Posts com a Tag ‘Complexo Hospitalar de Contagem (CHC)’

Com abertura de leitos pela Prefeitura, internações pelo SUS aumentam 54% em Contagem

 

São feitos investimentos desde o início de 2017 em mais estrutura do Complexo Hospitalar

Jéssika Bruna de Lima e Lais Stefane têm 26 anos e histórias semelhantes. Recentemente, ambas tiveram filhos no Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, que faz parte do Complexo Hospitalar de Contagem. Nos dois casos, os bebês nasceram prematuros e estão internados na ala neonatal. A única diferença é que Jéssika, que mora em São José da Varginha, está alojada no CMI para acompanhar o dia a dia das filhas gêmeas, enquanto Lais, moradora do bairro Colonial, em Contagem, apenas passa o dia no Centro Materno ao lado da sua pequena.

As duas mamães têm outra coisa em comum: elas estão muito satisfeitas com a estrutura e o tratamento que estão recebendo no CMI. E as estatísticas comprovam a satisfação de pacientes e familiares com os resultados dos investimentos feitos pela Prefeitura de Contagem no Complexo Hospitalar desde o início de 2017. De acordo com o Departamento de Informática do SUS (DataSUS), em 2016 foram registradas 12.440 internações pelo Sistema Único de Saúde em Contagem, incluindo o Hospital Municipal José Lucas Filho, o CMI e os leitos conveniados no Hospital Santa Rita. No ano seguinte a quantidade de internações subiu para 16.325 e para 19.161 em 2018.

No comparativo entre 2016 e 2018, o aumento das internações pelo SUS, com a ampliação de leitos hospitalares, foi de 54% em Contagem. O Município, portanto, está na contramão da tendência nacional. Segundo levantamento do Conselho Federal de Medicina divulgado em 2018, nos últimos oito anos mais de 34,2 mil leitos de internação foram desativados na rede pública em todo o país. Eram 336 mil leitos para uso exclusivo do SUS em 2010, número que caiu para 301 mil em 2018. A média é de 12 leitos fechados por dia no período analisado.

Os leitos de internação são destinados a quem precisa permanecer no hospital por mais de 24 horas. A redução destes leitos pode provocar atrasos em diagnósticos e no início de tratamentos, elevando o tempo de internação de pacientes em emergências e o risco de contrair doenças e infecções.

Gratidão

Jéssika acompanha as filhas gêmeas há cinco meses no CMI. “Elas nasceram com 24 semanas e quatro dias, mais ou menos cinco meses de gestação. O atendimento que a gente tem aqui é ótimo. As equipes nos tratam como se fôssemos da família. Eu acho que aqui é uma referência para parto de prematuro. Não falo só por mim. A gente poder contar com esse amparo do sistema público de saúde faz toda a diferença na vida dos nossos filhos que estão internados. Como poderíamos pagar por todas as cirurgias e procedimentos? Como conseguiríamos pagar diárias de CTI?”, ressalta. Lais acompanha a filha há dois meses. “Minha filha nasceu de 26 semanas, quando eu ia completar seis meses de gestação. Sou muito grata à equipe deste hospital por ela estar viva”.

 

Paulo Gregório está internado no Complexo Hospitalar se recuperando de um problema cardíaco

 

R$ 310 milhões de recursos municipais destinados à Saúde em dois anos

Por trás da ampliação de leitos e internações pelo SUS em Contagem estão investimentos em ciência e tecnologia, pessoal, equipamentos e reestruturação física do Complexo Hospitalar. A Superintendência de Planejamento, Orçamento e Finanças da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) aponta a destinação de 28,51% de todos os recursos próprios da Prefeitura em 2018, o que corresponde a quase R$ 310 milhões.

 

Recursos que salvam vidas, como a de Paulo Gregório de Assis. Ele mora no bairro Monte Sinai, na divisa de Contagem com Esmeraldas, e completou 50 anos, em 12 de fevereiro, internado na enfermaria do Hospital Municipal, após sofrer arritmia cardíaca. “Foi a primeira vez que precisei ficar internado. O pessoal aqui é muito atencioso comigo. O tratamento é bom, mas já estou me sentindo bem e quero ir para casa assim que possível. Não quero voltar, é melhor dar lugar para outro”, brinca Paulo.

Continuidade

O superintendente do Complexo Hospitalar de Contagem, João Pedro Laurito Machado, reforça que o aumento das internações ocorre em um contexto de adequações, sem que o atendimento à população seja prejudicado. “O aumento verificado nas internações se deve não somente à reabertura de leitos de CTI, de novos leitos de enfermaria, do novo Centro de Trauma e de mais salas cirúrgicas. Também é reflexo da implementação de uma filosofia que busca humanizar ambientes, adequando-os à legislação e oferecendo mais conforto a pacientes e servidores. Essa filosofia terá continuidade com a chegada do Instituto de Gestão e Humanização (IGH), que desde janeiro deste ano administra o Complexo Hospitalar e as Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) em parceria com a Administração Municipal. Em janeiro houve recorde histórico de internações no CTI do Hospital Municipal”, afirma.

Foram feitos investimentos nos serviços de urgência e emergência e na média complexidade. Em 2017 e 2018 o Complexo Hospitalar recebeu cerca de R$ 6 milhões em melhorias no parque tecnológico, reestruturações de processos e escalas.

No início de 2017, dez leitos de CTI foram reabertos e o Complexo passou a contar com 28 leitos. Em se tratando de todos os tipos de leitos hospitalares, a quantidade saltou dos 199 para 360. Com o novo Centro de Cirurgia e Traumatologia, inaugurado no início de 2018, o Complexo Hospitalar passou a contar com oito salas cirúrgicas, dobrando a capacidade. A enfermaria cirúrgica, para onde as pessoas operadas são encaminhadas para recuperação, também foi ampliada e atualmente conta com 60 leitos, mais que o dobro de 2017.

Recursos também foram destinados à assistência materno-infantil. Em agosto de 2017 foi iniciada a transferência da enfermaria pediátrica, do CTI neonatal e da UCI/CTI pediátrica, do Hospital Municipal para o Centro Materno Infantil, que até então funcionava com apenas 30% de sua capacidade e passou a oferecer toda a sua estrutura à população. Salas de pré-parto, parto e puerpério (PPP) foram abertas e foi inaugurado o Pronto-Atendimento Infantil. Além disso, a Casa de Apoio à Gestante e Puérpera (Cagep) passou a funcionar em um local muito mais apropriado.

Reporter: Carolina Brauer

Fotos: Fábio Santos

Data: 15/02/2019

A música traz o sorriso às vésperas do Natal no Complexo Hospitalar

Emoção, lágrimas e sorrisos marcaram a tarde desta quinta

A música consegue nos fazer viajar em um turbilhão de sentimentos. E nessa viagem, o Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), composto pelo Hospital Municipal José Lucas Filho (HMC) e Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, recebeu mais uma ação do projeto “Adote um leito” nessa quinta-feira (20).

A ação tem como objetivo trazer para as pessoas que estavam internadas um sorriso diferente, bem como a entrega de presentes e kits de higiene pessoal. Ana Maria, mãe de uma criança que estava internada no Centro Materno Infantil (CMI) ficou emocionada ao ver sua filha receber tamanho carinho. “ A gente vai ficar até depois do natal, mas o sorriso dela me emociona”, concluiu.

A funcionária da Humanização Rejane Fernandes Braga idealizadora do projeto “Adote um leito”  busca com outros funcionários proporcionar um pouco de alegria às crianças, mães e usuários que estão internados no complexo. “Os olhos marejados e o coração batendo forte são a recompensa maior que tenho”, disse.

“Emocionante essa ação. Esse grande momento é a união do trabalho de todos que abraçaram essa ideia, amigos, pessoas que ligam para ajudar. Humanização é isso, abraçar e acolher o outro”, destacou Rejane.

Já para Angela Maria de Souza Sobral, pastora e coordenadora da Capelania Vida, que leva a sonoridade aos leitos e uma palavra de amor nos momentos mais difíceis, “ o amor de Deus é capaz de mover o coração das pessoas e o resultado são essas lágrimas”, relatou.

 

Repórter: Jaiderson Henrique (sob supervisão de Lucas Santos)

Foto: Elvira Angel

Data: 21/12/2018

Servidores do Hospital Municipal recebem treinamento de prevenção a acidentes e doenças no trabalho

O treinamento está sendo ministrado por Técnico em Segurança do Trabalho e Medico do Trabalho, do Centro de Referencia da Saúde do Trabalhador (Cerest/Contagem)

Nessa última quarta-feira (21), servidores do Complexo Hospitalar de Contagem, que fazem parte do Grupo de Apoio à Saúde e Segurança do Trabalhador (Gassmat), iniciaram o treinamento de NR-5 (saúde do trabalhador), assemelhando a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). O treinamento será feito durantes os dias 21, 22 e 23 de novembro, no auditório do Centro Materno Infantil.

O treinamento está sendo ministrado por Técnico em Segurança do Trabalho e Médico do Trabalho do Centro de Referencia da Saúde do Trabalhador (Cerest/Contagem).

Através de palestras, vídeos e apostilas, os integrantes da Gassmat, se interam sobre os cuidados na prevenção de acidentes no seu setor de trabalho e também cuidados que devem ser tomados para com a saúde do trabalhador.

“A importância do treinamento é informar sobre os riscos presentes no ambiente de trabalho, e possibilitar que os servidores atuem na prevenção de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho”, destacou Túlio Zulato, médico do Trabalho do Centro de Referencia da Saúde do Trabalhador (Cerest/Contagem).

 

Repórter: Nelson Augusto

Foto: Elvira Angel

Data: 22/11/2018

Deficiente visual, telefonista do Complexo Hospitalar é atração em sessões de massagem

Uma das ações da programação da campanha Outubro Rosa que teve maior repercussão entre as servidoras foram as sessões de massagem feitas pela telefonista Viviane Oliveira da Silva

Uma das ações da programação da campanha Outubro Rosa no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) que teve maior repercussão entre as servidoras foram as sessões de massagem feitas pela telefonista Viviane Oliveira da Silva, de 35 anos. Muitas servidoras não conseguiram marcar um horário na manhã de quinta-feira (18), e as que tiveram a sorte de ser atendidas não pouparam elogios.

“Vivi, muito obrigada pela massagem e por tanto carinho! Você transmite muita paz e amor! Parabéns por ser quem você é!”, foi a mensagem de Gabriela Brasil, psicóloga do Hospital Municipal de Contagem (HMC). “Vivi e Neide, obrigada pela educação, carinho, dedicação na massagem. Adoro estar com vocês”, escreveu a técnica de Enfermagem Cíntia Diniz, referindo-se a Neide Aparecida Santiago, secretária do Centro de Estudos, que auxiliou Viviane nas sessões. “Adorei a massagem. Superrelaxante. Parabéns, meninas!”, deixou registrado Kátia Regina da Silva, da Coordenação de Enfermagem do Centro Materno Infantil (CMI).

A massagem é tão relaxante que uma das servidoras chegou a dormir na maca. “Tive que sacudir ela, quando acabou a sessão”, conta Viviane, sem, é claro, revelar o nome da “felizarda”. Essa foi apenas a segunda vez que a telefonista do CHC fez massagens nas colegas – a anterior foi na Semana do Trabalho, sempre por iniciativa do Setor de Humanização. “O pessoal gosta muito”, conta Viviane, que aprendeu a fazer massagem por conta própria. Somente depois de algum tempo, ela fez um curso específico.

Deficiente visual desde os 10 anos, Vivi, como é mais conhecida, começou a trabalhar no Complexo em 2005, no Recursos Humanos. Passou no Serviço Social e é telefonista há cerca de seis anos. Hoje, conhece a maioria das pessoas que trabalham no CHC assim que ouve o “alô”.

A perda da visão ocorreu devido ao descolamento da retina, primeiro no olho esquerdo e depois no direito, num período de um mês. “Na época, não fiquei pensando ‘Perdi a visão e agora?’”, conta Viviane. “Demorou um pouco para cair na real. Depois, fiquei três anos reclusa, não queria estudar, sair de casa… Aos poucos, fui aprendendo a fazer tudo sozinha. A gente nasce de novo: comer, se vestir, tomar banho… Foi um período difícil, mas fui me adaptando”, recorda Viviane.

Vivi estudou numa escola especial para deficientes visuais e desenvolveu diversas habilidades. Seu marido Wanderley também é deficiente visual e trabalha no serviço público, na área de saúde, em Betim, onde moram. Ela sai de casa por volta das 5h, já que tem de estar no CHC às 7h, e pega dois ônibus para fazer o trajeto. “Não tenho filhos por opção. Em casa, faço de tudo: cozinho, passo roupa, arrumo casa”, afirma a telefonista, que é um exemplo de superação para todos que a veem na rua, na sala da telefonista ou junto a uma maca de massagem.

 

Repórter: Eugênio Moreira

Foto: Eugênio Moreira

Data: 24/10/2018

Doulas recebem certificado e estão aptas para trabalho voluntário no CMI

O curso teórico, com 20 horas de duração, foi realizado de 4 a 8 de junho e, para aprovação final, as doulas tiveram de cumprir cinco plantões de 12 horas, para a parte prática

Numa cerimônia comovente, na tarde dessa quarta-feira (17), no auditório do Centro Materno Infantil (CMI), 20 doulas receberam o certificado de conclusão do curso de capacitação e agora estão aptas para exercer esse belo trabalho voluntário de assistência às gestantes no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC).

A entrega dos certificados foi feita pelo vice-prefeito de Contagem, William Barreiro; pelo vereador Capitão Fontes; pelo superintendente do CHC, João Pedro Machado; pela diretora do Centro Materno Infantil, Cristiane Rosalina de Oliveira; e pela psicóloga Cecília Magna Machado, coordenadora do programa Doulas Voluntárias.

“Fiz questão de vir aqui agradecer em nome de todas as mães e da equipe do Hospital”, afirmou o vice-prefeito William Barreiro. “Se todo mundo pudesse fazer como vocês, teríamos um mundo melhor. Equipes de pessoas boas trabalhando junto só podem dar coisa boa”. O vereador Capitão Fontes, que destinou verbas de emenda parlamentar para melhorar a infraestrutura de trabalho das doulas, também elogiou a dedicação das voluntárias: “Vocês estão de parabéns. O que fazem é um sacerdócio. Estou orgulhoso de poder participar desse programa”.

A diretora do CMI, Cristiane Rosalina, ressaltou a importância do trabalho voluntário das doulas: “As nossas gestantes têm agradecido por esse momento com vocês. Um pegar na mão, uma palavra, uma massagem, uma informação para o acompanhante fazem toda a diferença para elas. É um trabalho voluntário muito bonito”.

Num pronunciamento emocionado, a psicóloga Cecília Machado enalteceu a dedicação das recém-formadas. “Essas mulheres agregam duas grandes virtudes ao mesmo tempo: serem doulas e voluntárias. O voluntário é um cidadão consciente que doa seu tempo, trabalho e talento de maneira espontânea para o bem da coletividade. Na função de doulas, essas mulheres contribuem para a melhoria na qualidade da assistência, já que oferecem apoio contínuo às pacientes em trabalho de parto”, destacou.

As recém-formadas esbanjavam alegria pela conclusão do curso. “É inexplicável a satisfação da gente”, comenta Patrícia Elise Froeseler. Para ela, o maior prêmio, no entanto, vem das mulheres atendidas: “O retorno da gestante é muito bonito, muito gratificante”.

Sabrina Alves Raddatz já exercia a função, mas somente agora fez o curso no CHC. “Gosto muito de ser doula. Esse curso veio para me abrir as portas de um hospital público que não conhecia, de uma parte do SUS que funciona de forma maravilhosa”, afirmou.

Mãe do vereador Capitão Fontes, Floripes dos Santos Fontes é doula há quase 10 anos e fez o curso para se aprimorar. Ela resume bem o trabalho que exerce no Centro Materno Infantil: “É sempre prazeroso estar junto com essas mulheres que necessitam, passando confiança, segurança. É um privilégio também estar trabalhando aqui, num hospital de Primeiro Mundo”.

O curso teórico, com 20 horas de duração, foi realizado de 4 a 8 de junho e, para aprovação final, as doulas tiveram de cumprir cinco plantões de 12 horas, para a parte prática. A palavra doula vem do grego e significa “mulher que serve”. São mulheres que cuidam do bem estar físico e emocional das gestantes. Antes do parto, ela orienta o casal sobre os procedimentos e ajuda a futura mamãe a se preparar para esse momento tão especial. Durante o parto, a doula funciona como uma intermediária entre a equipe médica e o casal. Ela ajuda a parturiente a encontrar posições mais confortáveis para o trabalho de parto, fazer uma respiração correta e aliviar as dores. Após o parto, a doula visita a família e orienta quanto à amamentação e aos cuidados com o bebê. No CMI, o programa Doulas Voluntárias existe desde outubro de 2006.

DOULAS RECÉM-APROVADAS

Alessandra Aparecida dos Santos Barbosa
Amanda Caroline Barbosa de Oliveira
Araceli Rúbia Rodrigues Souza
Cleide Damiana Aires do Nascimento
Conceição Gonçalves Rodrigues
Diva de Fátima Gomes de Almeida
Emília Rodrigues Pereira
Fabiana Cristina Borges Cunha Silva
Fernanda Conrado Ferreira
Fernanda Rocha Magalhães de Carvalho
Gabriella Xavier Medina
Geralda da Conceição Pereira Santos
Geralda Maria Ferreira Carneiro
Iara Regina de Paula Santos
Ingrid Brune Silva
Kênia Vales Silva Lemos
Leila Abdul Khalek Piccinini
Leila Maria da Cruz
Lucimar Aparecida dos Santos
Maria da Conceição Barbosa
Marília de Oliveira da Silva Souza
Patrícia Elise Froeseler
Regina Alves Guimarães Torquetti
Rosângela de Souza Marcelino
Rosilene Aparecida da Silva
Sabrina Alves Raddatz
Shirlei Tieme Inaba da Fonseca
Silvana Aparecida Santos Rocha
Vera Lúcia Ferreira

DOULAS VETERANAS
Floripes dos Santos Fontes
Joana D’Arc Alves Arantes
Rosângela Maria Divina
Sônia Maria Silva de Melo
Dedilda Maria Silva Gomes

 

Repórter: Eugênio Moreira

Foto: Eugênio Moreira

Data: 22/10/2018

Servidoras esclarecem dúvidas sobre métodos contraceptivos no CHC

Evento está dentro da programação especial da campanha Outubro Rosa

Os vários métodos contraceptivos, suas vantagens, riscos e eficácia foram o assunto da palestra proferida pelo médico Wilton Braga de Oliveira Júnior para as servidoras do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) nesta quarta-feira (17), pela manhã, no auditório do Centro Materno Infantil, dentro da programação especial da campanha Outubro Rosa. As funcionárias aproveitaram a oportunidade para esclarecer diversas dúvidas sobre contracepção.

“Achei a palestra ótima, bem esclarecedora. Nesse assunto, há muitas coisas que as mulheres acham que é mito, mesmo sendo profissional de saúde”, observou Luciana Santos, enfermeira do Bloco Obstétrico. “Foi bom até para podermos orientar melhor as pacientes, num efeito multiplicador desses ensinamentos.”

Esse foi o mesmo ponto destacado pela técnica de enfermagem do Posto de Atendimento Pediátrico e doula Diva de Fátima Gomes de Almeida: “Muitas mãezinhas perguntam sobre isso para a gente. A palestra foi muito boa, esclarecedora. Aprendi muita coisa”.

A motofretista da Secretaria Municipal de Saúde, Renata Heloísa, fez várias perguntas ao médico palestrante, aproveitando bem a oportunidade que teve para esclarecer o assunto. “Deu para tirar todas as minhas dúvidas. A explicação foi muito boa e me fez repensar bastante sobre meus métodos contraceptivos”, afirmou.

O principal alerta que o médico Wilton Braga Júnior fez foi que não há “o melhor” método contraceptivo. “O melhor depende de cada paciente. O ginecologista orienta, mas a decisão é da mulher”, ressaltou o coordenador de Ginecologia e Obstetrícia do Centro Materno Infantil (CMI).

Na palestra, o médico explicou os métodos de barreira e comportamentais e falou sobre os anticoncepcionais hormonais, de emergência (a chamada pílula do dia seguinte) e a contracepção cirúrgica. O doutor Wilton Braga também abordou o risco de trombose na gravidez e durante o uso de pílulas anticoncepcionais.

 

Repórter: Eugênio Moreira

Foto: Eugênio Moreira

Data: 22/10/2018

No dia do Médico, o destaque é o doutor 100% SUS

Em 32 anos de medicina, o dr. José Marcial Wariss Pena sempre exerceu a profissão no Sistema Único de Saúde (SUS)

José Marcial Wariss Pena, paraense de nascimento, mas mineiro e atleticano de coração. No Complexo Hospitalar de Contagem, ele é conhecido como doutor Marcial. Com apenas 23 anos formou-se em medicina, em sua terra natal. O amor pela profissão herdou de um tio que era pediatra. Porém escolheu outra área, a ortopedia.

Marcial, já formado, chegou em Minas Gerais em meados de 1986. Em 2008, chegou a Contagem, trabalhou um período na antiga UPA JK. Há cerca dois anos chegou ao Hospital Municipal. Em tão pouco tempo, já se tornou querido e uma referência no hospital. Mensalmente atende cerca de 25 pacientes, que se tornam 25 amigos.

Jonathan Willer, morador do bairro Santa Cruz, sofreu um acidente de moto. Os ossos da canela se romperam, o destino dele se cruzou com Marcial. Operado pelo doutor, Jonathan não escondeu o sorriso ao relatar o tratamento recebido.  Ele destacou que “o doutro Marcial é muito bom. Atencioso e bem divertido”.

Marcial tem outra característica que o diferencia de outros profissionais. Em 32 anos de medicina, sempre exerceu a profissão no Sistema Único de Saúde (SUS). “Sou 100% SUS, muitas pessoas me pedem para atender particular, mas não atendo, minha vida é dedicada ao Sistema Único de Saúde”, concluiu.

Dia do Médico

Nessa quinta-feira, 18 de outubro, é comemorado o dia do Médico. Marcial destaca que o jovem que escolher ser médico, antes de tudo tem que ter paixão pela profissão. Não pode ser pelo dinheiro, ele advertiu. “A pessoa que escolhe a medicina tem que gostar de gente, se não gostar, não exerce a profissão com dedicação”.

O 18 de outubro foi escolhido por ser também data para comemorar-se o dia de São Lucas. Discípulo do apóstolo de Jesus Cristo, Lucas era médico, escritor e ainda artista.

 

Repórter: Lucas Santos

Foto: Fábio Silva

Data: 18/10/2018

Palestra no Complexo Hospitalar orienta servidoras quanto à prevenção ao câncer de mama

Servidoras do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) assistiram, na manhã desta terça-feira (16), a uma palestra do médico mastologista Mauro Goursand sobre câncer de mama, sua prevenção, diagnóstico precoce e fatores de risco, dentro da programação especial da campanha Outubro Rosa. Desde 2004 trabalhando no município, no Hospital Municipal (HMC) e na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Ressaca, além de prestar serviço na Santa Casa de Belo Horizonte e na Unimed, o médico Mauro Goursand passou informações importantes e esclareceu várias dúvidas das funcionárias do Complexo.

“Foi excelente. Até para a gente poder passar informações para outras pessoas. Tudo muito bem explicado. Foi esclarecedor”, comentou a técnica de enfermagem do Bloco Cirúrgico Zélia Ribeiro. “Foi uma fala clara e objetiva. O recado foi passado. Melhor impossível”, avaliou Eliane Liberata, também técnica de enfermagem do Bloco Cirúrgico. “Foi ótimo. Muito boa a palestra. Aprendi bastante”, afirmou Arlete Amaral, técnica de enfermagem do Bloco Cirúrgico.

A principal motivação do médico Mauro Goursand foi justamente esse efeito multiplicador das informações junto aos profissionais de saúde. “Por trabalhar no hospital, mesmo sendo fora da área médica, as pessoas são questionadas quanto a problemas de saúde. Muitas informações se perdem no meio do caminho. Há muitos mitos que precisam ser esclarecidos”, explica o mastologista.

Na palestra, o médico destacou a importância do diagnóstico precoce para o tratamento do câncer de mama, por meio do autoexame, do exame clínico e da mamografia. Há fatores de risco que não são modificáveis, como a genética, mas há outros que contribuem para aumentar a proteção contra a doença, como exercícios físicos, amamentação, evitar álcool e reposição hormonal e controle de peso.

O câncer de mama é o segundo em número de casos entre as mulheres, mas é o que mais mata. No Brasil, é registrada uma morte a cada 12 casos. E a incidência está aumentando nos últimos anos. Em 2013, foram mais de 57 mil casos. A estimativa para 2018 é de 59 mil novos casos no país.

 

Repórter: Eugênio Moreira

Foto: Eugênio Moreira

Data: 18/10/2018

Novo enxoval começa a ser usado no Complexo Hospitalar

O investimento a longo prazo para a aquisição do novo enxoval chega a cerca de R$ 2 milhões

Os pacientes do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) contam desde quarta-feira (17) com novos lençóis e fronhas. A primeira remessa do novo enxoval adquirido pelo Complexo chegou na noite anterior e imediatamente a equipe da Rouparia trabalhou para que fosse utilizada. São 700 lençóis de cama e 300 fronhas para atender o Hospital Municipal (HMC), o Centro Materno Infantil (CMI) e ambulatórios, fornecidos pela Comercial Têxtil DFM Eireli.

O investimento a longo prazo para a aquisição do novo enxoval chega a cerca de R$ 2 milhões – o superintendente do CHC, João Pedro Machado, destaca que o pregão eletrônico proporcionou uma economia de 10% no valor dessa compra. Do total já empenhado, cerca de R$ 572 mil, o Complexo já utilizou R$ 200 mil. Apenas de lençóis de cama são 2.640 unidades, no valor de R$ 56 mil.

Serão adquiridos, além de lençóis de cama e fronhas, lençol traçado, lençol para maca, cobertor adulto, conjunto privativo nos tamanhos M, G e GG, capote cirúrgico, campo duplo, campo fenestrado, camisola trespassada, macacão para recém-nascido e conjunto de pijama adulto e pediátrico.

“Essa compra tem uma importância estratégica muito grande, já que traz conforto, qualidade e segurança para os nossos pacientes”, avalia o gerente de governança hospitalar, Elônio Stefaneli Gomes. “Além de dar um aspecto positivo do ponto de vista estético”, completa o gerente. O enxoval antigo, ainda em boas condições, será repassado para as Unidades de Pronto Atendimento (UPA).

 

Repórter: Eugênio Moreira

Foto: Adelcio Ramos Barbosa

Data: 18/10/2018

Dia das Crianças é comemorado no Complexo Hospitalar com presentes e visita especial

A comemoração da data começou na quinta-feira (11), com a distribuição de mais de 100 brinquedos doados por funcionários do Complexo e recolhidos pelo setor de Humanização

 

O Dia das Crianças não passou em branco no Centro Materno Infantil do Complexo Hospitalar de Contagem. Houve entrega de brinquedos, balas, pipoca e ainda a presença dos personagens Mickey e Minie. A comemoração da data começou na última quinta-feira (11), com a distribuição de mais de 100 brinquedos doados por funcionários do Complexo e recolhidos pelo setor de Humanização, sob a coordenação de Rejane Braga.

Com a participação da pastora Ângela Sobral e de Divina Luz da Cruz, do grupo evangélico que atua no CHC, e da servidora Gesmair Aparecida Carneiro de Miranda, da rouparia, foram distribuídos mais de 100 brinquedos, balas, pipocas e doces para as crianças na Pediatria, no CTI Infantil e no Pronto Atendimento Infantil.

A alegria brotava nos rostinhos das crianças ao receberem os presentes. “Gostei muito. Tem maquiagem para passar na boneca! Tem anel, batom. Quero brincar”, dizia, antes mesmo de abrir a embalagem, Alice Carolina, de 2 anos, em tratamento de pneumonia, acompanhada do pai Welerson Correia Andrade.

A surpresa não era somente das crianças. O pai Washington Soares Barreto, que cuidava do filho Kaick, de 4 anos, recém-operado de adenoide, exclamou: “Nunca vi um lugar como este, com tanto presente, sem pagar nada”.

Visita e escovação de dentes

Na sexta-feira (12), as crianças da Pediatria tiveram outra visita surpresa: os personagens Mickey e Minie. A organização foi da enfermeira Elizabeth Cristina de Oliveira Paes e da técnica de enfermagem Gláucia Valentin Nunes, que, com recursos próprios e doações, distribuíram brinquedos e pacotes de balas e fizeram uma festa com decoração, refrigerantes e salgadinhos. “Foi muito legal. Uma alegria muito grande para as crianças”, afirma Elizabeth Paes, que organiza o evento pelo segundo ano consecutivo.

As crianças também receberam orientação quanto à maneira correta de escovar os dentes. A iniciativa foi da professora Alcione Lúcia Morais Rimulo, supervisora de estágio de Odontologia do Centro Universitário Newton Paiva, que mantém convênio com a Prefeitura de Contagem para atender na Maternidade Municipal. Cada criança ganhou um kit de higiene dental. “Os pais ficaram muito agradecidos com a ideia”, conta Elizabeth Paes.

 
Repórter: Eugênio Moreira
 
Foto: Divulgação
 
Data: 15/10/2018