Depressão, vamos conversar?

A depressão é um transtorno mental em que a pessoa abandona o interesse pelas atividades que gosta de realizar, perde a vontade de viver, o sentido da vida e pode vir acompanhada de tristeza, irritabilidade e isolamento social. Acomete pessoas de várias idades, inclusive crianças. A pessoa deixa de realizar atividades rotineiras, perdendo o interesse em sair de casa, afetando o convívio social e familiar do indivíduo.

A psicóloga Josiane Gualberto Gusmão, da Unidade Básica de Saúde (UBS) Csu Eldorado, explica que uma das portas de entrada da depressão é o isolamento social. “ A pessoa deixa de sentar-se à mesa no jantar, assistir televisão reunidos”, diz Josi. A partir desses indícios, é importante que os familiares comecem a entender e  aprofundar no âmbito afetivo para que possam buscar ajuda especializada.

Sintomas:
Os sintomas da depressão são geralmente silenciosos. A família é a base inicial para que o paciente com quadro clínico de depressão possa buscar ajuda para que haja maior eficácia nos resultados. “ A empatia, que é colocar-se no lugar do outro, é o passo principal de auxílio ao paciente com quadro clínico de depressão, não pressionando e acolher a pessoa”, concluiu a psicóloga Josiane.

Onde buscar ajuda?
O primeiro passo é procurar uma Unidade Básica de Saúde (UBS), através do acolhimento que normalmente realizado pela equipe do Núcleos Ampliado de Saúde da Família (NASF), composta por: Assistente Social, Enfermeiro, Psicólogo, Médico. A partir desse acolhimento, o paciente é direcionado para o tratamento de acordo com o grau da doença.

Tratamento:
O tratamento é realizado de forma multidisciplinar, pois muitas vezes o usuário já chega na unidade com um quadro tão grave de depressão que, nem sempre o tratamento psicoterápico é suficiente. Pode acontecer também o tratamento com medicamentos. Além disso, Josiane explica que as práticas integrativas são uma forma de auxiliar o usuário com quadro depressivo e tem atingido excelentes resultados. Ainda segunda ela, espera que essas práticas integrativas possam ser colocadas na linha de tratamento da depressão.

 

Repórter: Jaiderson Henrique(sob supervisão de Lucas Santos)

Foto: Divulgação

Data: 27/11/2018