Cidade engajada na prevenção do câncer de mama e de colo do útero

Mais de 11 mil doses da vacinas contra o HPV já foram aplicadas em meninas e meninos compreendidos da faixa etária do Ministério da Saúde

Milhares de mamografias e preventivos ginecológicos foram feitos em 2017, cidade não apresenta demanda reprimida para esses exames

Em 2016, entre os residentes de Contagem, o câncer de mama foi o responsável por 37 mortes. O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais reincidente no mundo, atrás somente do câncer de pulmão, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca). Entre as mulheres em todo o mundo, o câncer de mama é o mais frequente, respondendo por cerca de 25% dos casos. Já o câncer de colo de útero foi a causa mortis em 2016 de 15 mulheres residentes em Contagem.

A estimativa para o Brasil em 2016 era a de mais de 57 mil casos novos de câncer de mama e de mais de 17 mil novos casos de câncer de cólon e reto em mulheres. Contra essas doenças que seguem vitimando mulheres a cada ano, a prevenção segue sendo o melhor remédio.

Entre as formas de detecção precoce do câncer de mama e de colo de útero, fazer exames como a mamografia e o preventivo ginecológico são importantes aliados das mulheres e dos profissionais de saúde.

Em Contagem, que durante todo este mês promove a campanha Outubro Rosa, não há demanda reprimida para esses dois exames, segundo o Setor de Regulação do município, e o acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento se dá a partir da Unidade Básica de Saúde (UBS). De janeiro a agosto de 2017, foram feitos 5.928 exames de mamografias e 14.523 exames citopatológicos, também conhecidos como preventivos ginecológicos ou papanicolau.

O público-alvo das ações de rastreamento do câncer de mama por meio da mamografia são as mulheres entre 50 e 69 anos, que devem fazer o exame a cada dois anos. Em se tratando do rastreamento do câncer do colo de útero por meio do preventivo ginecológico, estão as mulheres de 25 a 64 anos. Mulheres de outras faixas etárias que apresentem sinais ou queixas relativas à saúde da mama ou ao sistema genital feminino também devem procurar uma unidade de saúde.

Preventivo ginecológico: única forma de detecção de uma alteração no colo do útero antes de o câncer se formar

O médico ginecologista José Helvécio Kalil, referência técnica em Saúde da Mulher da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), explica que a partir dos 25 anos, se a mulher já tiver tido relação sexual e tiver exames negativos consecutivos por dois anos, o papanicolau pode ser feito de três em três anos. E aos 64 anos, a mulher pode parar de fazer o exame se a partir dos 55 anos não tiver nenhum exame alterado.

“Contagem oferece a possibilidade de rastreio, diagnóstico, propedêutica e tratamento do câncer de colo de útero a todas as mulheres compreendidas na faixa etária de 25 a 64 anos. O exame pode ser feito por enfermeiro, ginecologista ou médico da saúde da família. Não há demanda reprimida. A única forma de detectar uma alteração no colo do útero antes de o câncer se formar, o que pode demorar entre sete e 12 anos, é fazer o exame preventivo”, afirma Kalil.

Vacina contra o HPV previne contra os tipos mais comuns do câncer de colo de útero

O público adolescente também pode se engajar nessa corrente preventiva, por meio da imunização contra os tipos mais comuns de câncer de colo de útero: a vacina contra o HPV está disponível nas 48 salas de vacinação do município para meninas com idade entre 9 e 14 anos e meninos de 11 a 14 anos, faixas etárias determinadas pelo Ministério da Saúde (MS). Durante o ano de 2017, cerca de 11.200 doses da vacina foram aplicadas no município.

Diagnóstico precoce e autoexame na prevenção do câncer de mama

before

Diagnóstico precoce aumenta as chances de cura

Hélia Alves Gomes mora no bairro Amazonas, na Regional Industrial, e esteve em uma unidade de saúde da região para seguir com o controle da saúde da mama que vem fazendo há aproximadamente dez anos. “Tenho o que os médicos chamam de mama policística, um nódulo benigno. Já fiz até biópsia e está tudo bem, mas é preciso acompanhar sempre. A gente precisa priorizar esse controle”, explica ela.

E Hélia está certíssima. Renice Lins Fontes Valadares é médica mastologista no Centro de Consultas Especializadas (CCE) Iria Diniz e reafirma a importância da prevenção para o diagnóstico precoce de doenças da mama, principalmente o câncer de mama, não só neste mês, mas também durante todo o ano: “É preciso fazer um diagnóstico precoce para a gente ter um tratamento inicial com sucesso e chances de cura”, ressalta a médica. Quanto ao autoexame, no qual a própria mulher apalpa seus seios para buscar alterações, a mastologista frisa: “A gente indica o autoexame porque a mulher precisa conhecer o corpo. E a partir do momento em que ela identifica uma lesão, o que às vezes poderia demorar mais até ela chegar ao profissional, que a indicaria ao mastologista, ela pode adiantar esse papel. Então, o autoexame é importante para a identificação precoce de lesões, para que a mulher possa chegar mais rapidamente ao profissional”, diz.

Data: 05/10/2017

Repórter: Carolina Brauer

 Fotos: Adelcio Barbosa/Carolina Brauer