Posts com a Tag ‘Organização Mundial da Saúde (OMS)’

Centro Materno Infantil cada vez mais estruturado para a função de Hospital Amigo da Criança

Complexo Hospitalar de Contagem é avaliado por representantes do Ministério da Saúde, que apontam avanços em relação à última visita, em 2015

O Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus está recebendo a visita de duas representantes do Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), para avaliação da Maternidade Municipal de Contagem no que diz respeito às diretrizes da Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC). Promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o IHAC tem o objetivo de incentivar o aleitamento materno e reduzir os índices de mortalidade infantil.

Os critérios avaliados baseiam-se na Portaria nº 1.153, de 22/5/2014, que institui a IHAC como estratégia de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno e à saúde integral da criança e da mulher no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Os Hospitais Amigos da Criança recebem incrementos financeiros para os procedimentos de assistência ao parto e atendimento ao recém-nascido em sala de parto.

O parecer para a manutenção da habilitação em Contagem não será emitido na visita. Porém, no julgamento da presidente da Comissão de Aleitamento Materno do CMI, Kátia Fonseca, o hospital foi bem avaliado. “A visita épositiva. Elas nos parabenizaram por muitas coisas que são feitas aqui. Evidentemente, teremos que melhoraralgumas. Mas a avaliação foi muito positiva. A IHAC é um selo de qualidade que vai mostrar para a comunidade e para a as mãe que o CMI é um centro de excelência, onde elas podem contar com boas práticas no parto e nascimento, oferta e orientações sobre aleitamento materno”, afirma Kátia. Ela é enfermeira neonatologista, integrante de várias comissões no CMI e plantonista no CTI neonatal.

Ela destaca que a maternidade tem como norma e compromisso seguir o acordo mundial da Unicef/OMS de 1992 e o parecer jurídico do MS nº 62/1994, de não receber nenhuma doação, gratificação ou ajuda financeira que venha da indústria de leites infantis artificiais (fórmulas lácteas), mamadeiras e chupetas, entre outras normas similares. “Também garantimos a permanência da mãe e do pai junto ao recém-nascido 24 horas por dia na unidade neonatal, com livre acesso a ambos, ou, na falta desses, ao responsável legal pela criança”, aponta Kátia.

A avaliação ocorre no momento em que o CMI vem aumentando a capacidade de atendimento. Em 2017 foram feitos 3.838 partos, 629 a mais que em 2016 (3.209 procedimentos). De janeiro a setembro de 2018 foram 3.639 partos. Também está sendo registrada uma evolução na capacidade de atendimento nas linhas de cuidado em neonatologia e pediátricos/Saúde da Criança: as 97 vagas ofertadas em 2017 aumentaram para 187, crescimento de cerca de 92%.

O IHAC tem o objetivo de incentivar o aleitamento materno e reduzir os índices de mortalidade infantil

O IHAC tem o objetivo de incentivar o aleitamento

materno e reduzir os índices de mortalidade infantil

Redução da mortalidade

Estudos científicos apontam que o aleitamento materno é o principal responsável pela redução da morbidade e a mortalidade infantil. Em função disso, a OMS e a Unicef idealizaram a IHAC em 1990, para apoiar, proteger e promover o aleitamento materno por meio de normas e rotinas que o incentivem. “A IHAC busca reduzir a morbimortalidade infantilbaseado no fato de que bebês que mamam no peitoexclusivamente durante seis meses têm menos chance de ter doenças, alergias e de morrer antes de completar um ano de idade. Além disso, com o aleitamento materno a mãe tem melhorias na saúde, com menos risco de morte e de sangramento ou hipotonia (diminuição do tônus muscular)”, complementa Kátia.

Por determinação da Portaria nº 1.153, a avaliação presencial dos Hospitais Amigos da Criança devem ocorrer a cada três anos. A última no CMI tinha sido feita em 2015. “Na ocasião fomos aprovados em todos os passos, só precisamos ter mais cuidado com a questão do contato pele a pele na sala de parto”, ressalta Kátia.

Na avaliação deste ano o resultado não foi diferente. “Todos os dez passos estão sendo atendidos. Evidentemente, sempre há o que melhorar. O Cuidado Amigo da Mulher foi muito elogiado pelas avaliadoras. A gente teve uma menção honrosa neste sentido. Muitas instituições têm dificuldade de manter essas práticas”,afirma a presidente da Comissão de Aleitamento Materno do CMI.

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Elvira Angel

Data: 18/12/2018

Seja um doador e ajude a salvar vidas

Doar sangue é um ato de solidariedade humana, que ajuda a salvar milhares de vidas todos os dias. No próximo domingo (25), é comemorado o Dia Nacional do Voluntário Doador de Sangue com o objetivo de informar e conscientizar a população sobre a importância de ser um doador de sangue, além de homenagear àqueles que através de um gesto simples salvam vidas.

Estabelecida através do Decreto de Lei nº 53.988, a data coincide com fundação da Associação Brasileira de Doadores Voluntários de Sangue, assinada pelo presidente Castello Branco, de 30 de junho de 1964. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é necessário seguir algumas regras para doar sangue.

Seja você também um doador. Ajude a salvar vidas!

Quem pode doar
• Homens e mulheres;
• Ter entre 16 e 68 anos;
• Ter acima de 50 quilos;
• Não ter Hepatite B, Hepatite C, Doença de Chagas, Sífilis, HIV (AIDS), HTLV;
• Estar bem alimentado e descansado;
• Se estiver gripado, esperar no mínimo sete dias para poder doar sangue;
• As grávidas devem esperar entre 90 e 180 dias após o parto para doar sangue;
• Após uma doação de sangue as mulheres devem esperar 90 dias para voltar a doar, enquanto que os homens devem esperar no mínimo 60 dias.

Serviço
Hemominas BH
Endereço: Alameda Ezequiel Dias, 321 – Bairro: Santa Efigênia – Cep: 30130110
Telefone: (31) 3768-4515 / (31) 3768-4572
Coleta: Segunda a sábado – 7h às 18h.
Agendamento: 155 – opção 1

 

Repórter: Ágatha Dumont (sob supervisão de Lucas Santos)

Foto: Divulgação

Data: 23/11/2018

Vacinas do Calendário Nacional de Vacinação seguem disponíveis em unidades de saúde de Contagem

Nova campanha do Ministério da Saúde traz histórias reais para alertar sobre importância da vacinação e consequências da não-vacinação. Além das vacinas do Calendário Nacional, vacina contra a Febre Amarela também disponível nas salas de vacina do município

“Porque contra o arrependimento… não existe vacina”. Sob esse mote, o Ministério da Saúde (MS) está promovendo uma campanha publicitária que traz histórias impactantes e reais para alertar a população quanto à importância da manutenção da atualização das vacinas e, também, mostrar as consequências da não-vacinação. As baixas coberturas vacinais encontradas atualmente podem ser perigosas, já que abrem caminho para a reintrodução de doenças já eliminadas no país que podem até matar.

Por isso, os cartões de vacina de crianças e adultos devem estar sempre atualizados, independentemente de campanhas de vacinação: afinal, essa atitude contribui com a saúde da pessoa que fica imunizada e para não deixar que doenças evitáveis com vacinas voltem. E contra o arrependimento… não há vacina!

Em Contagem, todas as vacinas ofertadas no Calendário Nacional de Vacinação (clique AQUI para ver o Calendário) seguem disponíveis nas 52 salas de vacinação do município (clique AQUI para ver os endereços).

De janeiro a setembro de 2018, no município, foram aplicadas 507.721 doses, ao todo, considerando as campanhas contra o Sarampo (em relação à qual o município atingiu a meta de vacinação de 95% das crianças do público-alvo contra o Sarampo e a Poliomielite. Mais de 30 mil crianças foram imunizadas contra essas doenças) e contra a Influenza e, ainda, a vacinação de rotina que acontece nas unidades de saúde durante todo o ano.

Segundo o Ministério da Saúde (MS), os últimos dois anos (2016 e 2017) registram queda na cobertura vacinal a nível nacional, o que aumenta o risco de reintrodução de doenças já eliminadas ou erradicadas no país, como a Poliomielite, Sarampo e Rubéola – em suas formas mais graves, doenças que podem incapacitar ou até matar. Além disso, ainda segundo o MS, dados preliminares (até agosto de 2018) apontam para uma cobertura vacinal de crianças menores de dois anos em torno de 50% e 70% (o MS preconiza a cobertura acima de 90% ou 95%, a depender da vacina).

Vacina contra a Febre Amarela disponível nas salas de vacina do município

A vacinação contra a Febre Amarela sendo feita em todas as salas de vacina do município, como vem ocorrendo durante o ano inteiro. Desde abril de 2017, o MS adota o esquema de dose única da vacina, conforme recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS). A indicação para a vacinação contra Febre amarela, de acordo com o MS, são as pessoas que têm entre 09 meses e 59 anos de idade que não tenham comprovação de vacinação.

Documento de identificação e cartão de vacinação para avaliação de necessidades individuais de atualização de vacinas

A assessora na Central de Imunização Fernanda Elisa Ferreira de Almeida, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Contagem, reforça que “as pessoas devem procurar por uma unidade de saúde munidas do documento de identidade e o cartão de vacinas, para que os profissionais de saúde avaliem qual a necessidade de vacinação caso a caso. E se o cidadão tiver qualquer tipo de problema de saúde, deve informar ao profissional de saúde”.

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Divulgação

Data: 14/11/2018

Setembro Amarelo: Vencer na vida é viver

Cerest Contagem, que presta assistência especializada a todo trabalhador e trabalhadora acometido por doenças físicas ou psicológicas relacionadas ao trabalho e que necessite de atendimento, tratamento, ou, ainda, que tenha se envolvido em algum acidente de trabalho, reafirma a valorização da vida

O mês de setembro marca a chegada da primavera e, com ela, a expectativa de renovação para florescer a esperança nos corações. Não por acaso, o mês é uma ocasião propícia para celebrar e valorizar a vida, principalmente junto àqueles que estão enfrentando tristezas atrozes e dificuldades de encontrar motivos e respostas para viver. Preste atenção às pessoas do seu entorno: pode ser que alguém ali precise de ajuda para enfrentar tristezas, que fazem parte do ciclo da vida, tão grandes que fazem o indivíduo cruzar uma perigosa fronteira que pode aniquilar o desejo de viver.

No Brasil, país signatário do Plano de Ação em Saúde Mental lançado em 2013 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), comemora-se desde o ano de 2014 o “Setembro Amarelo”: trata-se de uma campanha que tem o objetivo de conscientizar a sociedade quanto à importância da prevenção do suicídio.

De acordo com dados da OMS de 2014, mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida por ano, sendo essa a segunda maior causa de mortes entre jovens de 15 a 29 anos. No Brasil, segundo dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade de 2017, em média, 11 mil pessoas tiram a própria vida por ano. O alerta para os altos índices de suicídio no mundo tem até um dia específico instituído pela OMS, 10 de setembro, data que marca o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. A data busca sensibilizar e conscientizar a população sobre os altos índices de suicídio no mundo e pontuar que essas mortes podem ser prevenidas.

E quando se fala de saúde mental, é preciso incluir nessas discussões os temas relacionados ao trabalho, fonte de criação e reafirmação de identidade e um dos fatores determinantes da saúde. “O nosso trabalho é lugar onde passamos o maior tempo de nossa vida, com colegas, amigos e gestores, falamos da nossa família, dos desejos, conquistas. O trabalho é lugar de vida”, afirma a especialista em Saúde do Trabalhador e diretora do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), Fátima Caldeira Brant.

Em Contagem, para os casos em que o trabalho está gerando sofrimento para além da conta, as pessoas podem procurar pelo Cerest, que integra a rede SUS da cidade e atende a trabalhadores formais e informais, do setor público ou privado.

O Cerest é integrado à Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do município e presta assistência especializada a todo trabalhador e trabalhadora que resida nos municípios de Contagem, Ibirité e Sarzedo e esteja acometido por doenças físicas ou psicológicas relacionadas ao trabalho e que necessite de atendimento, tratamento, ou, ainda, que tenha se envolvido em algum acidente de trabalho.

Para acessar esses serviços, o trabalhador que apresente algum sintoma de doenças físicas ou psicológicas relacionadas às atividades do trabalho em que atua deve primeiro procurar por uma Unidade Básica de Saúde (UBS), que por sua vez fará o referenciamento ao Centro de Referência em Saúde do Trabalhador. O Cerest está localizado à avenida Pedro Olímpio da Fonseca, nº 545, no bairro Santa Cruz. O telefone é 3351-6130/6132. Atendimento: segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

O melhor está por vir. Acredite!

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Divulgação

Data: 11/09/2018

Vacinação contra Poliomielite e Sarampo é prorrogada até dia 14/9

Em Contagem, 51 salas de vacinação seguem aplicando as vacinas de segunda a sexta-feira

 

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo foi prorrogada até o dia 14/09, e a população terá mais duas semanas para buscar as duas vacinas na rede pública de saúde. O sarampo e a poliomielite são doenças contagiosas que podem ser prevenidas pelas vacinas. Em casos graves, ambas podem matar.

A orientação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é de que todas as crianças de um a quatro anos, 11 meses e 29 dias de idade (ou seja, de um a menos de cinco anos de idade) sejam encaminhadas aos postos de saúde para tomar as vacinas, que protegem contra o sarampo e a paralisia infantil.

A campanha de vacinação tem por objetivos vacinar quem nunca tomou essas vacinas, completar todo o esquema de vacinação de quem não tomou todas as vacinas e dar uma dose de reforço para quem já se vacinou completamente. Em Contagem, todas as 51 salas de vacinação do município seguirão aplicando as vacinas, de segunda a sexta-feira, das 7h às 16h30 (clique AQUI e veja os endereços)

Salas de vacinas abertas até mais tarde

E para intensificar a campanha, nesta terça, quarta e quinta-feira (4, 5 e 6/9), 15 salas de vacinação irão operar com extensão de horário e permanecerão abertas das 7h às 20h, para que aqueles pais que ainda não conseguiram levar seus filhos para vacinar tenham a oportunidade de imunizá-los (lista de endereços clique aqui). De acordo com a Coordenação da Atenção Básica do município, as salas que permanecerão abertas até mais tarde estão localizadas em pontos estratégicos, de fácil acesso e com cobertura de diferentes linhas de ônibus.

Vacinação nas escolas

Paralelamente a isso, a SMS, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Seduc), vai disponibilizar as vacinas contra a Poliomielite e o Sarampo em 44 Unidades Municipais de Educação Infantil (Umei) e 26 creches conveniadas. A previsão é de que a vacinação nas próprias escolas tenha início já segunda-feira que vem (10/9) e se estenda até 14/9, fim do prazo da prorrogação da campanha pelo MS.

Para que as crianças sejam vacinadas nas próprias escolas, os familiares deverão autorizar previamente essa imunização, em termos de autorização que serão enviados pelas escolas e que serão distribuídos aos alunos entre hoje e amanhã. As autorizações deverão ser devolvidas às escolas até quinta-feira (6/9). Os profissionais que aplicarão as vacinas serão designados pela SMS.

Vacinação é importante para ações de erradicação dessas doenças

Segundo o Ministério da Saúde (MS), o último caso de poliomielite no Brasil ocorreu em 1989. A poliomielite foi responsável por danos irreparáveis em milhares de crianças no mundo, e ações de prevenção e controle, em especial a vacinação, contribuíram para que em 1994 o Brasil recebesse da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) a certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem do seu território, juntamente com os demais países das Américas. Contudo, a doença permanece endêmica no Afeganistão, Nigéria e Paquistão. Já em relação ao Sarampo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), casos têm sido reportados em várias partes do mundo, apesar dos esforços empreendidos desde o início do programa de eliminação da doença.

Faça a sua parte! Proteja sua família e não deixe essas doenças voltarem!

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Divulgação

Data: 04/09/2018

Sábado é Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais

Instituída pela OMS, data chama a atenção para a importância do combate à doença

Neste sábado, dia 28 de julho, é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a partir da iniciativa e de propostas brasileiras. A data tem o objetivo de chamar a atenção para a prevenção e o enfrentamento das hepatites virais.

Existem diversos tipos de vírus de hepatite, uma doença que pode causar a infecção crônica do fígado e vir a se tornar um câncer. As hepatites A e E são transmitidas principalmente por comida e água contaminadas. Já as hepatites B e C podem ser transmitida por via sexual, sangue contaminado e verticalmente (da mãe para o bebê durante a gravidez ou parto). A hepatite D só infeta pessoas já infetadas com hepatite B.

A inflamação no fígado provocada pela hepatite pode ser causada não só pelo vírus da doença, mas também por uso de alguns remédios, álcool e drogas e ainda por doenças autoimunes, metabólicas e genéticas. Entre os sintomas da hepatite estão sensações de mal-estar, dor abdominal, febre baixa, dor de cabeça, fadiga, vômitos e pele amarelada.

As hepatites A e B podem ser prevenidas com vacinação e fazem parte do Calendário Nacional de Vacinação do Sistema Único de Saúde (SUS), sendo a vacina contra a hepatite A disponibilizada para crianças menores de cinco anos e a vacina contra a hepatite B, para todas as idades.

Procure sua unidade de saúde de referência e atualize seu cartão de vacina!

Prevenção
Além da imunização contra os tipos da doença para os quais existem vacinas, há várias outras medidas que podem evitar a transmissão das hepatites virais:

– Usar preservativo em todas as relações sexuais;
– Exigir materiais esterilizados ou descartáveis em estúdios de tatuagem e de piercing;
– Não compartilhar instrumentos de manicure e pedicure e outros instrumentos perfurocortantes, como lâminas de barbear ou de depilar de outras pessoas e agulhas, seringas e equipamentos para drogas inaladas e pipadas, como o crack.

Previna-se!

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Divulgação

Data: 27/07/2018

Vem aí a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo

Público-alvo são crianças de um ano a menos de cinco anos. Meta do Ministério da Saúde é de imunizar 95% desse grupo.

 

De 6 a 31 de agosto, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), juntamente com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) e o Ministério da Saúde (MS), irá realizar a campanha de vacinação contra a poliomielite e o sarampo. A campanha ocorrerá em todo o país, com a mobilização nacional do Dia D sendo realizada em 18 de agosto, um sábado. Em Contagem, as vacinas estão disponíveis em 51 salas de vacinação espalhadas por todo o município (clique AQUI e veja os endereços). As salas funcionam das 8h às 16h30.

O público-alvo desta campanha são as crianças de um ano a menos de cinco anos, que devem ser vacinadas contra poliomielite e sarampo. A meta do MS é de vacinar 95% desse grupo (crianças de 1 ano até 4 anos, 11 meses e 29 dias ) para ambas as doenças. De acordo com o MS, o objetivo é o de manter elevada a cobertura contra poliomielite nos municípios, bem como vacinar os menores de cinco anos de idade contra o sarampo e a rubéola, mantendo o estado de eliminação dessas doenças no país e evitando a manutenção ou formação de bolsões de não-vacinados.

Em Minas Gerais, ao mesmo tempo, também será feita a Campanha de Multivacinação, para a atualização do cartão de vacinas, com base no Calendário Nacional de Vacinação (clique AQUI para conferir o calendário).

A assessora da Central de Imunização da SMS, Fernanda Elisa Ferreira de Almeida, reforça o papel dos pais na persecução dessa meta: “Os pais e responsáveis, que são muito importantes para o processo de manutenção da eliminação dessas doenças, devem buscar os serviços de vacinação com suas as crianças, levando a caderneta de vacinação para avaliação e registro”.

Vacinação é importante para ações de erradicação dessas doenças

Conforme o MS afirma, o último caso de poliomielite no Brasil ocorreu em 1989. A poliomielite foi responsável por danos irreparáveis em milhares de crianças no mundo, e ações de prevenção e controle, em especial a vacinação, contribuíram para que em 1994 o Brasil recebesse da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) a certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem do seu território, juntamente com os demais países das Américas. Contudo, a doença permanece endêmica no Afeganistão, Nigéria e Paquistão. Já em relação ao Sarampo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), casos têm sido reportados em várias partes do mundo, apesar dos esforços empreendidos desde o início do programa de eliminação da doença.

No Brasil, as campanhas contra poliomielite foram iniciadas em 1980, e as campanhas contra o sarampo, em 1995, com a vacinação de população-alvo específica que, na grande maioria das vezes, abrange as crianças de um a quatro anos de idade.

O MS afirma que a campanha contra poliomielite e o sarampo é uma oportunidade adicional para captar indivíduos não vacinados ou aqueles que não obtiveram resposta imunológica satisfatória à vacinação, minimizando o risco de adoecimento desses indivíduos.

Em Contagem, segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divepi) da SMS, não são registrados casos confirmados de poliomielite ou sarampo desde o ano de 2001, data a partir da qual há dados disponíveis para consulta no banco de dados do MS.

Esquema vacinal da poliomielite (somente crianças):
– VIP (Vacina Inativada de Poliomielite) aos 2, 4 e 6 meses;
– reforços com VOP (Vacina Oral da Poliomielite) aos 15 meses e com 4 anos.

 Esquema vacinal contra o sarampo:
– crianças: uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses (a tetra viral) de idade;
– até os 29 anos: duas doses, podendo ser da tríplice ou tetra viral;
– dos 30 aos 49 anos: dose única, podendo ser da tríplice ou tetra viral.

Não devem receber a vacina:
– casos suspeitos de sarampo;
– gestantes, que devem esperar para serem vacinadas após o parto. A recomendação do MS para as mulheres que planejam engravidar é de que seja feito um exame de sangue para verificar se já estão imunes à doença. Se não estiverem, essas mulheres devem se vacinar um mês antes da gravidez;
– menores de 6 meses de idade;
– imunocomprometidos.

Atenção: a criança, o adolescente e o adulto até 29 anos de idade devem receber duas doses da vacina contra o sarampo. Se houve vacinação de 12 e 15 meses, não é preciso receber outras doses. Mas, se a pessoa recebeu só uma dose nesse período, é necessário atualizar a situação vacinal, seja na fase adolescente ou adulta. Para quem tem 30 a 49 anos de idade e não tomou nenhuma dose da vacina, é preciso receber uma dose única. Quem já tomou duas doses durante a vida, da tríplice ou da tetra, não precisa mais receber a vacina. A criança sem confirmação de qualquer dose deve receber duas doses, com intervalo mínimo de um mês. No caso dos adultos que não se lembram se já foram vacinados, se não há comprovação de vacinação nas faixas indicadas, também há necessidade de receberem a vacina. Quem comprovar a vacinação contra o sarampo conforme preconizado para sua faixa etária não precisa receber a vacina novamente. A vacinação contra o sarampo é a única maneira de prevenir a doença.

A caderneta de vacinação é um documento pessoal muito importante e deve ser guardada por toda a vida!

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Divulgação

Data: 18/07/2018