Secretário visita defensoria e destaca investimentos na saúde

alores investidos possibilitaram, por exemplo, a abertura do Centro de Cirurgia e Traumatologia Célio Elias

Contagem investiu mais de 290 milhões em saúde pública no ano de 2017

O secretário de Saúde, Bruno Diniz, visitou nesta quarta-feira (7), a Defensoria Pública de Minas Gerais, na comarca de Contagem. Na oportunidade, Bruno Diniz se encontrou com a Defensora Pública da Saúde, Sheila Santos Nunes. O objetivo do encontro foi estreitar as relações entre a Secretária de Saúde e o órgão. 

Além disso, foram debatidas ações que possam melhorar o fluxo das respostas entre os dois órgãos. “Destacamos e agradecemos a parceria que tivemos com a defensoria. Colocamo-nos a disposição nesse novo ano que se inicia para a saúde de Contagem”, destacou Bruno. O secretário de Saúde apresentou os avanços e gargalos que a saúde teve em 2017.

 Bruno Diniz ressaltou que os avanços na saúde só foram possíveis devido ao grande investimento feito pela prefeitura. Do orçamento previsto para o ano de 2017, Contagem destinou 28,99% para melhorias na saúde pública o que corresponde a quase R$ 295 milhões. 

beforeSecretário visitou a Defensoria Pública, em Contagem

 Esse investimento é praticamente o dobro do previsto pela constituição, que determina que o município invista 15% na saúde. O recurso permitiu, por exemplo, a abertura do Centro de Cirurgia e Traumatologia Célio Elias, que representa uma ampliação de 132,5% no atendimento: de 430 para mil cirurgias por mês, passando a fazer procedimentos de alta complexidade em neurologia e ortopedia.

Na contramão da história

No encontro ocorrido na defensoria, Bruno Diniz destacou a triste realidade da saúde pública estadual. Que não tem atrasado constantemente os repasses para os municípios. Somente para Contagem o governo estadual deixou de repassar, em 2017, cerca de R$ 65 milhões para a saúde. 

A dívida é referente a repasses para incentivos de custeio de programas estaduais, relativos ao Complexo Hospitalar de Contagem, além de recursos relacionados ao Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), as Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs) e atenção primária à saúde.

Constitucionalmente existe uma divisão de responsabilidades entre os governos Federal, Estadual e Municipal.  Cada um dos três poderes tem a sua função, seus limites de atuação, para o funcionamento do sistema de saúde nas cidades.

 

Repórter: Lucas Santos 

Foto: Adelcio R Barbosa

Data: 08/02/2018