Alta hospitalar alegra para familiares e colaboradores do CMI

O pequeno de um ano e dois meses ficou internado no Centro Materno Infantil (CMI) desde seu nascimento. Na hora de deixar a unidade teve muitas fotos, balões e muitos abraços de despedida

No último dia 23/12, o CTI Pediátrico fez uma grande festa para Kesley durante sua alta médica. O pequeno de um ano e dois meses ficou internado no Centro Materno Infantil (CMI) Juventina Paula de Jesus desde seu nascimento após o parto prematuro, em 2018, e já era considerado por muitos profissionais da equipe como parte da família. Na hora de deixar a unidade teve muitas fotos, balões e muitos abraços de despedida.

A mãe Milena Barcelos Alves conta que não via a hora de levar o filho para casa e reunir a família, mas que sentirá falta da equipe que o acolheu. Ela tem outro filho de três meses e se dividiu, neste período, para dar atenção aos dois. “Todos os dias eu vinha até aqui para ficar com o Kesley, neste tempo ele cresceu e ficou bem, agora é hora de conhecer sua casa e continuar crescendo com sua família”. Milena, o marido e os filhos irão morar no bairro Santa Cruz para continuidade da assistência ao filho. Eles moravam em Betim e agora serão acompanhados pelo Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD) da prefeitura.

Kesley foi um bebê que nasceu antes da formação completa, com seis meses de gestação e, com isso, teve várias complicações da prematuridade. Ficou um período no CTI Neonatal, teve que ser entubado, passou por cirurgia e usou bolsa de colonoscopia. Nos setores em que ficou internado, a criança e a família receberam a assistência multidisciplinar. Milena Alves relembra que além dos cuidados que toda a equipe prestou, o carinho e dedicação sempre estiveram presentes. “Até festa de um aninho aqui Kesley ganhou, com direito a apresentação de violino,” disse a mãe.

A técnica de enfermagem, Ingrid Vitória de Carvalho, acompanhou a família durante todo este período e disse que vai sentir saudades. “O Kesley sempre foi muito querido, alegre e carismático. Ele nos conquistou por ser forte e guerreiro diante de tudo que passou. Adora um colo ou somos nós que adoramos dar colo para ele? (Risos) Acho que criamos um menino mimado,” riu Ingrid Carvalho ao revelar a história. Para a colaboradora, pacientes de longa permanência acabam criando um vínculo de família.

A despedida do Kesley mobilizou os colaboradores dos setores em que ele passou e também dos profissionais que o avaliavam frequentemente. Todos foram deixar um abraço de carinho e parabenizá-lo pela evolução na saúde.

 

Texto e Foto: Bruna Alves

Data: 27/12/2019