutidos na plenária foi sobre a inclusão da pessoa com deficiência na Educação e na Saúde. Essa pauta foi solicitada pelo Grupo de Apoio a Pais e Familiares de Autistas (AMAIS). Após as deliberações dos presentes, o conselho encaminhará os problemas relatados para as secretarias de Educação e para a de Saúde.

O acréscimo de mais um lugar reservado para a pessoa com deficiência nos ônibus, também foi debatido no encontro. Sugerido pelo senhor Cícero Plínio, que relatou sobre as dificuldades no transporte público, a pauta será encaminhada para a Transcon e para o Ministério do Transporte.

Para finalizar a plenária, o conselho informou sobre a Semana da Pessoa com Deficiência, que acontecerá entre os dias 17 e 22 de setembro. O encerramento será com uma caminhada pela Inclusão Social da Pessoa com Deficiência, que terá a concentração na Praça Iria Diniz.

As plenárias são de extrema importância para a melhoria da qualidade de vida da população da pessoa com deficiência. Com o intuito de melhorar e dar melhores condições e conforto, as reuniões também ajudam a ampliar visões sobre tal questão.

Vereador do município de Itaúna, Anselmo Fabiano, participou da reunião como ouvinte e salientou a importância de conhecer o que vem sendo tratado em outros municípios para levar os exemplos positivos para sua cidade. “A gente está sempre buscando ouvir outros municípios, saber o que tem avançado, o que temos que avançar dentro do nosso município, e que a gente pode repassar de bom”, disse.

 

Repórter: Raquel Lopes

Foto: Divulgação

Data: 17/07/2018

Saúde sem preconceito e sem discriminação

CTA de Contagem promove roda de conversa com transexuais para aproximá-las de serviços de saúde relacionados às ISTs / Aids

A garantia ao atendimento à saúde é uma prerrogativa de todo cidadão e toda cidadã brasileiros, respeitando-se suas especificidades, como aquelas relacionadas à orientação e práticas afetivas e sexuais de transexuais, pessoas que não se identificam com o gênero biológico e se vestem e se comportam como pessoas de outro sexo. Trata-se de um grupo que vive sob condições de violência, vulnerabilidade social, discriminação e estigma que, portanto, possui necessidades e demandas em saúde muito específicas e complexas. As experiências de preconceito e exclusão comuns às trajetórias das pessoas trans acabam por dificultar a iniciativa de busca por equipamentos de saúde, incluindo aqueles relacionados ao diagnóstico e tratamento de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST).

Com o objetivo de promover o acesso aos serviços do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) por pessoas trans, esclarecer dúvidas e falar sobre prevenção e tratamento das ISTs, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promoveu uma roda de conversa em uma casa-pensão na região do Industrial. A visita à casa aconteceu na quinta-feira (12). Participaram do encontro seis das aproximadamente 12 trans, oriundas de diferentes lugares para além de Minas Gerais, como Alagoas, Pernambuco e Sergipe, que moram lá e trabalham na cidade como profissionais do sexo. A participação na roda de conversa se deu de forma voluntária.

O diálogo foi mediado por Simone Maia e Cláudia Oliveira, aconselhadoras do CTA de Contagem. A solicitação da visita de integrantes do CTA partiu de Giselle Rodrigues, que acolhe as meninas na casa. A ação foi viabilizada graças à articulação e iniciativa do coordenador do IST / Aids do Centro de Consultas Especializadas (CCE) Iria Diniz, Paulo Henrique Teixeira Belmiro.

Na ocasião, houve também distribuição de preservativos e de material informativo sobre a Profilaxia Pós-Exposição (PEP), que consiste no uso de medicamentos antiretrovirais após um possível contato com o vírus HIV em situações como violência sexual, relação sexual desprotegida e acidente ocupacional, e sobre a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), uso preventivo de medicamentos antes da exposição ao vírus do HIV. Já na sexta-feira (13), a equipe do CTA voltou à casa-pensão para fazer a testagem nas trans que quiseram fazer o teste.

O coordenador do programa IST / Aids, Paulo Henrique, comenta sobre a especificidade da ação. “É uma ação de promoção à saúde voltada a um público muito específico, de difícil acesso e vulnerável, que precisa de muita atenção e um olhar diferenciado”, afirma o coordenador.

Em muitos casos, o acesso aos serviços de saúde pelas trans vai se dar apenas via unidade de urgência, para lidar com estados já avançados da Aids. A aconselhadora Cláudia Oliveira relata que a procura das trans pela testagem é baixa. “Já temos no Serviço de Atendimento Especializado (SAE) esse público em tratamento, mas quando elas chegam ao SAE já houve a infecção. Viemos aqui para tentar promover o acesso antes que aconteça a contaminação”, argumenta Cláudia.

Contudo, em meio a histórias repletas de vivências como segregação, o estigma ligado à orientação e práticas afetivas e sexuais das trans e à infecção pelo vírus, há também narrativas de superação. “Há um paciente em tratamento lá no SAE que diz que o fato dele ter conseguido transitar na saúde por causa do HIV fez com que ele conseguisse transitar no espaço público”, assevera a aconselhadora Simone Maia.

Estigma e preconceito

Aos poucos, no decorrer da conversa da quinta-feira na casa-pensão da Giselle, vão aparecendo as dúvidas e as provas de que o estigma e a discriminação seguem como obstáculos para a prevenção e tratamento do HIV. No Brasil é possível contar com o acesso gratuito aos serviços de saúde relacionados ao HIV, que incluem prevenção, testagem, aconselhamento e tratamento. Na farmácia do SAE de Contagem, atualmente, cerca de 1.200 pessoas fazem tratamento regular mensal, retirando medicamento para controle e tratamento.

Entretanto, como aponta o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) “o estigma e a discriminação prejudicam os esforços no enfrentamento à epidemia do HIV, ao fazer com que as pessoas tenham medo de procurar por informações, serviços e métodos que reduzam o risco de infecção, e também de adotar comportamentos mais seguros, com receio de que sejam levantadas suspeitas em relação ao seu estado sorológico”, diz a organização em publicação de 4/10/2017.

“Temos vergonha”, “não sabemos onde é”, “a gente não quer procurar”, “tem gente que sabe que tem e fica espalhando o vírus”, “eu prefiro não saber” “já vi uma bicha que era linda e, depois que descobriu que tinha o negócio, a bicha acabou” são algumas das respostas à pergunta sobre o porquê de as trans não aparecerem no CTA para se testar. “Como a gente é profissional do sexo, às vezes faz com camisinha, às vezes faz sem, se o cliente pede, ou se tem alguma química”, revela uma das meninas. “Eu não sei o que é um hospital há anos. Acho que só vou quando estiver naquele lugar”, desabafa outra.

O médico Leandro Cury de Lima Sousa, um dos infectologistas do Programa IST /Aids, confirma que as trans são um grupo com alta vulnerabilidade para o HIV. “É um grupo em que os índices de contágio ainda crescem, e isso é verificado em todo o Brasil. Embora as trans estejam sob condições de vulnerabilidade em virtude de dois fatores de risco, por serem transexuais e, em alguns casos, também profissionais do sexo, contam com pouca avaliação médica e não se testam com frequência. São um grupo que tem indicação para fazer uso da PrEP. Mas, na rotina do consultório, tenho atendido a muitas pessoas, de todas as idades, condutas sexuais e gêneros. É preciso que todos se previnam”, adverte o infectologista.

De acordo com o setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em 2017, foram notificados 144 casos de HIV (sigla para o vírus causador da Aids) e 59 casos de Aids (quando o conjunto de sintomas e eventos que ocorrem devido à infecção por HIV se manifesta. O vírus pode passar por um processo de incubação de tempo variável antes do surgimento dos sintomas da doença). Já em 2018, de janeiro a junho, foram 53 casos de HIV confirmados e 20 casos de Aids. Todos os casos são confirmados em adultos (acima de 13 anos de idade).

Nome social para atendimento nas unidades de saúde

O Ministério da Saúde (MS) garante aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) o uso do nome social no cartão de identificação de usuários, conforme Portaria n° 1820, de 13 de agosto de 2009. O respeito do uso nome social e à forma como a pessoa se autorrefere e se autoidentifica é uma das condutas muito importante para a prestação de acolhimento humanizado das travestis.

CTA de Contagem – SAE / CCE Iria Diniz

O CTA funciona de segunda a quinta-feira, com distribuição de senhas às 7h30 e às 13h. O endereço é avenida João César de Oliveira, nº 2.889, no Eldorado. É solicitado um documento com foto. O CCE Iria Diniz conta com três médicos infectologistas-adulto e um médico infectologista-infantil.

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Fábio Silva

Data: 13/07/2018

Capacitação em atendimento de urgência para lidar com o AVC

Secretaria Municipal de Saúde oferta capacitação para Acidente Vascular Cerebral (AVC) agudo

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), atualmente, o Acidente Cerebral Isquêmico (AVC) causa 6,5 milhões de mortes no mundo, sendo ainda a principal causa de incapacidade pelo seu poder de ocasionar sequelas graves em nível global. No Brasil, o AVC é a causa mais frequente de óbito na população adulta (10% dos óbitos) e o diagnóstico de 10% das internações hospitalares públicas, informa o Ministério da Saúde (MS). Trata-se de uma doença tempo-dependente: quanto mais rápido o tratamento, maior a chance de recuperação.

Para promover uma oportunidade para servidores da urgência e emergência que atuam no município atualizarem seus conhecimentos relativos ao AVC, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promoveu uma capacitação voltada a esses profissionais. A ação, intitulada “Atendimento Capacitado ao AVC agudo – estruturando a linha de cuidado hospitalar”, ocorreu no dia 5/7, no auditório da maternidade de Contagem.

A capacitação foi conduzida pelo médico Gustavo Daher Vieira de Moraes Barros, professor na Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais e x-integrante das equipes médicas do Hospital Municipal de Contagem (HMC), onde atuou por dois anos. Cerca de 50 pessoas, entre médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem de Unidades de Pronto Atendimento (UPA), do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) e do Serviço Móvel de Atendimento de Urgência (Samu) participaram da ação e puderam aprender mais sobre AVC agudo (ou isquêmico).

O médico e cardiologista no HMC, Luiz Fernando Avelar dos Santos, que esteve à frente da interlocução para viabilizar a capacitação, ressaltou a importância da estruturação da linha de cuidados voltados ao enfrentamento do AVC no município: “Essa oportunidade faz parte do processo de amadurecimento de protocolos para lidarmos com o AVC agudo na urgência e emergência do município. É muito importante que os profissionais desse nível da atenção à saúde estejam capacitados para reconhecer os sinais e sintomas do AVC”.

O médico Gustavo Daher, que proferiu a palestra, reforça que a promoção da assistência integrada ao enfrentamento a uma doença que é, em suas palavras, “o maior problema de saúde pública” leva a impactos positivos em termos sociais e econômicos. “É preciso integrar todos os indivíduos da rede assistencial e mostrar a importância que cada um tem para que a engrenagem funcione. O atendimento de urgência estruturado e capacitado para lidar com o AVC contribui para a melhoria clínica dos pacientes e para a redução de custos para o sistema de saúde”, diz o médico, que explica que há dois tipos básicos de AVC: “Os AVCs são classificados em hemorrágico e isquêmico. Em torno de 80% dos AVCs são isquêmicos. No AVC hemorrágico, os fatores de risco estão associados ao mal controle da hipertensão e do diabetes e estão mais ligados à Atenção Primária. Já o AVC isquêmico é súbito e mais impactante e está ligado à urgência e emergência. Quanto mais rápido as equipes de saúde agirem, mais aumentam as chances de recuperação do AVC isquêmico. Mas há pouco tempo para essa ação, e por isso o atendimento rápido e capacitado é fundamental. Tempo é cérebro”, atesta o médico.

Ághata Barbosa, que está cursando o primeiro ano da residência multiprofissional ofertada no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), é uma das dezenas de pessoas que participou da capacitação. Ela diz que no cotidiano é comum a presença de pessoas com sequelas incapacitantes em atendimento hospitalar. “Vemos muitos pacientes sequelados por causa do AVC e essa atualização é importante para os atendimentos clínicos”, afirma a enfermeira.

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Fábio Silva

Data: 09/07/2018

Cerca de 80 mil pessoas serão beneficiadas com unidade de saúde na Ceasa-MG

A unidade atenderá aos funcionários e frequentadores com vacinas, curativos e também ações voltadas para a saúde do trabalhador

Os investimentos na Saúde de Contagem não param de crescer. Enquanto cidades fecham hospitais e unidades de saúde, o prefeito Alex de Freitas trabalha para expandir a rede. Com esse objetivo, na última sexta-feira (6), a Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, inaugurou na CeasaMinas, uma Unidade de Atendimento de Saúde. A unidade atenderá aos funcionários e frequentadores com vacinas, curativos e também ações voltadas para a saúde do trabalhador. Cerca de 80 mil pessoas serão beneficiadas com mais esse equipamento.

A Unidade de Atendimento de Saúde contará com um médico e um auxiliar de enfermagem, ligados a rede de saúde de Contagem. O funcionário da Ceasa, José Reis, destacou a novidade na Central de Abastecimento. “Era um sonho antigo dos trabalhadores, com esse posto de atendimento poderemos cuidar de nossa saúde sem sair da Ceasa”, lembrou José.

Essa ação é parceria da Prefeitura de Contagem com a CeasaMinas. “A unidade demonstra o quão são fundamentais as parcerias para que possamos alcançar os objetivos e oferecer à população uma saúde melhor e com atendimento mais amplo”, ressaltou o secretário de Saúde, Cléber de Faria Silva.

O secretário destacou ainda que foi inaugurada na Ceasa uma estrutura de saúde que está ligada a uma rede. “ Na Ceasa circulam cerca de 80 mil pessoas por dia, por isso não é somente um ponto de apoio, tem toda uma retaguarda em seu entorno, como todas as UPA`s e UBS´s , Complexo Hospitalar. ”, concluiu o secretário.

O diretor presidente da CeasaMinas, Gustavo Brant, revelou em que a ação da Prefeitura de Contagem vai contribuir para a região. “Esperamos que a Unidade de Atendimento de Saúde possa atender a todos da comunidade sendo mais um meio para que a Ceasa atinja seus objetivos sociais”.

 

Repórter: Lucas Santos

Foto: Adelcio R. Barbosa

Data: 09/07/2018

Contagem capacita inspetores da vigilância sanitária

O objetivo da ação é nivelar os inspetores

A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, promoveu nessa terça-feira (27), a capacitação para os inspetores da Vigilância Sanitária. O objetivo da ação, promovida pela Superintendência de Vigilância em Saúde, é nivelar os inspetores.

O diretor da Vigilância Sanitária, Rodrigo Torres, destacou a importância do curso. “Contagem tem o corpo técnico de inspetores mais qualificados de Minas Gerais. A capacitação visa mantermos essa posição  de destaque em nosso trabalho”.

Essa é a primeira fase da capacitação que termina nessa quinta-feira (29). O diretor da área médica da Secretaria de Saúde, Dr. Luiz Fernando Avelar dos Santos, ressaltou que a capacitação é um compromisso do governo. “O prefeito Alex de Freitas tem como prioridade a saúde, e entre as ações determinantes está a capacitação constante dos profissionais”, concluiu Luiz Fernando.

Atualmente, Contagem conta com 43 inspetores divididos em quatro grupos, três de alta complexidade e uma de baixa complexidade.  A alta complexidade atua na aprovação de projetos, cadastramento, licenciamento e fiscalização de indústrias que produzem medicamentos, cosméticos, perfumes  entre outros.

Já a baixa complexidade atua no mapeamento de todos os estabelecimentos e locais possíveis de atuação de vigilância sanitária. Cadastramento, licenciamento e fiscalização dos estabelecimentos de serviços tais como: lanchonetes, barbearias, salão de beleza, entre outros.

 

Repórter: Lucas Santos

Foto: Adelcio Ramos

Data: 28/06/2018

Cerest promove ação contra o Trabalho Infantil

Você sabia que o trabalho infantil é crime? A partir desta premissa, a Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria de Saúde (SMS), promoveu nesta terça (26) no Centro de Consultas Especializadas Iria Diniz, uma mobilização e sensibilização contra o trabalho infantil. O ato teve como objetivo conscientizar a população sobre esse crime que acomete cerca de 168 milhões de crianças em todo o mundo.

As atividades da saúde, realizadas entre os dias 19 e 26 de junho, pelo Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), junto às unidades de saúde, escolas municipais, conselhos entre outros promoveu debate e sensibilização para o combate ao trabalho infantil.

É considerado trabalho infantil, no Brasil, aquele realizado por crianças ou adolescentes com idade inferior a 16 anos, a não ser na condição de aprendiz, quando a idade mínima permitida passa a ser de 14 anos.

É obrigatório, no entanto, o ensino dos quatro aos 17 anos, de acordo com o artigo 208 da Constituição da República Federativa do Brasil e artigo 4º da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9.394/96)

O Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil é celebrado anualmente em 12 de junho. Esta data foi criada por iniciativa da Organização Internacional do Trabalho, uma agência vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU), em 2002.

 

Repórter: Jaiderson Henrique (sob supervisão de Lucas Santos)

Foto: Fátima Brant

Data: 26/06/2018

 

Prefeitura retoma entrega de sapatos ortopédicos para pacientes com mobilidade reduzida

Após cinco anos parados, a Saúde do município retomou a linha de órtese, prótese e meios de locomoção

 

José Adilson Pimenta, 68 anos, tem dificuldades de mobilidade devido a um quadro de diabetes. Foi recomendado ao morador da região do Nacional um sapato ortopédico, para melhorar a pisada e diminuir as dores nas costas. José Adilson foi encaminhado para o Centro de Consultas Iria Diniz e na última quarta-feira (20), recebeu o esperado sapato ortopédico.

A ação foi uma realização da Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Após cinco anos parados, a Saúde do município retomou a linha de órtese, prótese e meios de locomoção que atende usuários com mobilidade reduzida. Na primeira etapa, 12 usuários foram contemplados.

Ele reside no bairro Jardim Alvorada, região caracterizada por morros, o que dificulta a locomoção de José Adilson. Ele não escondeu a alegria de receber o calçado ortopédico. “Melhorou demais a minha vida, nunca tive um sapato desses, facilita minha caminhada e diminuiu as dores nas costas”.

A referência técnica da Reabilitação da SMS, Renata Schettino revelou que alguns usuários esperavam há mais de cinco anos. “Por problemas de fornecimento, desde 2013, a Prefeitura de Contagem não realizava a entrega dos sapatos ortopédicos”, destacou Renata.

 

Repórter: Lucas Santos

Foto: Fábio Silva

Data: 25/06/2018

Saúde se prepara para combater e prevenir a doença Esporotricose

A esporotricose é uma micose tratável que pode afetar animais e humanos

 

Após os avanços de casos de Esporotricoses, em todo o país, Contagem se prepara para combater e prevenir a doença. Nessa sexta-feira (15), a Secretaria de Saúde realizou uma reunião com o objetivo de debater o tema. Participaram do encontro agentes de saúde, controle de zoonoses e representantes da epidemiologia.

A esporotricose é uma micose tratável, que pode afetar animais e humanos, cujos sintomas manifestam-se principalmente nos gatos. A médica veterinária da Secretaria de Saúde, Maria Helena Franco Morais, destacou que trata-se de uma patologia recente. “É uma doença que começou ganhar força no fim dos anos 90, doença nova com características novas, que estamos aprendendo diariamente com ela”, concluiu a veterinária.

O diretor de Vigilância e Controle de Zoonoses da Secretaria de Saúde, José Renato, explica que as medidas de controle da esporotricose estão baseadas na educação e na mobilização da população. Ele ressalta, que o diagnóstico no animal é muito importante. Além disso, os animais que contraíram a doença devem sem imediatamente tratados à base do Itraconazol.

“É importante destacar que os animais ou as carcaças com suspeitas positivas ou confirmação da doença jamais deverão ser descartadas em lotes vagos ou mesmo no lixo comum, pois como o agente transmissor vive na terra, pode resistir por muitos anos no ambiente”, ressaltou José Renato.

Representantes em Brasília
A ação em Contagem acontece após representantes da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participarem da 1ª Oficina para Estruturação de Vigilância e Controle das Micoses Sistêmicas. O encontro promovido, dos dias 7 e 8 de junho, pelo Ministério da Saúde teve como intuito de tratar da doença, que segundo dados preliminares apontam um possível crescimento no Brasil, entre os anos de 2015 e 2018.

Repórter: Lucas Santos
Foto: Fábio Silva
Data: 15/06/2018