Acessibilidade: -A +A normal

 
Prefeitura Municipal de Contagem
   

Gestão planeja e executa ações para ampliar atendimento ao público LGBT

Uma dessas ações é o curso de formação em cidadania LGBT que busca humanizar e estimular o acesso aos serviços públicos

Divulgação

Cursos foram ministrados em hospitais, nos Cras e Creas e até mesmo para a Gurda Civil

Contagem é precursora quando o assunto é política pública de garantia de direitos para o público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais). Contagem e São João Del Rey são os únicos municípios mineiros que possuem conselhos de direitos para a população LGBT, além de centros de referência  para o atendimento e acolhimento dessa população. 

Em Contagem, esse pioneirismo é resultado da implementação de políticas públicas em direitos humanos que vem sendo fortalecida aos longos dos últimos anos. Atualmente, o município possui o Espaço de Cidadania LGBT onde é ofertado atendimento psicossocial. Também possui um conselho estruturado e proativo, uma gerência de diversidade sexual e, principalmente, legislações que punem situações de violência e intolerância contra o público LGBT. 

“Contagem tem um processo histórico muito bom nas questões de garantias de direitos humanos. É importante considerarmos isso, entretanto, o acesso a essas políticas ainda é muito baixo”, salientou o gerente de Diversidade Sexual da Prefeitura de Contagem, Sergio Riani.  

Para ele, a causa dessa ausência está relacionada à transfobia, à homofobia e à violência institucional. “Homossexuais, bissexuais, travestis e transexuais sofrem violência ou são ignorados constantemente, inclusive nas instituições públicas. Por isso, não acessam e buscam alternativas pela via informal, principalmente, tratando-se de travestis e transexuais no processo de transição”, explicou. 

Para solucionar a questão, aumentando o acesso e a visibilidade aos serviços voltados ao público LGBT, Riani informou que a prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania e da Gerência de Diversidade Sexual, vem trabalhando, neste ano, principalmente com a formação e qualificação dos gestores e equipes que atendem a população na ponta, nos territórios. 

Segundo o gerente de Diversidade Sexual, cerca de 600 pessoas já passaram por essa formação. “Nossa intenção é criar um processo de humanização na área de atendimento das instituições, ensiná-los a considerar a diversidade a fim de construir uma relação de respeito e confiança com o público LGBT. Somente assim, ele terá segurança para nos procurar e acessar as instituições públicas para melhor orientação e qualidade de vida”, ressaltou.   

before

Espaço atende ao público LGBT

 Iniciada em fevereiro deste ano, os cursos de formação com recorte na temática LGBT (gênero e sexualidade) já foram promovidos para equipes dos Centro de Referências em Assistência Social (Cras e Creas), para as equipes da Guarda Civil e as próximas serão as secretarias de Saúde e Educação. 

O curso também já foi ministrado em hospitais, como o Complexo Hospitalar São Francisco, Galba Veloso, alcançando terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, psicólogos, médicos, psiquiatras, enfermeiros, técnicos, enfim, uma gama de profissionais que no dia a dia possam lidar com especificidades dessa população. 

“Hoje a nossa luta é despatologizar a identidade trans, considerado ainda uma disforia de gênero, como um transtorno de identidade e personalidade. É fundamental que a área da saúde entenda que esse conceito é ultrapassado. Esse diálogo é fundamental para que o profissional possa diferenciar o que é ou não doença”, ponderou. 

Plano de ação 2017-2020

Além das capacitações, a Gerência de Diversidade Sexual planeja uma série de ações que serão implementadas a curto, médio e longo prazos durante a atual gestão. Entre as atividades, está a criação de um selo da diversidade empresarial, em parceria com Secretaria Municipal de Trabalho e Geração Renda, para estimular a empregabilidade e a escolaridade; a implementação de um formulário de atendimento já construído para definir indicadores desse público; a formalização de parcerias com o projeto TransVest para execução de atividades no Espaço de Cidadania LGBT e com a Faculdade UNA Contagem para a oferta de serviços jurídicos.

“Todo plano de ação está sendo pensado para que possamos elevar o nível de atuação dessa gestão, deixando uma marca e um legado de tolerância e diversidade para o município”, finalizou Riani. 

 

   

REPÓRTER: Carol Cunha    FOTO CRÉDITO: Divulgação    

PUBLICAÇÃO: 10/11/2017 14:52:36