Secretarias farão mobilização na cidade para prevenir gravidez na adolescência

Ação ocorrerá no sábado (23), na Feira do Eldorado, e no domingo (24), na Feira do Amazonas

Em 2018, a Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) divulgaram um levantamento que incluía a quantidade de casos de gravidez na adolescência no Brasil. O estudo aponta que, nos últimos anos, houve queda no número de adolescentes gestantes no país: em 2004, o Brasil registrou 661.290 nascidos vivos de mães com idade entre 10 e 19 anos, em 2015, foram 546.529 nascidos vivos com mães na mesma faixa etária – uma queda de 17%.

De acordo com o Ministério da Saúde, a redução do número de gestações entre adolescentes foi possível graças à implementação de ações e campanhas de prevenção e educação sexual, a avanços científicos e à evolução dos métodos contraceptivos. Entretanto, apesar dos esforços, a quantidade de adolescentes grávidas no Brasil supera índices internacionais, assinala o estudo. Se no Brasil a taxa é de 68,4 mil nascimentos para cada mil adolescentes com idade entre 15 e 19 anos, os índices mundiais são significativamente menores: a taxa média mundial é de 46 nascimentos para cada mil e, na América Latina e Caribe, 65,5 nascimentos para cada mil.

Com o intuito de mobilizar a sociedade em torno da reflexão sobre planejamento familiar, um conjunto de ações que permitem o controle do número de filhos e do espaço de tempo entre as gestações, sobre o melhor momento para a chegada dos filhos e, também, reforçar a necessidade de prevenção contra as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), foi instituído neste ano, pelo Governo Federal, a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência. A partir de agora, a data será celebrada anualmente na semana do dia 1º de fevereiro. De acordo com o Ministério da Saúde, o objetivo da ação é disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas que contribuam para a redução da incidência da gravidez na adolescência.

E, no contexto da Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, a Secretaria Municipal de Saúde de Contagem e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social vão promover uma ação de conscientização em torno do tema no período de pré-carnaval. Essas ações acontecerão em duas feiras do município e contarão com a presença de integrantes de núcleos do Projeto Fica Vivo. Na oportunidade, serão distribuídos preservativos e orientações sobre métodos contraceptivos e de prevenção às ISTs.

No sábado (23), às 9h, o grupo se reunirá na Feira do Eldorado (em frente ao CCE Iria Diniz). Já no domingo (24), também às 9h, será a vez de a Feira do Amazonas receber a iniciativa. Programe-se e participe!

Conscientização e responsabilização

Viviana Sousa, 27 anos, moradora do bairro Nova Contagem e analista social no Fica Vivo, diz que é muito importante que a juventude tome consciência não só dos riscos de se ter uma gravidez indesejada, como também de se contrair ISTs. “A gente acha que nunca vai acontecer com a gente. A sexualidade ainda está envolta em mitos e não pode mais ser considerada como um tabu. Para além da educação sexual nas escolas, é preciso que cada um também se cuide”, afirma Viviana, que foi mãe aos 16 anos.

A secretária de Desenvolvimento Social, Luzia Ferreira, reforça que a gravidez na adolescência traz uma carga de responsabilidade ao jovem que só deveria se manifestar mais tarde e por escolha, não por descuido ou acidente. “A gravidez na adolescência tira do jovem o direito de ser criança. Geralmente, as meninas, as mais prejudicadas nesse caso, acabam abandonando os estudos e até ficando grávidas outras vezes em um curto espaço de tempo. É muito importante levarmos informações sobre o assunto para as famílias e a sociedade em geral”, afirma a secretária.

A subsecretária de Gestão em Saúde da Secretaria de Saúde, Kênia Silveira, faz um chamamento aos jovens, para que compareçam em suas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de referência e se informem sobre métodos contraceptivos: “Os adolescentes podem receber atendimento à saúde com privacidade e têm direito ao sigilo. Nas Unidades de Saúde, independentemente de terem sido encaminhados por algum serviço de saúde anterior, os adolescentes podem ser incluídos nas ações coletivas, individuais de prevenção e acompanhamento de ISTs, se for necessário. Também terão acesso a preservativos, sem entraves burocráticos ou receitas médicas. Vale lembrar que o preservativo é o único método contraceptivo que oferece também proteção contra ISTs, como a Aids”.

Acesso aos contraceptivos começa nas UBSs

Os contraceptivos são os métodos ou dispositivos usados para prevenir a gravidez e devem ser escolhidos no contexto do planejamento familiar, pois apresentam diferenças em termos de eficácia, duração e formas como agem no organismo. O melhor método contraceptivo varia caso a caso.

A rede SUS/Contagem oferece diferentes anticoncepcionais hormonais, orais e injetáveis, dispositivo intrauterino (DIU) de cobre (não hormonal), laqueadura tubária e ainda preservativo masculino (camisinha) e vasectomia (para homens).

As atividades do planejamento familiar e os métodos contraceptivos são disponibilizados pela rede SUS/Contagem por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBS), a porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS).

Para saber mais sobre planejamento familiar e métodos contraceptivos, clique AQUI

 

Repórter:  Carolina Brauer 

Data: 06/02/2019