SUS aponta aumento do número de internações em até 65,3%

De janeiro a outubro de 2017, a prefeitura investiu na Saúde R$ 247,8 milhões

Ao contrário do que ocorre no cenário nacional, Contagem registrou em 2017 aumento das internações hospitalares na rede pública de saúde. Reflexo da ampliação do atendimento, com abertura de novos leitos e reestruturação do quadro de funcionários. O resultado mais expressivo foi em setembro, quando 1.689 pacientes foram internados, 65,3% a mais que no mesmo mês de 2016 (1.022 registros), de acordo com o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS). 

De janeiro a outubro de 2017, a prefeitura investiu na Saúde R$ 247,8 milhões. Neste período, o aumento das internações foi de 24,2% na comparação com os dez primeiros meses de 2016. Subiu de 10.554 para 13.114 casos. 

São pessoas que se submeteram a cirurgias de urgência ou eletiva, foram encaminhadas por Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) ou que estavam na fila de espera da Regulação, setor que recebe as demandas da rede municipal de Saúde e encaminha as pessoas para as vagas disponíveis. 

No Brasil, a oferta de leitos para internação na rede pública vem diminuindo. Levantamento feito em 2016 pelo Conselho Federal de Medicina apontou queda de 7,5% entre 2010 e 2015. 

Nova filosofia 

Em Contagem, o aumento das internações ocorre em um contexto de adequações no Complexo Hospitalar, sem que o atendimento à população seja prejudicado. 

O superintendente do Complexo, João Pedro Laurito Machado, ressalta que esse aumento se deve à reabertura dos dez leitos de CTI que estavam interditados em 2016, bem como de agendas médicas, a contratação de mais profissionais e os investimentos em maquinário, insumos e medicamentos, da ordem de R$ 6 milhões. 

“Também é importante dizer que implementamos uma filosofia de trabalho que busca humanizar ambientes, adequando-os à legislação e oferecendo mais conforto a pacientes e trabalhadores. Os problemas do hospital estão sendo enfrentados e o Complexo Hospitalar, que vivia uma situação de sucateamento em janeiro de 2017, se encontra bem mais estruturado atualmente. Tudo isso contribui para a melhoria verificada nos números”, aponta. 

Data: 02/01/2018

Repórter: Carolina Brauer

Fotos: Adelcio Barbosa