Posts com a Tag ‘CHC’

Capacitação reforça qualidade no atendimento de pacientes com AVC

A agilidade da identificação do AVC e o início da intervenção assistencial são procedimentos altamente eficientes para reverter as consequência ocorridas pelo acidente vascular cerebral

Profissionais da assistência, recepção e portaria do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) participaram de mais uma edição da capacitação para melhoria da assistência aos casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC) no Brasil. O AVC é um problema de saúde pública que atinge cerca de seis milhões no mundo e mais causa sequelas neurológicas nas pessoas que sofrem este mal.

O educador científico e palestrante do treinamento, Igor Sampietri, explica que existem fatores de risco modificáveis para esta doença como obesidade, hipertensão, diabetes, stress, tabagismo e alcoolismo, mas, há fatores não modificáveis como idade e precedentes familiares.

No entanto, ele destaca que a agilidade da identificação do AVC e o início da intervenção assistencial são procedimentos altamente eficientes para reverter as consequência ocorridas pelo acidente vascular cerebral. “Uma equipe capacitada desde a porta do hospital ao leito do paciente é essencial para que o atendimento célere seja preconizado. E é, por isso, que as orientações são para os profissionais administrativos e assistenciais”, reforçou Igor Sampietri.

Divididos em várias turmas, os colaboradores assistiram palestras e vídeos sobre as principais causas e sintomas do AVC, assim como os tipos e as ações para prestar o socorro. Os participantes ainda interagiram com um simulador de atendimento de pacientes com sinais da doença.

A agente de portaria do CMI, Valéria Aparecida Brito Alves Rocha, achou muito interessante o curso e acredita que poderá contribuir na identificação do sinais, antecipando o atendimento dentro do possível nas situações de AVC. “Já ouvimos falar sobre esta doença, mas só com orientações certas é que temos certeza do que fazer,” relatou.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 06/03/2020

Alojamento da Maternidade ganha identificação do Núcleo de Segurança do Paciente

Ao todo são 11 camas, distribuídas em dois quartos. O Alojamento Materno é destinados às mães que receberam alta após o parto dos filhos, no entanto, os bebês permanecem internados para tratamento clínico devido ao nascimento prematuro

 

O Alojamento Materno do Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus recebeu identificação do Núcleo de Segurança do Paciente (NSP). A ação reconhece que o alojamento promove a humanização e o cuidado seguro para mães que têm estadia prolongada na unidade para acompanhar a internação de seus bebês prematuros.

Ao todo são 11 camas, distribuídas em dois quartos, que ficam no terceiro andar do CMI, local próximo aos leitos do Centro de Terapia Intensivo (CTI) Pediátrico e da Unidade de Cuidados Intermediários (UCI). “A identificação dos leitos dos pacientes já é um protocolo da Segurança do Paciente efetivo em todo o CHC. Da mesma forma, avaliamos junto ao serviço de Psicologia, que acolhe estas mães de perto, a necessidade de incluir e orientá-las quanto aos protocolos do NSP, uma vez que elas estão inseridas dentro no ambiente hospitalar,” esclareceu a coordenadora do Núcleo de Segurança do Paciente, Sara Regina.

Camas do dormitório do Alojamento Conjunto

O Alojamento Materno é um conjunto de quartos com camas e armários destinados às mães que receberam alta após o parto dos filhos, no entanto, os bebês permanecem internados para tratamento clínico devido ao nascimento prematuro. “É fundamental a presença da mãe no apoio à equipe durante a longa permanência. Estando mais próximas, as mães podem vivenciar a evolução diária do bebê, amamentar ou fazer a ordenha do leite materno e auxiliar na terapêutica realizada,” explicou a psicóloga do CMI, Deise Lucide de Cerqueira.

O Alojamento Materno é um dos critérios do título: Hospital Amigo da Criança, que o Centro Materno Infantil possui. Durante a estadia na unidade, as mães recebem amparo e apoio por meio dos grupos semanais desenvolvidos pela equipe multiprofissional.

Simone Lucas dos Santos, de 40 anos, está residindo no alojamento há quatro meses para ficar juntinho do terceiro filho. Arthur Gabriel nasceu com 29 semanas e ainda precisa ser monitorado por equipamentos na UCI. “Depois que recebeu alta do CTI pude amamentar e cuidar de perto do meu filho, o contato ao longo do dia está ajudando ele a crescer e logo estaremos de alta” contou. Segundo Simone Lucas,  a possibilidade de ficar no CMI lhe permite acompanhar cada choro e tudo que ele precisa de perto, o que a deixa mais tranquila.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 28/02/2020

Residência Multiprofissional do Complexo Hospitalar de Contagem é reconhecida pelo MEC

A Residência Multiprofissional em Saúde do CHC tem a duração de 24 meses, com carga horária semanal de 60 horas. Os participantes passam por um processo seletivo

 

Ministério da Educação (MEC) reconhece Residência Multiprofissional em Saúde do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC). A medida, uma das modalidades de atos autorizativos dado pela Instituição (MEC), reafirma a qualidade da especialidade fornecida e dá mais garantias aos residentes. “Estamos muito orgulhosos com esta conquista por prestigiar o trabalho que é desenvolvido aqui e por auxiliar na formação de tantos profissionais de saúde,” destacou a coordenadora dos programas de Residência Multiprofissional em Saúde do CHC, Lédna Bettcher.

No Complexo Hospitalar, a Residência Multiprofissional em Saúde iniciou em 2013. Atualmente, a especialização trabalha com dois programas: Saúde da Criança, Urgência e Trauma, nas áreas da Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Psicologia, Serviço Social e Terapia Ocupacional.

Até a publicação dos Pareceres n°142 e n°153 referentes ao reconhecimento, os programas ofertados possuíam a modalidade de ato “autorizada” pelo MEC. Em março de 2020, o Complexo Hospitalar formará a quarta turma da residência multiprofissional em saúde.

Para a residente em enfermagem Ághata Barbosa, a experiência vivida nos últimos dois anos foi muito importante para sua formação profissional. “Sem a prática em campo, em uma área tão delicada como a Urgência e Trauma, um recém formado não consegue preencher uma vaga no mercado de trabalho,” completou.“A residência é bem puxada, mas positiva para nossa formação. Além do aprendizado conquistado, também deixamos um legado com nossa experiência e com as respostas que identificamos no trabalho de conclusão de curso,” comenta o residente de enfermagem, Márcio Rodrigues.

A Residência Multiprofissional em Saúde do CHC tem a duração de 24 meses, com carga horária semanal de 60 horas. Os participantes passam por um processo seletivo realizado todo final de ano e recebem uma bolsa de R$ 3.330,43. Em março, uma nova turma, com 16 vagas, iniciará os programas.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 06/02/2020

Complexo Hospitalar de Contagem forma mais 14 médicos residentes

Especializações tiveram duração entre dois e três anos, a depender do curso. Comprometimento dos residentes e formação humana voltada à prevenção e à promoção da saúde são destaques do Programa de Residência Médico do CHC

 

A sexta-feira à noite (31/1) foi de muita alegria no Rotary Club de Contagem. Na ocasião, 14 médicos que cursavam residência no Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) receberam seus respectivos títulos de especialista. Para prestigiar a cerimônia de formatura da 13ª turma de médicos residentes do CHC, um público de aproximadamente 140 pessoas, composto por familiares, preceptores dos residentes, médicos e autoridades lotou o salão de festas do Rotary. O Programa de Residência Médica do CHC funciona desde o ano de 2004. De lá para cá, cerca de 180 médicos já passaram pela especialização na residência médica da instituição.

A coordenadora do programa, Verlândia Mendes Nogueira, explica que o CHC oferece cinco programas de especialização, cada um com um tempo de duração: anestesia (3 anos), cirurgia geral (3 anos), pediatria (3 anos), ginecologia e obstetrícia (3 anos) e clínica médica (2 anos). “Todo ano entra uma turma diferente, por isso, sempre temos novas turmas sendo formadas”, explicou a coordenadora. Ela também esclarece que, para ter a oportunidade de cursar uma residência médica no CHC, a pessoa precisa já ter a graduação completa em medicina e prestar concurso público para fazer a especialização na instituição. O valor da bolsa mensal auferida pelos formandos é de R$ 3,3 mil, com carga horária semanal de 60 horas.

Na formatura da turma deste ano (13ª turma), especializaram-se quatro médicos em cirurgia geral, quatro em clínica médica, três em ginecologia e obstetrícia e três em pediatria – a maioria, mulheres: a pessoa escolhida para ser a oradora da turma foi uma mulher, a médica Alessandra Cordeiro. Para ela, o Sistema Único de Saúde (SUS) precisa ser valorizado. “Cada um de nós, com sua história de vida, iniciou lá atrás uma jornada por mais conhecimento. No percurso, também vivenciamos desgastes físicos e emocionais, mas conseguimos concluir a tão sonhada especialização. Estudamos e nos formamos em uma instituição sem fins lucrativos, que é o Complexo Hospitalar de Contagem (CHC). O SUS, do qual o CHC faz parte, precisa ser valorizado, os profissionais precisam ser valorizados. Sigamos fortes na defesa de um SUS de qualidade”, afirmou Alessandra Cordeiro.

O superintendente de Planejamento, Orçamento e Finanças da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Allan Diego Falci, que na solenidade representou o secretário municipal de Saúde, Cleber de Faria, destacou que a atual gestão vem fazendo a sua parte para ofertar serviços em saúde com mais qualidade. “Muitos são os desafios em saúde pública, mas o município faz sua parte. A formação oferecida no Programa de Residência Médica do Complexo Hospitalar de Contagem tem caráter humanístico, ao mesmo tempo em que busca fomentar uma saúde pública de qualidade e tornar o CHC um centro de excelência. Sabemos que o SUS tem limitações, e a atual gestão tenta fazer com que a saúde de Contagem seja diferente. Vocês, formandos, fazem parte de uma transição importante. Hoje, a gestão do Complexo Hospitalar de Contagem é feita por uma Organização Social (OS), com o objetivo de melhorar e trazer mais dinamismo à oferta dos serviços em saúde do complexo”, afirmou o superintendente.

Mesa

Compuseram a mesa da solenidade o superintendente de Planejamento, Orçamento e Finanças da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Allan Diego Falci; o superintendente de Gestão de Pessoas da SMS, Gustavo Henrique Cortes Silva; a coordenadora do Programa de Residência Médica do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), Verlândia Mendes Nogueira; o presidente do Rotary Club de Contagem, Luiz Malta; a madrinha do projeto, Lilian Costa; o médico Wilton Braga, representando do CHC; e Alessandra Cordeiro, formanda representando os demais alunos.

 

Repórter: Carolina Brauer

Foto: Fábio Silva

Data: 04/02/2020

Hospital Municipal de Contagem participa de capacitação do Ministério da Saúde e Hospital Sírio-Libanês

Profissionais e gestores do HMC e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participam em São Paulo de capacitação

O “Projeto Lean nas Emergências” tem como objetivo reduzir a superlotação dos serviços de urgência e emergência do Sistema Único de Saúde (SUS)

Profissionais e gestores do Hospital Municipal de Contagem (HMC) e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) participam nesta semana, em São Paulo, de capacitação para implementação do “Projeto Lean nas Emergências”, uma iniciativa do Ministério da Saúde em parceria com o Hospital Sírio Libanês. O curso tem como objetivo reduzir a superlotação dos serviços de urgência e emergência do Sistema Único de Saúde (SUS).

O HMC foi selecionado juntamente com outros 39 hospitais do Brasil para fazer parte do quarto ciclo de treinamentos que aborda uma gestão voltada para a melhoria de processos e eliminar desperdícios e atividades de baixo valor agregado.

“O Lean tem origem no Japão, mais precisamente na produção da empresa Toyota e tem como finalidade enxugar os processos, ou seja, produzir mais com o recurso que tem. Na unidade hospitalar, a ideia é atender toda a demanda que chega ao Pronto Atendimento de forma eficiente, diminuindo o período de internação que impacta na lotação da unidade,” esclareceu o coordenador de Produção Assistencial do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), Jean Santana.

Para a coordenadora de Enfermagem do HMC, Betânia Claudiano, o projeto trará oportunidades de melhoria do processo de trabalho, otimização da mão de obra, redução de custos e, principalmente, promoção na qualidade assistencial. “Foram dois dias de intenso trabalho, muito aprendizado e troca de experiências com profissionais de hospitais de todo país. Teremos muito trabalho nos próximos meses, mas certamente colheremos bons frutos,” ressaltou.

Um diagnóstico já foi feito no setor de pronto-socorro do HMC e, a partir de fevereiro, a unidade receberá equipes do Hospital Sírio-Libanês para implementação da metodologia em Contagem com os colaboradores que participaram do treinamento.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 29/01/2020

Complexo Hospitalar e Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) criam força-tarefa para atendimento às vítimas da chuva

Famílias de Contagem foram afetadas pelo deslizamento de encostas e inundações

O quadro de profissionais foi ampliado em 20% no período mais crítico registrado em Contagem

Minas Gerais vive situação de emergência em função das fortes chuvas. Os alertas da Defesa Civil ao longo da última semana mobilizaram a Prefeitura, gestores do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) e Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) do município para o estabelecimento de estratégias que agilizassem os atendimentos caso houvesse necessidade.

O grupo Força-tarefa CHC e UPAs trabalhou com as hipóteses de desastres ocasionadas pelas chuvas que repercutissem no aumento de atendimentos no Hospital Municipal de Contagem (HMC) e UPA JK, unidades localizadas nas áreas consideradas mais críticas, e traçou como medida a ampliação do quadro de profissionais em 20% na equipe assistencial. Além da convocação de outros profissionais da higienização, portaria, assistente social, TI e manutenção para apoio a assistência à saúde.

“As ações tiveram como objetivo não deixar brecha para a desassistência e dar o suporte adequado às vítimas e familiares, antecipando crises diante de uma situação inesperada” esclareceu o diretor-geral do CHC, Flávio Santos. As equipes também trabalharam para verificar a disponibilidade e reserva de insumos, equipamentos, rouparia e o que fosse preciso para uma situação atípica. Uma ambulância foi contratada para a demanda extra de pacientes.

Para receber possíveis vítimas, alguns pacientes da UPA JK foram transferidos para as demais UPAs, liberando alguns leitos. No HMC, os leitos do Hospital Dia foram reservados e preparados para caso houvesse demanda de atendimento a pacientes.

A rede de urgência e emergência de Contagem (CHC e as cinco UPAs) atendeu de sexta-feira a domingo (24 a 26 de janeiro) dez pessoas, vítimas da chuva. Uma criança veio a óbito. Devido à perda dos documentos com o desmoronamento, a equipe de serviço social do HMC auxiliou familiares nos procedimentos necessários para esta questão.

 

Repórter: Bruna Alves

Foto: Adelcio Barbosa

Data: 28/01/2020

Complexo Hospitalar de Contagem realiza capacitação para profissionais de enfermagem

Enfermeiros foram capacitados sobre o tema “Anotações de Enfermagem”

O evento foi realizado no auditório do Centro Materno Infantil (CMI) e retomou as capacitações regulares e semanais do Núcleo de Educação Permanente

Para aperfeiçoar as práticas de enfermagem, profissionais do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) participaram, entre os dias 21 e 23, de capacitação sobre o tema “Anotações de Enfermagem”. Essa atividade faz parte da assistência ao paciente e representa a metade das informações que compõe os prontuários médicos.

O evento foi realizado no auditório do Centro Materno Infantil (CMI) e retomou as capacitações regulares e semanais do Núcleo de Educação Permanente. Nos três dias de palestras, realizadas em três horários diferentes, foi possível capacitar cerca de 200 profissionais.

A capacitação foi coordenada pelo enfermeiro Relbson de Matos Costa, especialista em Urgência e Emergência e coordenador de enfermagem Pediatria e Centro de Terapia Intensiva (CTI) Pediátrico do CMI. Segundo ele, é preciso reforçar e relembrar sempre que uma anotação de enfermagem bem feita tem que ser organizada, clara e completa.

“É com estas informações que se garante uma assistência de qualidade e a segurança do paciente. Além disso, estes dados são importantes para apontar indicadores e o rastreio de eventos adverso. Este treinamento visa sensibilizar os profissionais para a importância desta ação,” disse Costa.

A equipe de enfermagem é responsável pelo atendimento ininterrupto durante a permanência do paciente na unidade de saúde. Com isso, todos os procedimentos e evoluções devem estar registrados. Isso é um direito do paciente e existem normas que regem esta atividade. O tema que também fez parte da apresentação.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 27/01/2020

Peça teatral conscientiza a população sobre o combate às arboviroses

Peça teatral conscientiza a população sobre a importância do combate às arboviroses

As artistas são agentes de endemias da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Contagem que desenvolvem ações de educação e saúde

As unidades de pronto atendimento (UPA) de Contagem já estão se preparando para a época do ano que requer mais atenção na área da saúde para os casos de arboviroses (Dengue, Febre Amarela, Zika e Chikungunya). Com objetivo de conscientizar a população sobre os riscos das arboviroses e outras pragas urbanas e quais as formas de preveni-las, iniciou-se na quinta-feira (9), no Complexo Hospitalar, a intervenção teatral “Dona Maria e a Bicharada”.

A peça idealizada pelo “Grupo de Teatro Agente em Cena” será exibida sempre nas segundas-feiras.  Já nas terças e quintas-feiras, a equipe fará outras dinâmicas com o público e distribuirá folder informativo.  As apresentações acontecerão sempre em dois horários, pela manhã e à tarde, nas recepções do Pronto Atendimento Pediátrico, do Pronto Atendimento Obstétrico e no Hospital Municipal de Contagem (HMC).

As artistas são agentes de endemias da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Contagem que desenvolvem ações de educação e saúde. Para atrair a atenção do público, elas aparecem caracterizadas de mosquito, cachorro, ratazana e escorpião, e cantam e interagem com o público.

Além da ação com os cidadãos, gestores do Complexo Hospitalar de Contagem, das UPA’s e da Secretaria de Saúde que fazem parte do Comitê de Arboviroses estão se reunindo quinzenalmente e alinhando diretrizes para o atendimento nas unidades de saúde no município.
“Já fizemos estudos de algumas situações e estamos acompanhando e monitorando os casos que já estão surgindo para implantarmos algumas mudanças no atendimento de acordo com os cenários que podem aparecer durante o surto das arboviroses, como aumento de profissionais, tenda de hidratação, entre outras assistências”, esclarece a gerente assistencial Renata Mourão.

Valdermar da Silva Barbosa, 68 anos, que fez uma consulta no HMC, curtiu o teatro enquanto aguardava para ser chamado. Segundo ele, ainda há muitas pessoas que não fazem sua parte para manter a casa limpa e livre da dengue, com isso todos sofrem com os sintomas.
A intervenção teatral acontecerá até dia 27 de fevereiro no Complexo Hospitalar de Contagem e depois será realizada nas UPA’s de Contagem.
Serviço:

Campanha de conscientização sobre as arboviroses – intervenção teatral nos pronto atendimentos do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC)

Data e horário: 09 de janeiro a 27 de fevereiro – segundas, terças e quintas-feiras
Endereço: Av. João César de Oliveira, n° 4495 – Eldorado
Horário: 10h e 14h

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 13/01/2020

Encontros para garantir excelência na assistência da equipe de enfermagem do CHC

O objetivo desses encontros é implementar processos de enfermagem que padronizem e deem mais qualidade no atendimento ao paciente

Buscando qualificar ainda mais a assistência prestada pelos profissionais de Enfermagem, as coordenações da categoria do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC) vêm se reunindo periodicamente para implementar processos de enfermagem que padronizem e deem mais qualidade no atendimento ao paciente.

Na última segunda-feira (16), o encontrou contou com a participação da PhD em Enfermagem, dra. Tânia Couto Machado Chianca, convidada pelo Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais (Coren-MG) para palestrar a respeitos da CIPE (Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem) e Processos de Enfermagem.

“O processo de Enfermagem o tem sido definido como uma forma sistemática e dinâmica de prestar cuidados de enfermagem, que é realizado por meio de cinco etapas interligadas: avaliação, diagnóstico, planejamento, implementação e evolução,” explicou Tânia Chianca. “O registro do que é feito por estes profissionais torna o trabalho mais eficiente e dá qualidade a assistência prestada,” completou.

Participaram as coordenações de enfermagem gerais Centro Materno Infantil (CMI) e Hospital Municipal (HMC), Centro Obstétrico, Pronto Atendimento Pediátrico, CTI Neonatal, Enfermaria Pediátrica, Pronto Socorro, Bloco Obstétrico, CTI Adulto, Clínicas Médica e Cirúrgica, Núcleo de Segurança do Paciente e Educação Permanente.

“Em nossas reuniões estamos estudando e definindo quais referências teóricas e como iremos implementar um Sistema de Atendimento de Enfermagem comum para nossas unidades e profissionais,” esclareceu a coordenadora geral de Enfermagem do HMC, Betânia Claudiano. “O objetivo é que nosso serviço seja quantificado para acompanharmos o que é necessário melhorar mas também o paciente tem um atendimento excelente” reforçou.

 

 

Foto: Bruna Alves

Data: 20/12/19

Contagem celebra o Dia do Fonoaudiólogo com boas notícias para a população

Atualmente, a equipe multiprofissional conta com sete destes profissionais e três residentes na assistência para um atendimento de qualidade aos pacientes

Em 9 de dezembro, o SUS-Contagem celebrou o Dia do Fonoaudiólogo. De acordo com a resolução do Conselho Federal de categoria, o fonoaudiólogo é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico, habilitação e reabilitação funcional da deglutição e gerenciamento dos distúrbios de deglutição.

No ano de 2019, foi possível aumentar o número fonoaudiólogos na assistência do Complexo Hospitalar de Contagem (CHC), o que demonstra a importância deste profissional no ambiente hospitalar. Atualmente, a equipe multiprofissional conta com sete destes profissionais e três residentes na assistência para um atendimento de qualidade aos pacientes.

No Hospital Municipal de Contagem (HMC) José Lucas Filho, a fonoaudiologia atua na avaliação e reabilitação das funções da deglutição e fala dos adolescentes e adultos internados, com ampla participação nos casos clínicos graves e complexos, visando melhores resultados funcionais para o paciente.

A assistência é prestada para os pacientes internados na Clínica Médica e Cirúrgica, Politraumatismo e CTI Adulto. A maior demanda é de pacientes que apresentam distúrbios da deglutição (disfagia) em decorrência de Acidente Vascular Cerebral (AVC), Traumatismo Cranioencefálico (TCE), Doenças Neurológicas, Respiratórias e Gastroesofágicas.

No Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus, as fonoaudiólogas e residentes na disciplina que atuam no CTI Neonatal têm o papel de promover o desenvolvimento motor e oral dos prematuros garantido assim o sucesso da alimentação por via oral de maneira segura e eficaz. Tratando-se de recém-nascidos, o objetivo principal é estimular o aleitamento materno e orientar gestantes e puérperas para esta atividade.

Há profissionais da área também que atendem os bebês e mães do Alojamento Conjunto e ambulatório realizando a Triagem Auditiva Neonatal (TAN). Popularmente conhecido como o teste da orelhinha, a TAN é um importante exame que deve ser feito, preferencialmente, nos primeiros 30 dias de vida do bebê, para a detecção de perda auditiva precoce.

Formada há 16 anos e trabalhando há quase oito anos no HMC, a fonoaudióloga, Carolina Galvão, relata que a escolha da profissão se deu pela vontade de ajudar o próximo e atuar na área da saúde. “Me sinto feliz por poder ajudar as pessoas e, principalmente, em sentir que o trabalho da fonoaudiologia faz diferença para os pacientes, pois reabilitamos e possibilitamos adaptações que permitem devolver aos pacientes, qualidade de vida com relação à alimentação e comunicação,” relatou Carolina Galvão.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 12/12/2019