Posts com a Tag ‘CHC’

Simpósio de Cuidados com a pele promove conhecimento para boas práticas

O evento contou com palestras de profissionais especialistas na assistência relacionada às lesões por pressão

Profissionais da saúde e estudantes da área da saúde de Contagem participaram, na última sexta-feira (29/11), do I Simpósio do Serviço de Cuidados com a Pele do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) e Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s) do município. Com o tema “Lesão por Pressão, conhecer para prevenir”, o evento teve como objetivo ampliar o conhecimento e fortalecer as boas práticas no assunto.

As lesões por pressão conhecidas popularmente por escaras e também chamadas por muitos profissionais de saúde por úlcera de pressão são lesões que podem surgir na pele do paciente restrito ao leito. Segundo a Anvisa, este mal é o terceiro evento adverso mais notificado no Brasil, trata-se de um problema de saúde pública, gerando impactos negativos para o paciente, família e instituições de saúde.

Na abertura do encontro realizado na Nova Faculdade, no bairro Cidade Industrial, estiveram compondo a mesa de autoridades: a diretora regional IGH, Ana Kecia Xavier, o diretor da nova faculdade Pablo Bittencourt, o assessor da Superintendência de Urgência da Secretaria Municipal de Saúde, Vinícius Oliveira Pimenta, o vereador Bruno Barreiro e a enfermeira do Serviço de Cuidados com a Pele e presidente da comissão organizadora do Simpósio, Sheila Oliveira Dias Brandão.

Lesões por pressões

O evento contou com palestras de profissionais especialistas na assistência relacionada às lesões por pressão. A primeira a falar foi a enfermeira dermatológica e especialista em urgência e emergência e Saúde Coletiva, mestranda e membro do grupo de coloproctologia e distúrbios de defecação da UFMG, Marcela Monteiro Pinheiro.

Ela abriu a exposição abordando as principais mudanças nos conceitos ocorridas em 2016 no âmbito mundial e apresentou a classificação das principais lesões por pressão. “Atualmente o termo a ser usado é lesão ao invés de úlcera que foi utilizado até recentemente,” destacou Marcela Pinheiro.

Outro palestrante convidado foi Carlos Tonázio. Ele é estomoterapeuta e mestre em Bioengenharia pela UFMG, capitão enfermeiro coordenador do serviço especializado em feridas do Hospital da Polícia Militar e criador do canal do Youtube: Bate-papo com o estomaterapeuta que possui mais de 380 mil visualizações.

O especialista abordou sobre as principais evidências científicas para a prevenção e tratamento das lesões por pressão. “Médicos e enfermeiros tem que estarem antenados no que diz respeito das boas praticas e métodos comprovados por pesquisas para atuarem de assistência de forma precisa,” ressaltou Carlos Tonázio.

Fizeram parte da programação do Simpósio ainda, as aulas sobre Lesão de kennedy: os limites do tratamento intervencionista, apresentada pela cirurgiã plástica do Hospital Municipal de Contagem (HMC), Ellen Santos; “DAI x lesão por pressão diagnóstico diferencial e manejo da DAI”, com o enfermeiro especialista em urgência e emergência e membro do serviço de integridade cutânea da FHSFA, Tiago Lander Da Silva; “Terapia por pressão negativa (TPN) em feridas de alta complexidade” com o enfermeiro referência da linha cirúrgica nas especialidades cirurgia geral, cirurgia plástica e neurocirurgia, Wagner Oséas Corrêa; e “Lesão por pressão: a importância da intervenção nutricional” com a mestre em ciências aplicadas à saúde do adulto pela UFMG e especialista em nutrição parenteral e enteral pela Braspen / SBNPE, Jeniffer Danielle Machado Dutra.

Além da apresentação dos palestrantes, os participantes puderam conferir o Workshop Inovações na Cicatrização realizado pelos alunos do 5° período de Enfermagem da disciplina Lesão Cutânea da Nova Faculdade, coordenado pela professora Láyza Machado Braga.

Para a coordenadora de Enfermagem da Clínica Médica e Cirurgia do HMC, Claretice Souza, o Simpósio foi ótimo, pois as lesões por pressões é uma realidade da rotina assistencial uma vez que muitos pacientes passam por internações. “Foi muito interessante as palestras, tivemos contato com muito conhecimento e a possibilidade de atualizarmos nesta temática,” disse.

Pré-evento

Nos dias que antecederam o Simpósio, 27 e 28 de novembro, os colaboradores do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) passaram por uma vivência sobre o tema no auditório da unidade. A equipe do Serviço de Cuidados com a Pele e representantes de insumos para o tratamento de lesões montaram mesas expositoras visando ampliar o conhecimento e esclarecer dúvidas sobre o assunto.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 02/12/2019

Tuberculose é tema de capacitação para colaboradores do CHC e UPAs

As orientações foram repassadas pelo médico infectologista do Centro de Consultas Especializadas Iria Diniz, João Gentilini Faciane de Castro

Na manhã de quarta-feira (06/11), profissionais da Assistência à Saúde lotados no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) do município participaram de uma capacitação sobre tuberculose. A doença que é uma infecção pulmonar provocada por bactéria afeta mais de 67 mil brasileiros por ano.

A palestra transcorreu sobre o novo protocolo de diagnóstico e tratamento da tuberculose, aspectos clínicos da epidemia e medidas de proteção. As orientações foram repassadas pelo médico infectologista do Centro de Consultas Especializadas Iria Diniz, João Gentilini Faciane de Castro.

Segundo o especialista, a tuberculose é uma doença que mata. E, de acordo com os relatórios de saúde, trata-se de uma doença típica de países em desenvolvimento e comum entre a população adulta jovem. “Para o colaborador da saúde é importante sempre usar os equipamentos de proteção, saber lidar com o manejo do paciente e estar atualizado quanto aos protocolos do Ministério da Saúde para que ele esteja protegido e a doença não contamine mais pessoas,” destacou o médico João Gentilini.

A capacitação faz parte da programação do Núcleo de Educação Permanente que atua  atualização contínua dos profissionais da saúde buscando qualidade na assistência prestada à população.

 

 

Foto:  Bruna Alves

Data: 07/11/2019

I Simpósio do Serviço de Cuidados com a Pele do CHC

As inscrições têm vagas limitadas e devem ser feitas pelo link inserido na matéria até o dia 25 de novembro

No dia 29 de novembro será realizado o I Simpósio do Serviço de Cuidados com a Pele do Complexo Hospitalar de Contagem e Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s) do município, que terá como tema: “Lesão por pressão, conhecer para prevenir”. O evento será realizado no auditório da Nova Faculdade, av. Cardeal Eugênio Pacelli, 1996 – Cidade Industrial, Contagem – MG, no horário das 14h às 19h30.

O evento é voltado para profissionais de saúde, residentes e acadêmicos do CHC, UPA’s e demais interessados. As inscrições têm vagas limitadas e devem ser feitas pelo seguinte link (Clique aqui) até o dia 25 de novembro.

A programação do evento com especialistas no assunto e abordará questões importantes desde a prevenção até o tratamento das lesões por pressão. As lesões por pressão ou úlcera de decúbito são feridas ou também as chamadas escaras que se desenvolvem em calcanhares, tornozelos, quadris e no cóccix das pessoas em condição limita de mudar de posição.

Nos dia 27 e 28 de novembro será realizado no auditório do Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Souza uma etapa preparatória do evento, denominada Diálogos Dinâmicos, para os colaboradores do CHC e UPAS.

Serviço: I Simpósio do Serviço de Cuidados com a Pele do CHC

Data: 29/11/2019

Horário: 14h às 19h30

Local: Nova Faculdade, av. Cardeal Eugênio Pacelli, 1996 – Cidade Industrial, Contagem – MG

Público-alvo: profissionais, residentes e acadêmicos na área da saúde

 

Foto: Bruna Alves

Data: 01/11/2019

Blitz educativa no CHC: Metas Internacionais da Segurança do Paciente

A atividade foi uma iniciativa da Educação Permanente com apoio do Núcleo de Segurança do Paciente e com a participação dos acadêmicos da Faculdade Nova

Entre os dias 22 e 24 de outubro foi realizada, no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), uma Blitz Educativa para reforçar as Metas Internacionais da Segurança do Paciente. Essa metodologia prevê seis passos para promover melhorias relacionadas à segurança do paciente, de forma a prevenir e reduzir a incidência de eventos adversos no atendimento e internação.

Enquanto se deslocavam entre os setores do CHC, os colaboradores foram convidados a citarem uma ou mais metas. São elas: Identificação Correta dos Pacientes; Comunicação Efetiva; Melhorar a Segurança dos Medicamentos; Cirurgia Segura; Redução do risco de infecções associadas aos cuidados em saúde; e Prevenção de danos decorrentes de quedas.

“Essa ação é para que os profissionais aperfeiçoem suas habilidades cada dia mais e o paciente tenha sua saúde restabelecida sem agravos,” explica coordenadora da Educação Permanente, Ana Paula Reis.

Segundo o Instituto Brasileiro para Segurança do Paciente (IBSP), 134 milhões de eventos adversos ocorrem devido a cuidados inseguros em países de baixa e média renda, o que contribui para que 2,6 milhões de pessoas venham a óbito anualmente. Buscando promover uma assistência segura ao paciente, o CHC que engloba o Hospital Municipal de Contagem José Lucas Filho e o Centro Materno Infantil Juventina Paula de Jesus, realiza regularmente capacitações e ações como a Blitz visando fortalecer as boas práticas.

A atividade foi uma iniciativa da Educação Permanente com apoio do Núcleo de Segurança do Paciente e com a participação dos acadêmicos da Faculdade Nova.

 

Foto: Bruna Alves

Data: 30/10/209

Novos equipamentos modernizam a assistência no CHC

São duas autoclaves com a capacidade 700 litros cada. A antiga máquina que foi substituída tinha a capacidade de apenas 250 litros e gastava mais água durante o ciclo de trabalho

O Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) recebeu, em agosto, equipamentos modernos de uso constante na assistência à saúde de seus pacientes. Os aparelhos, que já começaram a ser instalados, visam melhorar a produção do trabalho das equipes e gerar economia de energia e água.

São duas autoclaves com a capacidade 700 litros cada. Uma das máquinas foi instalada no último mês na Central de Material e Esterilização do CHC. O equipamento é responsável por esterilizar e secar materiais de densidade como campos e roupas cirúrgicas, instrumentais e utensílios empacotados ou não, vidros, luvas, seringas, borrachas, líquidos em frascos herméticos ou não, utilizados no Hospital Municipal de Contagem (HMC) José Lucas Filho e Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus. A antiga máquina que foi substituída tinha a capacidade de apenas 250 litros e gastava mais água durante o ciclo de trabalho.

A nova autoclave utiliza vapor saturado de água sob pressão com remoção de ar através de pulsos de vácuo com uma potência de produção três vezes a mais que a anterior. Outro diferencial do dispositivo é que ele tem display touch screen e ampla variedade de configurações, auxiliando o funcionário nas demandas apresentadas diariamente.

Os demais equipamentos são quatro focos cirúrgicos de teto, que por serem de led melhoram iluminação do campo cirúrgico para o profissional atuar, proporcionando mais segurança no procedimento.  Com design moderno, leve e de fácil movimentação, sua tecnologia fornece iluminação adequada com baixo calor. Um foco já foi instalado este mês no Bloco Obstétrico do CMI, no início do mês.

Os novos equipamentos foram doados pela CEMIG, por meio de Programa, que tem como objetivo substituir equipamentos de alto consumo energético por outros mais novos e econômicos visando a eficiência energética dos estabelecimentos hospitalares. “Estes itens são muito bem-vindos, pois irão impactar na economia de energia e água, uma vez que são mais eficientes tecnologicamente que os antigos”, explicou o coordenador da Engenharia Clínica do CHC, Milton Aparecido de Carvalho.

A instalação está sendo feita gradativamente devido a necessidades de adequações estruturais nos setores que receberam a nova aparelhagem.

 

 

 

Foto: Adelcio R. Barbosa

Data: 25/10/2019

Complexo Hospitalar de Contagem realiza teste microbiológico

O resultado foi positivo, o que demonstra eficácia da limpeza realizada pelos colaboradores e qualidade do trabalho para uma assistência segura

Profissionais responsáveis pela higienização do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) acompanharam, no início de outubro, um teste microbiológico do saneante quartenário amônio utilizado na desinfecção dos ambientes do local. O resultado foi positivo, o que demonstra eficácia da limpeza realizada pelos colaboradores e qualidade do trabalho para uma assistência segura.

A avaliação consistiu em coletar amostras antes e após o uso do produto, por meio da exposição dos materiais à luz específica que identifica a presença de microorganismos. Para medição foi utilizada o sistema de RLU (Relative Light Units), unidade utilizada para medir o nível de contaminação. A quantidade de luz produzida é proporcional a quantidade de microorganismos. Quanto maior seu valor, maior é a contaminação.

No teste realizado na grade da cama do CTI, o valor encontrado antes da higienização foi de 283 RLU, que representa alto risco de contaminação, pois apresenta resultado superior a 200 RLU. Após a limpeza, o resultado caiu para 39 RLU, menos de 100 – índice que corresponde à ambiente seguro.

O experimento também foi realizado no colchão utilizado no setor. Antes do uso do saneante foi registrado 194 RLU. Valores de 100 a 199 são medidas de alerta, pois correspondem a presença de bactérias. Depois, o valor encontrado reduziu para 63 RLU.

Esta análise foi feita pela empresa fornecedora do saneante, Bunzl, a pedido da prestadora do serviço de higienização no CHC, Grupo Conservo, com objetivo de garantir a eficácia da limpeza. “Buscamos ser referência na área de limpeza hospitalar e avaliar o que estamos desenvolvendo faz parte deste processo”, esclareceu a coordenadora da Conservo, Laura Guimarães. “O teste na presença dos colaboradores que realizam a técnica de higienização é uma forma de mostrar para estes profissionais que o trabalho deles é importante e tem impactos na assistência,” concluiu. Estiveram presentes representantes do Serviço de Controle e Infecção Hospitalar (SCIH) e do CTI do Complexo.

 

 

 

Foto: Bruna Alves

Data: 25/10/2019

Semana das Crianças foi de muitas atrações no CHC

A programação da Semana das Crianças no Complexo Hospitalar foi uma iniciativa do Grupo de Trabalho de Humanização

Música, brincadeiras e presentes fizeram parte da programação especial da Semana das Crianças no Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus. As atividades, realizadas entre dias 07 e 12 de outubro, aconteceram nas enfermarias da Pediatria e Pronto Atendimento Infantil, setores especializados na assistência à saúde deste público.
 
Para abrir as atividades, foi realizado no dia 7, no espaço família da Pediatria, uma palestra com a médica Cláudia Lisboa, com o tema “Como fazer seu filho mais feliz e forte emocionalmente”. As orientações foram dadas aos pais e acompanhantes presentes. Fantoches e um lanche especial foram as atrações do dia 8.
 
Na quarta-feira (9 ), a equipe multiprofisssional e residentes do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) cantaram e distribuíram kits de colorir para os pequenos. Teve música para todas as idades e atendimento a pedidos. Sophia Quirino de Lima, 10 anos, quis ouvir o tema do filme Frozen, “Livre Estou”. Os menores ficaram feliz em solicitar e pular com o hit “Baby Shark”.
 
Quem puxou as canções foi Stephane P. Costa Lopes, residente de Psicologia e Henrique Elias de Figueiredo, residente de Fisioterapia, com o violão. Eles já realizam um projeto na Pediatria com canções e já tinham um repertório infantil bem ensaiado que foi feito em coro por toda a equipe participante da ação. Segundo os colaboradores, a música tem muitos benefícios: “traz calma, leveza, ao mesmo tempo agita e tira o foco da dor na criança, o que é muito bom”, acrescentaram.
 
Ester Rocha de Jesus, quatro anos, e a mãe Jéssica de Jesus, moradoras do bairro Capelinha, gostaram do momento de descontração. Elas também participaram das atividades do dia 10 que contou com a presença do violinista Igor Ribeiro que faz parte do projeto da To Life “O Som do Alívio” e integrantes da Capelania. O grupo homenageou as crianças com músicas e preces. Teve criança e adulto se emocionando com a apresentação.
 
Na sexta-feira (11), as crianças receberam a visita especial do Capitão América que junto com o Grupo de Trabalho de Humanização (GTH) distribuiu presentes e doces que foram arrecadados ao longo do mês pelos colaboradores e amigos do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC).
 
Mileny dos Santos Silva, 12 anos, residente do bairro Novo Riacho que se recupera de uma cirurgia de apendicite ficou encantada com apresentação. “Esta semana está ‘bombando’ aqui estou muito feliz pelas atividades e os presentes, acho que vim no momento certou,” brincou.
No sábado (12), a diversão ficou por conta dos palhaços do grupo Só Riso. As crianças também receberam mais presentes distribuídos pelas equipes do dia. A programação da Semana das Crianças na unidade foi uma iniciativa do Grupo de Trabalho de Humanização. Para a coordenadora do GTH, Rejane Braga, a emoção e os sorrisos das crianças diante de um presente ou um gesto de carinho são a essência desta ação. “É um trabalho conjunto que nos faz bem, ver a reação tão sincera e feliz de cada criança que recebe nossa visita é algo especial,” completou.
 
 
 

 

Foto: Bruna Alves

Data: 15/10/2019

 

Contagem passa a ofertar procedimentos de histeroscopia

Serviço é inédito no município, destinado às mulheres diagnosticadas com miomas, pólipos, dentre outras doenças ginecológicas. O procedimento proporciona mais conforto e agilidade para as usuárias do SUS de Contagem

O mês de outubro é dedicado à conscientização da saúde da mulher. E a Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, passa a ofertar um serviço inédito às contagenses. A partir de agora, as usuárias do SUS em Contagem poderão fazer procedimentos de histeroscopia no município.

O procedimento é destinado às mulheres diagnosticadas com miomas, pólipos, dentre outras doenças ginecológicas. Tanto os exames quanto as cirurgias serão realizadas no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC). A meta é realizar até 50 procedimentos por mês. “Passar a ofertar histeroscopia em Contagem é um benefício assistencial muito grande. Nossas pacientes não irão precisar se deslocar à capital. O governo tem a saúde como uma das prioridades e a saúde da mulher está neste contexto. Vamos agregar ainda mais serviços que possam trazer benefícios assistenciais”, comemorou o secretário municipal de Saúde, Cléber de Faria Silva.

Para realizar os procedimentos, o município passa a contar com um equipamento específico que será utilizado por profissionais habilitados neste exame. As tecnologias vão auxiliar no tratamento, diminuindo o tempo de internação, risco de infecções e hemorragias. As técnicas aplicadas são minimamente invasivas, sem cortes profundos e com rápida recuperação. “A histeroscopia permite visualizar dentro do útero e identificar alterações. Em muitos casos é possível operar em um tempo relativamente curto, com mínimos riscos para a paciente”, explicou o ginecologista e obstetra, Alexandre Lima Castro Ferreira, profissional responsável pelas cirurgias ginecológicas avançadas no Complexo Hospitalar de Contagem.

Luciley Maria Leite Ribeiro, de 43 anos, residente no bairro Fonte Grande, fez a cirurgia no CHC para diminuir as cólicas frequentes e ficou muito satisfeita com o resultado. Mãe de quatro filhos, procurou atendimento após fortes cólicas. “A cirurgia foi rápida, durou cerca de 1 hora e a recuperação também”, explicou. A histeroscopia é agendada pela rede de saúde municipal após consultas e exames de diagnóstico serem realizados nas unidades de referência da paciente.

Saúde da Mulher

No Complexo Hospitalar de Contagem as mulheres também dispõem da videolaparoscopia, método também minimamente invasivo para o tratamento de patologias pélvicas, por meio de pequenos orifícios no abdômen, evitando-se grandes cortes cirúrgicos e proporcionando um trauma mínimo e recuperação rápida. Neste procedimento é possível ainda, a abordagem de cistos de ovário e endometriose pélvica. Além de cirurgias ginecológicas, cirurgias de mamas e core biopsy (biópsia da mama por agulha grossa).

 

 

Foto: Cássio Matias

Data: 10/10/2019

 

Saiba mais sobre a influência dos nutrientes na medicação

É importante ler a bula dos medicamentos quando a terapêutica será feita em casa, respeitando os intervalos de ingestão indicados, as contra-indicações e as reações que podem ocorrer

Comer bem faz parte da rotina para se ter uma vida saudável. A alimentação é um grande aliado para o bem-estar do corpo e da mente, por isso, é importante fazer refeições equilibradas e conhecer bem o que está comendo quando se faz uso de alguns medicamentos.

Segundo o farmacêutico da Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional (EMTN) do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), Robson Oliveira, alguns nutrientes podem não ter interações positivas com algumas medicações, principalmente, se forem consumidas em excesso: “É importante obedecer às recomendações médicas e orientações dos nutricionistas quando acionados para auxiliar no tratamento para que ele ocorra da melhor forma e não haja impactos na assistência” reforçou.

Um exemplo apresentado pelo profissional é o caso do paracetamol. O remédio é de uso comum para casos de dor e febre moderada, se consumido com as maçãs, ameixa e goiaba tem seu metabolismo alterado. É que estas frutas têm pectina, substância retarda a ação do fármaco.

Outra ocorrência é a influência da vitamina K, presentes em verduras verdes escuras, no uso do anticoagulante oral varfarina. Esse medicamento oral bloqueia a disponibilidade de vitamina K e limita, dentre outras ações, a produção de fatores específicos da coagulação. Logo, tomar o remédio e consumir estes alimentos pode desequilibrar ainda mais a quantidade da vitamina K no organismo, não dando o efeito esperado ao tratamento e podendo levar ao aparecimento de trombose.

O consumo dos alimentos ricos em vitamina K, devem ser feitos de maneira controlada e com a mesma regularidade a fim de evitar alterações no exame de RNI (tempo de protrombina) do paciente. Os antibióticos também merecem atenção, a tetraciclina, substância que faz parte da composição destes medicamentos, reage na presença de cálcio comprometendo sua eficácia se ingeridos com leite.

Além dessas observações, Robson Oliveira, reforça ainda que chás, café, chocolates e alimentos defumados podem também interferir na ação dos medicamentos e deve-se evitar o consumo durante o tratamento medicamentoso. “É importante ler a bula dos medicamentos quando a terapêutica será feita em casa, respeitando os intervalos de ingestão indicado, as contra-indicações e as reações que podem ocorrer, para que, diante de qualquer anormalidade, a assistência à saúde seja procurada”.

 

 

Foto: Adelcio R. Barbosa

Data: 09/10/2019

 

Programa Melhor em Casa: uma possibilidade para continuidade do tratamento em casa

Metodologia pode acelerar a recuperação dos pacientes

Cuidar bem do paciente faz parte da rotina dos profissionais do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) e faz parte, também, ter um olhar sensível para possibilidade de realizar o tratamento na residência, junto da família. O método tem sido possível por meio da construção do Protocolo de Desospitalização e do desenvolvimento das oficinas de sensibilização, realizadas desde agosto, no Hospital Municipal de Contagem e no Centro Materno Infantil.

As oficinas têm o objetivo de apresentar à equipe assistencial quais os critérios para que o paciente possa ter seu tratamento realizado em casa e o que é preciso para isso.  “Pacientes que se encontrem clinicamente estáveis, em condições de internação prolongada ou com uma possível recuperação mais lenta podem ser assistidos por uma equipe multidisciplinar, de forma segura e humanizada, em seus lares”, explica o enfermeiro do Núcleo de Desospitalização, Joanilson Guimarães. Ele acrescenta que a assistência domiciliar pode diminuir os potenciais riscos de uma infecção hospitalar. Além do convívio familiar e conforto do lar serem importantes fatores de melhoria e recuperação da saúde.

A desospitalização já é uma prática no CHC, variando entre 20 a 30 altas hospitalares mensais. São pacientes em uso de antibióticos, com necessidade de uso do oxigênio em casa, tratamento de feridas, reabilitação, dentre outros. O tratamento especializado em casa é feito pelo Serviço de Atenção Domiciliar (SAD), da Secretaria de Saúde de Contagem.

Antes de serem liberados, parentes ou o responsáveis pelo cuidado do paciente em casa são orientados e treinados, ainda na unidade de saúde, sobre os cuidados que devem ter no dia a dia, durante o  acompanhamento domiciliar: banhos, troca de curativos, administração de medicamentos e de dietas, entre outros.

Eduardo Domingos dos Santos, 61 anos, que está prestes a receber alta do HMC e continuar o tratamento em casa, ficou muito feliz com esta oportunidade. Após 26 dias internados devido uma queda causada pelo descontrole da diabetes, ele está com saudades do lar e das pessoas de sua convivência. “Apesar de gostar da estrutura que tenho aqui, em casa será muito mais tranquilo e confortável,” comentou.

A irmã do Eduardo, Maria Celeste dos Santos Sudário, 63 anos, também aprovou a ideia. Para ela, a rotina de cuidados não terá impedimento e os acompanhamentos especializados na própria residência dão tranquilidade para que o bem-estar e saúde do irmão sejam garantidos.

Contagem é referência nacional para em assistência domiciliar, sendo o único município a desenvolver cuidados com assistência neonatal. Inclusive, profissionais de diversas partes do Brasil estão vindo conhecer o SAD Contagem, o Programa Melhor em Casa e as boas práticas assistenciais realizadas no município.

 

 

Foto: Bruna Alves

Data: 09/10/2019