Posts com a Tag ‘CMI’

Complexo Hospitalar de Contagem realiza capacitação para profissionais de enfermagem

Enfermeiros foram capacitados sobre o tema “Anotações de Enfermagem”

O evento foi realizado no auditório do Centro Materno Infantil (CMI) e retomou as capacitações regulares e semanais do Núcleo de Educação Permanente

Para aperfeiçoar as práticas de enfermagem, profissionais do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) participaram, entre os dias 21 e 23, de capacitação sobre o tema “Anotações de Enfermagem”. Essa atividade faz parte da assistência ao paciente e representa a metade das informações que compõe os prontuários médicos.

O evento foi realizado no auditório do Centro Materno Infantil (CMI) e retomou as capacitações regulares e semanais do Núcleo de Educação Permanente. Nos três dias de palestras, realizadas em três horários diferentes, foi possível capacitar cerca de 200 profissionais.

A capacitação foi coordenada pelo enfermeiro Relbson de Matos Costa, especialista em Urgência e Emergência e coordenador de enfermagem Pediatria e Centro de Terapia Intensiva (CTI) Pediátrico do CMI. Segundo ele, é preciso reforçar e relembrar sempre que uma anotação de enfermagem bem feita tem que ser organizada, clara e completa.

“É com estas informações que se garante uma assistência de qualidade e a segurança do paciente. Além disso, estes dados são importantes para apontar indicadores e o rastreio de eventos adverso. Este treinamento visa sensibilizar os profissionais para a importância desta ação,” disse Costa.

A equipe de enfermagem é responsável pelo atendimento ininterrupto durante a permanência do paciente na unidade de saúde. Com isso, todos os procedimentos e evoluções devem estar registrados. Isso é um direito do paciente e existem normas que regem esta atividade. O tema que também fez parte da apresentação.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 27/01/2020

PA Pediátrico de Contagem conquista segundo lugar em premiação

Redução do tempo de espera para atendimento é case de sucesso do Pronto Atendimento Infantil de Contagem e fica entre os finalistas do PEG 2019

No início do ano de 2019, as unidades de saúde receberam uma demanda de pacientes superior ao normal no período de alta incidência das arboviroses. Com isso, a espera pelo atendimento teve um grande impacto para toda população. Buscando reduzir este tempo, durante este período, o Pronto Atendimento Pediátrico do Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, referência no atendimento das crianças do município e região, implementou uma metodologia diferente de assistência: o Consultório Fast Track.

Tal serviço consistiu em deixar um consultório exclusivo para atendimento dos pacientes que apresentassem doenças e/ou lesões menores e de pouca urgência, ou seja, aquelas classificadas como verdes, segundo o protocolo de Manchester.

O Fast Track trouxe uma melhora significativa nos resultados apresentados pela unidade. Em percentuais de pacientes atendidos em conformidade com o tempo preconizado no Protocolo de Manchester, a mudança foi de 1% para 76%.

Estes resultados foram tão bons que os profissionais envolvidos na implementação desta ação se inscreveram no Programa de Excelência em Gestão (PEG) do Instituto de Gestão e Humanização (IGH) e ficaram entre os finalistas em nível Brasil. O PEG premia projetos de gestão desenvolvidos por colaboradores de todas unidades dos cincos estados em que o IGH está presente, nas categorias Humanização, Qualidade, Segurança dos Pacientes, Gestão de Pessoas, Comunicação e Gestão de Custos.

Em 2019, 29 projetos concorreram e apenas oito foram selecionados para a fase final de auditória dos dados. O resultado dos três primeiros lugares foi anunciado na última quinta-feira (19/12). Com a conquista do segundo lugar, a equipe do PA Pediátrico ganhou dois mil reais.

Consultório Fast Track

O PA Pediátrico de Contagem atende uma média de quatro mil pacientes por mês. No entanto, neste ano, nos meses de abril, maio e junho a demanda do local praticamente dobrou devido os casos de arboviroses.

“Até aquele momento não existia um direcionamento por classificação dos pacientes e, com isso, a equipe sempre priorizava os atendimentos mais urgentes. Isso elevava ainda mais o tempo de espera dos demais pacientes,” explicou o coordenador de Enfermagem do PA Pediátrico, Davidson Coelho Jácome.

Segundo os registros da Unidade, em maio, o tempo médio de espera do paciente com menor urgência chegou a alcançar mais de quatro horas (04:02:00), já em outubro esta média caiu para cerca de uma hora (01:16:00).

“Foi possível constatar um aumento percentual de pacientes atendidos em relação ao tempo de atendimento em todas as classificações,”acrescentou a pediatra e coordenadora médica PA Pediátrico, Flávia Roberta Cançado.

A metodologia foi implementada pelas coordenações médica e de enfermagem da unidade, sem nenhum custo e a partir do empenho da equipe de profissionais. A compilação das informações foi feita pela coordenadora de Produção Assistencial, Franciane Esteves, que destacou que tais resultados impactaram principalmente na melhoria da qualidade da assistência à saúde prestada.

 

 

Foto: Bruna Alves

Data: 26/12/19

Palestra abordou sensibilidade, atenção e cuidado na assistência ao paciente

Humanização foi um dos temas debatidos nos encontros, ministrado pela enfermeira e assessora da diretoria assistencial do IGH, Ceres Moraes

Se fosse você o paciente, ficaria satisfeito com seu atendimento?” Esta foi a frase de abertura da palestra sobre “Humanização” realizada entre os dias 10 e 13 de dezembro, no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC). Este e outros questionamentos como “Podemos ser melhores?” fizeram parte da apresentação da enfermeira e assessora da diretoria assistencial do IGH, Ceres Moraes.

Ela colocou os colaboradores para pensarem sobre a postura durante o atendimento e o quanto são importantes em suas funções. “O objetivo desta apresentação é fazer o profissional refletir sobre o relacionamento com o outro e motivá-los quanto ao papel importante que cada um exerce dentro da instituição, seja na assistência, na recepção ou na higienização” destacou.

Segundo a enfermeira, a “Humanização” está na sensibilidade, atenção e no cuidado dado ao outro que procura o atendimento médico diante de uma fragilidade na saúde, reconhecendo sua história e respeitando suas diferenças. “Em alguns momentos são gestos simples como ser educado e gentil, chamar o paciente pelo nome ao invés do número do leito em que se encontra. Mas, também, agir com respeito, dedicação e responsabilidade em cada etapa de suas atividades e não ser reativo se a pessoa está impaciente, nervoso ou queixoso” acrescentou Ceres Moraes.

A recepcionista do Centro Materno Infantil, Flávia Queiroz, ficou encantada com a palestra que trouxe muitos exemplos do dia-a-dia e disse que esforça-se ao máximo para fazer o seu melhor como orientado pela palestrante. “Eu me identifico muito com esta postura da Humanização. É importante agirmos com amor para que levemos leveza para quem precisa” comentou.

As exposições aconteceram em horários diferenciados tentando atender o máximo de colaboradores e plantões possíveis. Ao todo, 200 pessoas assistiram ao encontro com enfermeira Ceres.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 16/12/2019

Fórum Perinatal definiu pautas para otimizar fluxo de atendimento

Nesta edição foi definido o fluxo do atendimento das gestantes da microrregião e proposto melhorias na comunicação interna das coordenações que compõem o grupo.

No última segunda-feira (9) foi realizada, no Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, mais um encontro do Fórum Perinatal da Microrregião de Saúde de Contagem. A reunião aconteceu no auditório da maternidade e reuniu gestores dos municípios que compõe a microrregião (Contagem, Sarzedo e Ibirité).

Nesta edição foi definido o fluxo do atendimento das gestantes da microrregião, articulada a transferência de recém-nascidos estáveis para UTI de Ibirité e proposto melhorias na comunicação interna das coordenações que compõem o grupo. Outra pauta destacada no encontro foi a respeito do Seminário de Boas Práticas no Parto e Nascimento ministrado a profissionais que atuam na microrregião, previsto para acontecer na segunda semana de fevereiro.

Com periodicidade bimensal, a reunião tem como objetivo estabelecer a comunicação e parcerias para fortalecimento da Rede de Saúde no âmbito da assistência perinatal.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 12/12/2019

Complexo Hospitalar de Contagem promove a “Semana de Humanização”

As atividades tiveram o intuito de promover um momento recreativo e de relaxamento para os funcionários

Atividades foram realizadas com objetivo de promover a interação entre funcionários do Centro Materno Infantil de Contagem (CMI) e do Hospital Municipal de Contagem (HMC)

Entre os dias 11 e 12 de novembro, o Centro Materno Infantil de Contagem (CMI) sediou a “Semana de Humanização” com objetivo de promover a integração dos funcionários do CMI e do Hospital Municipal de Contagem (HMC). Nesse sentido, os servidores tiveram a oportunidade de participar de sessões de massoterapia, oficina de meditação e consciência corporal, aula de forró, além de luau ao vivo, palestra e stand-up.

Para a responsável pelo setor de Humanização, Regiane Braga, as atividades tiveram o intuito de promover um momento recreativo e de descanso para os funcionários. “O objetivo da Política Nacional de Humanização é promover ações para amenizar a situação do ambiente hospitalar, tanto para usuário, como para gestores e funcionários. É uma missão esse trabalho em saúde, então a gente propôs esse evento para eles”, concluiu.

A assistente administrativa Tatiana Moura contou que essa ação traz um momento de interação e vínculo entre os funcionários e destacou o desejo de que todos do hospital passem pelo momento de relaxamento das atividades. “A massagem corporal é muito boa, muito relaxante, tira a gente do nosso mundo de trabalho. Faz a gente ser transportada para um momento de empatia”, finalizou.

A palestra motivacional, com o tema “humanização”, ocorreu no segundo de dia evento. A palestrante Cintia Alves discorreu sobre a política de humanização e também abordou sobre afeto. “É um momento que a gente traz os trabalhadores para trocar experiências e ter discussões e para a valorização. Também para trazer uma reflexão para eles, pensarem em si mesmos, avaliarem suas relações e como é importante o afeto entre eles”, disse.

 

Texto e Foto: Lorena Campos

Data: 14/11/2019

Novos equipamentos modernizam a assistência no CHC

São duas autoclaves com a capacidade 700 litros cada. A antiga máquina que foi substituída tinha a capacidade de apenas 250 litros e gastava mais água durante o ciclo de trabalho

O Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) recebeu, em agosto, equipamentos modernos de uso constante na assistência à saúde de seus pacientes. Os aparelhos, que já começaram a ser instalados, visam melhorar a produção do trabalho das equipes e gerar economia de energia e água.

São duas autoclaves com a capacidade 700 litros cada. Uma das máquinas foi instalada no último mês na Central de Material e Esterilização do CHC. O equipamento é responsável por esterilizar e secar materiais de densidade como campos e roupas cirúrgicas, instrumentais e utensílios empacotados ou não, vidros, luvas, seringas, borrachas, líquidos em frascos herméticos ou não, utilizados no Hospital Municipal de Contagem (HMC) José Lucas Filho e Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus. A antiga máquina que foi substituída tinha a capacidade de apenas 250 litros e gastava mais água durante o ciclo de trabalho.

A nova autoclave utiliza vapor saturado de água sob pressão com remoção de ar através de pulsos de vácuo com uma potência de produção três vezes a mais que a anterior. Outro diferencial do dispositivo é que ele tem display touch screen e ampla variedade de configurações, auxiliando o funcionário nas demandas apresentadas diariamente.

Os demais equipamentos são quatro focos cirúrgicos de teto, que por serem de led melhoram iluminação do campo cirúrgico para o profissional atuar, proporcionando mais segurança no procedimento.  Com design moderno, leve e de fácil movimentação, sua tecnologia fornece iluminação adequada com baixo calor. Um foco já foi instalado este mês no Bloco Obstétrico do CMI, no início do mês.

Os novos equipamentos foram doados pela CEMIG, por meio de Programa, que tem como objetivo substituir equipamentos de alto consumo energético por outros mais novos e econômicos visando a eficiência energética dos estabelecimentos hospitalares. “Estes itens são muito bem-vindos, pois irão impactar na economia de energia e água, uma vez que são mais eficientes tecnologicamente que os antigos”, explicou o coordenador da Engenharia Clínica do CHC, Milton Aparecido de Carvalho.

A instalação está sendo feita gradativamente devido a necessidades de adequações estruturais nos setores que receberam a nova aparelhagem.

 

 

 

Foto: Adelcio R. Barbosa

Data: 25/10/2019

CMI sedia Fórum Perinatal da microrregião de Contagem

Com periodicidade bimensal, a reunião tem como objetivo estabelecer comunicação e parcerias para o fortalecimento da rede de saúde no âmbito da assistência perinatal

No último dia 15 foi realizado, no Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, mais um Fórum Perinatal da microrregião de saúde de Contagem. O encontro aconteceu no auditório da CMI e reuniu gestores dos municípios de Contagem, Ibirité e Sarzedo e representantes da Gerência Regional de Saúde de Belo Horizonte (GRS/BH) e da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Com periodicidade bimensal, “a reunião tem como objetivo estabelecer a comunicação e parcerias para fortalecimento da rede de saúde no âmbito da assistência perinatal,” explica a enfermeira do CMI e representante interina do CMI na Rede Cegonha, Juliana Maria de Melo.

Nesta edição, foram discutidas algumas diretrizes para a execução do plano de ação para adequação da UNCINCO de Ibirité para ampliação do perfil assistencial de alta complexidade. Foi definido que os pediatras irão reavaliar os critérios da transferência dos recém-nascidos para formalizar o transporte entre os municípios de Ibirité e Contagem, para assistência neonatal. Essa atividade já é realizada entre as unidades e é muito importante para gestão dos leitos.

Outra pauta foi a definição da data, segunda semana de fevereiro, para a realização do seminário de boas práticas no parto e nascimento para profissionais que atuam na microrregião.

Estiveram presentes na reunião os coordenadores médicos do Pronto Atendimento Pediátrico, Flávia Cançado; médica da Pediatria, Luciana Carla Pimenta; médica do CTI Neonatal, Dr. Frederico de Melo Nascimento e a gerente do CMI, Cristiane Rosalina de Oliveira.

 

 

Foto:  Bruna Alves

Data: 24/10/2019

Outubro Rosa: Conscientização da saúde da mulher é referência no Centro Materno Infantil nos 12 meses do ano

Fachada do Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus recebeu iluminação especial em alusão ao “Outubro Rosa”

Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus é reconhecido pela excelência no cuidado da saúde da mulher

A Campanha Outubro Rosa tem como finalidade conscientizar mulheres e sociedade quanto à prevenção e ao controle do câncer de mama e do colo de útero. Neste período, a saúde da mulher ganha destaque mundial. No Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, esse tema é referência o ano inteiro.

A unidade faz parte do Programa Rede Cegonha que visa melhorar a atenção à saúde materno-infantil por meio de várias ações na assistência ao parto, puerpério e neonatal. Além disso, no CMI, a assistência ao parto está alinhada com práticas de humanização e o estímulo ao aleitamento materno, que é importante para o desenvolvimento do bebê e para a saúde da mãe.

“O aleitamento materno reduz a morbimortalidade infantil e o risco de câncer de mama, de ovários e de endométrio. Pesquisas apontam que, a cada 12 meses de aleitamento, as chances para o aparecimento de um tumor mamário diminuem em 4,3%,” explica a presidente da Comissão Permanente de Aleitamento Materno e enfermeira do CTI Neonatal no CMI, Kátia Barbosa.

Faz parte desta estrutura ainda, a Casa da Gestante, Bebê e da Puérpera (Cagep), que atende gestantes e puérperas que necessitam de vigilância mais frequente, mas não é indicada à internação. As mulheres são acompanhadas por médicos, equipes de enfermagem, técnicos e assistência multiprofissional. Na necessidade de atendimento de urgência, elas são encaminhadas para o CMI, que está a menos de um quilômetro de distância, por meio de veículo que fica à disposição no local ou ambulâncias – Unidades de Suporte Básico (USB) e Suporte Avançado (USA).

É no CMI que são realizadas as cirurgias de laqueadura tubária das contagenses que estão dentro dos critérios do SUS e que já fizeram o planejamento familiar nas unidades básicas de saúde e receberam este encaminhamento.
No âmbito de exames de diagnóstico, o Complexo Hospitalar de Contagem realiza punções aspirativas de mama por agulha fina (PAAF), exame que permite identificar a existência de nódulos por meio de ultrassom. E, também, biópsias de tireoide ou paratireoide para diagnóstico de câncer.

Em setembro, o Centro Materno Infantil iniciou um serviço importante para o público feminino, o procedimento de histeroscopia. O exame é destinado às mulheres diagnosticadas com miomas, pólipos, entre outras doenças ginecológicas. As técnicas aplicadas são minimamente invasivas e sem cortes profundos. Elas são feitas por meio de um equipamento específico que foi adquirido pela unidade. Neste primeiro mês de atendimento, 26 mulheres já realizaram o procedimento.

Outubro Rosa

Em apoio à Campanha Outubro Rosa, o prédio do CMI estará com a iluminação com a cor do tema durante o mês. “Essa ação tem como objetivo transmitir nosso apoio à campanha e despertar o cuidado da saúde da mulher de forma integral,” comentou a gerente do Centro Materno Infantil, Cristiane Rosalina de Oliveira.

São sete refletores de led de 30 watts com películas duplas de silicone no tom rosa. O trabalho foi realizado pela equipe da Engenharia Clínica do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC). Além da iluminação, a entrada principal e alguns setores foram decorados em adesão às ações de conscientização.

 

 

 

Foto: Newton de Castro Rezende

Data: 16/10/2019

 

Semana das Crianças foi de muitas atrações no CHC

A programação da Semana das Crianças no Complexo Hospitalar foi uma iniciativa do Grupo de Trabalho de Humanização

Música, brincadeiras e presentes fizeram parte da programação especial da Semana das Crianças no Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus. As atividades, realizadas entre dias 07 e 12 de outubro, aconteceram nas enfermarias da Pediatria e Pronto Atendimento Infantil, setores especializados na assistência à saúde deste público.
 
Para abrir as atividades, foi realizado no dia 7, no espaço família da Pediatria, uma palestra com a médica Cláudia Lisboa, com o tema “Como fazer seu filho mais feliz e forte emocionalmente”. As orientações foram dadas aos pais e acompanhantes presentes. Fantoches e um lanche especial foram as atrações do dia 8.
 
Na quarta-feira (9 ), a equipe multiprofisssional e residentes do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) cantaram e distribuíram kits de colorir para os pequenos. Teve música para todas as idades e atendimento a pedidos. Sophia Quirino de Lima, 10 anos, quis ouvir o tema do filme Frozen, “Livre Estou”. Os menores ficaram feliz em solicitar e pular com o hit “Baby Shark”.
 
Quem puxou as canções foi Stephane P. Costa Lopes, residente de Psicologia e Henrique Elias de Figueiredo, residente de Fisioterapia, com o violão. Eles já realizam um projeto na Pediatria com canções e já tinham um repertório infantil bem ensaiado que foi feito em coro por toda a equipe participante da ação. Segundo os colaboradores, a música tem muitos benefícios: “traz calma, leveza, ao mesmo tempo agita e tira o foco da dor na criança, o que é muito bom”, acrescentaram.
 
Ester Rocha de Jesus, quatro anos, e a mãe Jéssica de Jesus, moradoras do bairro Capelinha, gostaram do momento de descontração. Elas também participaram das atividades do dia 10 que contou com a presença do violinista Igor Ribeiro que faz parte do projeto da To Life “O Som do Alívio” e integrantes da Capelania. O grupo homenageou as crianças com músicas e preces. Teve criança e adulto se emocionando com a apresentação.
 
Na sexta-feira (11), as crianças receberam a visita especial do Capitão América que junto com o Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) distribuiu presentes e doces que foram arrecadados ao longo do mês pelos colaboradores e amigos do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC).
 
Mileny dos Santos Silva, 12 anos, residente do bairro Novo Riacho que se recupera de uma cirurgia de apendicite ficou encantada com apresentação. “Esta semana está ‘bombando’ aqui estou muito feliz pelas atividades e os presentes, acho que vim no momento certou,” brincou.
No sábado (12), a diversão ficou por conta dos palhaços do grupo Só Riso. As crianças também receberam mais presentes distribuídos pelas equipes do dia. A programação da Semana das Crianças na unidade foi uma iniciativa do Grupo de Trabalho de Humanização. Para a coordenadora do GTH, Rejane Braga, a emoção e os sorrisos das crianças diante de um presente ou um gesto de carinho são a essência desta ação. “É um trabalho conjunto que nos faz bem, ver a reação tão sincera e feliz de cada criança que recebe nossa visita é algo especial,” completou.
 
 
 

 

Foto: Bruna Alves

Data: 15/10/2019

 

Servidores da rede de urgência de Contagem passam por capacitação sobre Acidente Vascular Cerebral

Treinamento beneficiou mais de 120 profissionais

Servidores da rede de urgência do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) passaram por uma capacitação de atualização em Acidente Vascular Cerebral (AVC). O objetivo é fortalecer o conhecimento e aperfeiçoar a assistência à saúde ofertada.  O treinamento contou com a exposição de especialistas que são referências no assunto.

O treinamento reuniu 120 participantes entre técnicos, enfermeiros, médicos e outros profissionais da equipe multiprofissional da assistência do Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, do Hospital Municipal de Contagem (HMC) José Lucas Filho, das Unidades de Pronto Atendimento UPA’s e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o AVC é segunda causa de morte no mundo e a principal causa de incapacidade no adulto. A cada quatro pessoas, uma pode ter a doença por vários fatores, por exemplo, tabagismo e pressão alta.

Apesar dos números alarmantes, o neurologista Octávio Marques Pontes Neto, que é o coordenador Nacional de Pesquisa em AVC e chefe do Serviço de Neurologia e Emergências Neurológicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/USP, esclarece que o tratamento trombolítico vinculado à agilidade da identificação do AVC isquêmico e o início da intervenção assistencial são métodos altamente eficientes na atualidade.

“O acidente vascular cerebral que é a maior causadora de sequelas neurológicas, com a administração do TPA nas primeiras três horas do início dos sintomas, aumenta-se em 30% o número de pacientes com capacidade mínima ou ausente de consequências decorrentes do AVC,” destacou Octávio Marques.

Além de abordar a respeito de conceitos importantes, o histórico e as fases que compreendem o atendimento do AVC, o neurologista especialista em Neurologia Cardiovascular e titulado em Neurossorologia pela Academia Brasileira de Neurologia (ABN), Daniel Martins Vilela, destacou que este incidente causa um impacto social para o paciente e família, além das implicações referentes à saúde. Será a saída ou afastamento deste trabalhador do mercado de trabalho, as despesas com medicações e tratamentos de reabilitação, a necessidade de adaptações estruturais e mobiliários.

Tratando-se de um importante problema de saúde pública, os especialistas reforçaram que é fundamental a orientação junto à população, para que possa saber identificar os sintomas do AVC o quanto antes; a manutenção dos fluxos de atendimento e comunicação efetiva do SAMU e UPA’s com a unidade capacitada para o recebimento do paciente com suspeita da enfermidade; e o preparo da equipe e aplicação dos protocolos para assistência de forma ágil e precisa.

“Não é uma atuação apenas médica, o acompanhamento da equipe multidisciplinar e a monitorização constante são importantes nas etapas que compreendem a assistência do acidente vascular cerebral,” acrescentou Daniel Martins.

 

Foto: Bruna Alves

Data: 04/10/2019