Carro fumacê contra o mosquito da dengue começa a circular no sábado, 16

Bairros Petrolândia, São Luiz, Tropical e Sapucaias serão percorridos para receber aplicação de inseticida contra o mosquito

A Prefeitura de Contagem, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), vem empreendendo uma série de ações para prevenir dengue, zika, chikungunya e febre amarela e combater o mosquito Aedes, transmissor dessas doenças, conhecidas como arboviroses.

Uma dessas ações é a aplicação espacial a Ultra Baixo Volume, o popular carro do “fumacê”, que, a partir de sábado, 16/03, e domingo, 17/03, começa o primeiro de quatro ciclos de aplicação de inseticida nos seguintes bairros: Petrolândia, São Luiz, Tropical e Sapucaias.

Sempre antes de o veículo do fumacê passar, um carro de som percorre a área a ser borrifada para avisar que o fumacê vai passar ou na manhã seguinte (se o carro de som circular à tarde/noite) ou à tarde (se o carro de som circular de manhã).

Nesta ação, um veículo, equipado com uma bomba pulverizadora de veneno, vai percorrer as vias dessas regiões para borrifar as gotículas de um líquido composto por pequenas quantidades de um inseticida capaz de eliminar os mosquitos que estiverem voando no local no momento da aplicação. De três em três dias, o carro fumacê vai percorrer as mesmas áreas para borrifar veneno contra o mosquito.

O fumacê, que segue as diretrizes do Ministério da Saúde (MS), tem como função específica eliminar as fêmeas do mosquito Aedes aegypti e deve ser utilizado somente para bloqueio de transmissão e para controle de surtos ou epidemias.

De acordo com o Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES), de 1º de janeiro a 11 de março de 2019, Contagem já registra 311 casos confirmados de dengue.

O diretor de Vigilância e Controle de Zoonoses da SMS, o médico veterinário José Renato de Rezende Costa, reforça que essa ação ocorre ao mesmo tempo em que seguem as demais ações de controle do mosquito do município, como as ações de controle focal, por meio da realização de visitas domiciliares em 100% dos imóveis da cidade, durante ciclos bimestrais, seis vezes ao ano. No ano passado, mais de 700 mil visitas domiciliares foram realizadas por equipes da SMS para tratamento focal.

“O bloqueio de transmissão das arboviroses com fumacê não tem efeito residual e só mata o mosquito que estiver voando no momento da aplicação do inseticida. Então, todos precisam seguir fazendo a sua parte, não deixando que recipientes acumulem água e se tornem criatórios do mosquito”, ressalta José Renato Costa.

A Secretaria de Saúde também realiza pesquisas entomológicas através do Levantamento de Índices Rápido para o Aedes agypti (LIRAa) e da colocação, em pontos estratégicos, de armadilhas de ovoposição para contagem de ovos do vetor chamadas “Ovitrampas”. Atualmente, há 517 Ovitrampas espalhadas pelo município.

Há também os mutirões de limpeza, chamados de “Faxinação”, que ao longo do ano de 2018 recolheram nas áreas mais críticas da cidade aproximadamente 172 mil quilos (172 toneladas) de entulho e outros objetos que podem se tornar focos do Aedes.

A rede assistencial em saúde do município também está preparada para reconhecer os sintomas relacionados às arboviroses. Médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem da rede SUS/Contagem estão sendo capacitados para lidar com as sintomatologias das arboviroses e realizar os procedimentos e encaminhamentos necessários para tratamento, como a realização de exames de sorologia, hemograma e hidratação oral e venosa, quando necessário.

Além disso, o município estruturou 30 Unidades Básicas de Saúde (UBS) para serem referência no atendimento a pessoas com suspeita de arboviroses, as chamadas Unidades Sentinela (clique AQUI para ver os endereços dessas UBSs).

Já no trabalho de prevenção, os mais de 250 Agentes de Combate às Endemias (ACE) do município realizam visitas e orientam as comunidades quanto à correta destinação do lixo e dos chamados inservíveis, recipientes artificiais descartados indiscriminadamente e/ou que podem acumular água, como pneus, latas, vidros, garrafas, vasos de flores e seus pratinhos, caixas d’água descobertas, cisternas, piscinas e até tampinhas de garrafa e bebedouros de animais.

Clique AQUI e saiba mais sobre o trabalho de prevenção e combate das arboviroses da prefeitura

 

Repórter: Carolina Brauer 

Foto: Jefferson Lorentz

Data: 14/03/2019